MENU

29 de janeiro de 2013 - 08:44Fórmula 3

De campeonato a torneio: a triste situação da F-3 inglesa

RIO DE JANEIRO - Era uma vez um campeonato que, nos tempos áureos, revelou alguns dos maiores pilotos que vimos na história do automobilismo, diversos nomes bons e outros nem tanto. Muitos brasileiros – 12 ao todo – e, cabe dizer, todos os nossos campeões mundiais de Fórmula 1, ganharam títulos por lá.

Largada de uma prova da Fórmula 3 inglesa em Donington Park, 2008: definitivamente, o certame já viveu dias bem melhores...

Largada de uma prova da Fórmula 3 inglesa em Donington Park, 2008: definitivamente, o certame já viveu dias bem melhores…

Evidentemente falo da Fórmula 3 inglesa, que sofre um rude golpe, talvez o maior de sua história, neste ano de 2013. O campeonato da categoria virou torneio. Havia oito datas ao total, marcadas para diversas pistas, feito Donington Park, Snetterton, Oulton Park e Paul Ricard. Esse calendário esboçado caiu por terra e ontem, foi anunciado um novo, com apenas quatro – isso mesmo – quatro datas, marcadas para Silverstone, Brands Hatch, Spa-Francorchamps e Nürburgring, não necessariamente nessa ordem.

Stéphane Ratel (sempre este homem fatal!) e sua empresa, a SRO, estão por trás da decisão de reduzir o certame e adiar o início do “campeonato” para maio, no circuito de Silverstone. A ideia é atrair ao máximo as equipes do Campeonato Alemão e do Euro Open de F3, que corre em conjunto com o International GT Open, para competir na National Class – e, principalmente, as do Campeonato Europeu, que após alguns anos claudicantes, parece querer voltar à sua melhor forma em 2013.

Com apenas três pilotos anunciados e duas equipes confirmadas, a Fórmula 3 inglesa vive talvez o pior momento de sua história. Ano passado, somente doze competidores disputaram o campeonato inteiro, entre eles os brasileiros Pipo Derani e Pietro Fantin, divididos por somente cinco escuderias. E para este ano, as britânicas Carlin e Fortec estão muito mais inclinadas em correr no FIA European Formula 3 Championship no que no certame britânico.

É grave a crise na categoria de base. E pelo visto, nós do Brasil não estamos sozinhos no mesmo barco…

8 comentários

  1. Terrível. Quem imaginaria isso da Fórmula 3??

    Prever esses fins com A1GP ou Formula Superliga é até fácil, mas não em uma categoria, berço do automobilismo e que revelou inúmeros grandes pilotos.

    A coisa tá feia por lá também!!

    Abraço, xará!!

  2. O automobilismo de base está em rota de colapso. Aliás, o automobilismo está.

  3. Eduardo Schmidt disse:

    O automobilismo está acabando de vez gente…a popularidade dos outros esportes está cada dia maior!!!! Até o tênis já é mais popular que o automobilismo!!! Nos resta acompanhar o kart “in loco”…ainda bem que a Stock Car vai ser transmitida pelo canal Sportv…eu nunca imaginaria a F-3 Inglesa dessa maneira, mas infelizmente era previsto mesmo que isso aconteceria, o declínio do automobilismo é muito grande!!!! A F-Indy vai acabar logo…acho que em uma década…a GP2 está com um grid bom…olha…a situação tá cada vez pior!!!!

  4. O problema é que os custos do automobilismo de base são um altos e eles não conseguem ter mídia suficiente para convencer patrocinadores a investir em algo que não dá retorno, ainda mais num momento de crise financeira no velho continente. O Alex Dias Ribeiro disse uma vez que fez a temporada completa da F3 nos anos 1970 com cerca de 50 mil dólares. Hoje passa fácil de 1 milhão de dólares, isso em equipe que não é de ponta. Como resolver isso? Está na hora da FIA agir não? Ou o pessoal lá também tem a mesma mentalidade da CBA?

  5. Alvaro Ferreira disse:

    Uma coisa que chama a atenção, segundo o site da Motorsport, é que há muito tempo a F-3 inglesa deixou de ser uma categoria obrigatória para quem quer ter sucesso na F-1.
    O exemplo disso é que o último campeão da F-3 a ganhar um GP foi….. Rubens Barrichello! Depois disso, nenhum dos 21 campeões seguintes venceu um GP.

  6. fabio de souza disse:

    Os custos estão muito alto na base, o que leva a ter nessas categorias pilotos que estão lá mais pela grana que pelo talento.Junte a isso o fato de existir outras categorias de base com alguma visibilidade e ofusca a f3.A f1 não precisa de talento , mas de pilotos medianos em um bom carro pra garantir um espetáculo e enganar o publico com estatísticas e botões de ultrapassagem, a falcatrua oficializada..A coisa tá pulverizada e não está fazendo bem a f1.Quem tem grana chega lá, sem nescessáriamente ter algum talento especial.A fala do Mansel de que hoje é possível fazer corridas sem piloto é algo a se pensar seriamente.Será que alguem tem interesse em acompanhar um talento despontando sabendo que sem grana vai ficar a pé no meio do caminho?É por isso que vemos chegar a f1 pilotos cada vez com menos historia ou carreira pouco expressiva, vindo de pós graduação na gp 2.Quem esperamos ansiosamente ver na f1 pra ve-lo se consagrar?Tem alguem arrebentando na gp 2, na renault series etc?Eu não vejo.O piloto esta sem importancia, então pra que perder tempo em forma-los?

  7. Leonardo Gomes disse:

    Realmente as categorias de Formula no mundo em geral estão passando por uma crise, as únicas de base que ainda estão fortes é a F-Renault 3.5 e a 2.0, o resto das categorias estão ou com menos de 20 pilotos ou não existem mais, na verdade tem que se repensar as categorias de base em geral, inclusive o Kart que é caríssimo, pois vai ter uma hora que será inviável e teremos uma qualidade de pilotos cada vez pior.
    E sim, há pilotos nas categorias anteriores na F-1 bons, mas são poucos, o Felipe Nasr, o James Calado e o Antônio Feliz da Costa são esses exemplos, mas para entrar na F-1 precisarão de muito dinheiro, esta complicado a situação, espero que um dia mude.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>