MENU

30 de janeiro de 2013 - 00:40Fórmula 1, Memorabilia

Saudosas pequenas – Eurobrun, parte I

RIO DE JANEIRO - No fim do ano de 1987, a união fez a força. Dois nomes já conhecidos do automobilismo se reuniram para formar uma nova escuderia de Fórmula 1. Um tinha dado suporte à Alfa Romeo entre 1983 e 1985. O outro tinha uma equipe particular, cliente da Porsche, com relativo sucesso, no World Sportscar Championship (WSC). Refiro-me a Gianpaolo Pavanello e Walter Brun, que fizeram a seguinte equação: Euroracing + Brun Motorsport = Eurobrun.

4480250662_0df58310d0_z

No Mundial de Endurance, o World Sportscar Championship, a Brun era a melhor equipe não-oficial da Porsche

Enquanto Pavanello não conseguiu fazer a Euroracing se dar bem na categoria máxima – ocasionando inclusive o fim da equipe Alfa Romeo de F-1, a Brun Motorsport fazia um bom papel nas corridas de Grupo C desde 1983, a ponto de vencer entre as escuderias o WSC em 1986, batendo as poderosas Rothmans Porsche, Sauber-Mercedes e Jaguar. O time também participava com algum sucesso de corridas da série estadunidense IMSA, sempre como cliente Porsche.

2355374494_f29f5282f1_z

A Brun foi campeã mundial em 1986 no WSC, superando Rothmans-Porsche, Silk Cut Jaguar, Lancia e Sauber-Mercedes

Confiantes, Brun e Pavanello montaram uma estrutura em Senago, no norte da Itália, nas proximidades de Milão. Para o campeonato de estreia da equipe, em 1988, contrataram o campeão da Fórmula 3000, o novato italiano Stefano Modena, para fazer companhia ao velho recruta de Walter Brun nos protótipos, o argentino Oscar “Poppy” Larrauri.

Mario Tolentino foi o desenhista do primeiro carro do time, o ER188, equipado com o convencional motor Ford Cosworth DFR V8 que era maioria no grid entre os aspirados, à exceção das unidades Judd que roncavam nos carros de Williams, March (Leyton House) e Ligier.

Eurobrun

O ER188 não chegava a ser bonito, não

Não era propriamente dos carros mais bem-acabados daquela temporada. Diferentemente do Rial, que apresentava soluções inteligentes, em que pese o tanque de combustível de tamanho menor que o previsto, o Eurobrun ER188 era muito convencional e sem grandes inovações aerodinâmicas. Apesar das limitações de equipamento, os dois pilotos classificaram para a largada do GP do Brasil, em Jacarepaguá. Todavia, nenhum deles chegou ao final.

Nas corridas seguintes, a Eurobrun cometeu erros primários para quem tinha gente experiente nos bastidores. Stefano Modena foi excluído em dois treinamentos consecutivos, em Mônaco e no México, por uma falha na vistoria no principado e por uma asa irregular no país asteca. Apesar disto, Modena fez uma corrida muito competitiva no Canadá, chegando a figurar em sétimo, muito próximo da zona de pontuação. O italiano atrasou-se durante a disputa e chegou em 12º lugar.

modenaeurobrun1988

Stefano Modena mostrou algumas qualidades em sua temporada de estreia

Eventualmente, apesar das dificuldades técnicas, Modena ou Larrauri conseguiram se classificar com frequência para as corridas até o GP da Hungria, onde Modena saiu de último para terminar em décimo-primeiro, melhor resultado dele no ano e da equipe na Fórmula 1. Mas, no meio do campeonato, a equipe entrou em crise: insatisfeito com as performances medíocres de “Poppy” Larrauri, Walter Brun tentou fazer seu velho recruta sair da equipe e substitui-lo pelo alemão Christian Danner, sem sucesso. Subitamente, a Euroracing também perdeu o interesse pela empreitada e a equipe se perdeu. Como efeito, por três corridas consecutivas nenhum dos dois carros se classificou e no GP da Espanha, Modena conseguiu alinhar de novo em último para terminar em 13º.

1171462886_f

No fim do campeonato os ER188 trocaram o branco por uma decoração horrorosa

Após mais uma desclassificação dupla no Japão, os dois pilotos alinharam juntos na última corrida do ano, na Austrália, onde o ER188 foi decorado com uma pintura de gosto duvidosíssimo. Nem Modena, nem Larrauri conseguiram terminar aquela corrida.

Amanhã, mais histórias da Eurobrun na Fórmula 1.

1 comentário

  1. Gustavo Nogueira disse:

    Rodrigo,
    Agora fiquei com uma dúvida:a equipe da Alfa-Romeo não era de fábrica???Era uma equipe privada???No caso,a Euroracing….Não entendi bem….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>