MENU

29 de janeiro de 2013 - 01:02Fórmula 1, Memorabilia

Saudosas pequenas – Rial

Rial_racing_logoRIO DE JANEIRO - Raros são os casos de quem conseguiu ter uma segunda chance na Fórmula 1 como dono de equipe. Após o surgimento e o fim da ATS, Günther Schmidt reapareceu com uma nova marca de rodas esportivas e em conseguinte, uma nova escuderia na categoria máxima: a Rial Racing.

Com sede em Füssgonheim, a Rial Racing se preparou para estrear na temporada de 1988, a última na transição do regulamento quando os motores turbo estavam com os dias contados. Os motores de aspiração normal, obsoletos quatro anos antes, voltaram a ser uma opção em conta, por medida de economia e confiabilidade. Günther Schmidt conseguiu motores Ford Cosworth DFZ V8 e contratou o andarilho Andrea De Cesaris, que já tinha naqueles tempos passagens por Alfa Romeo, McLaren, Ligier, Minardi e Brabham no currículo.

6938131475_34049491dc_z

O terror dos adversários foi o único piloto da estreante Rial em 1988

Emulando os tempos da ATS, Günther chamou Gustav Brunner de volta e o engenheiro austríaco, que deixara a Ferrari quando John Barnard foi anunciado no time italiano, fez o primeiro Rial. O ARC01 guardava algumas semelhanças em suas linhas com a Ferrari que Brunner desenhara – tanto que era conhecido como “Ferrari azul”. Era muito bem-nascido e competitivo de saída, com uma suspensão pull rod de duplos triângulos e minúsculos amortecedores montados horizontalmente no chassis. Mas tinha uma falha grave.

“Quando o carro foi projetado, houve um mal-entendido entre Gustav Brunner e Heini Mader, que montava nossos motores, quanto ao cálculo do consumo de combustível. Então o carro ficou com um tanque muito pequeno”, revelou De Cesaris em entrevista recentemente publicada pelo site Tazio.

5141012408_34cfbae91c_z

De Cesaris em ação no circuito de Jacarepaguá. O ARC01 foi um carro bem construído, mas tinha lá seus problemas…

Com apenas dez pessoas nos autódromos, a Rial surpreendeu em sua estreia no GP do Brasil, em Jacarepaguá. De Cesaris conseguiu o 14º lugar no grid, chegou a andar em sexto e vinha em nono, quando uma pane o tirou da corrida – a primeira em todo o ano. Abandonos se seguiram nas corridas seguintes – San Marino e Mônaco, além do México, onde o carro voltou a andar bem. De Cesaris vinha em 10º quando quebrou a embreagem.

1988_monza_rial_arc-01_(testing)

De Cesaris testa em Monza

No Canadá, o italiano fez uma ótima corrida. Da 12ª posição do grid, rapidamente escalou o pelotão e chegou a quinto na quadragésima-segunda passagem. Seria a primeira corrida da Rial na zona de pontuação em 1988, mas… a três voltas do fim acabou a gasolina e De Cesaris ficou a pé.

Um outro detalhe que o ARC01 (não) possuía: o carro simplesmente não tinha no painel um indicativo de combustível, o que deixava o piloto do carro #22 mais perdido que cego em tiroteio. Ainda assim, no difícil traçado citadino de Detroit, Andrea largou de novo em 12º, alcançou o quarto posto em 27 voltas e desta vez o combustível e o tanque foram suficientes. De Cesaris marcou três pontos na sexta corrida da Rial na Fórmula 1.

Andrea-de-Cesaris-1988

O italiano fez três pontos com um 4º lugar no GP dos EUA, mas tinha potencial para algo mais

Após o bom resultado da corrida dos EUA, a Rial e De Cesaris começaram a alternar bons desempenhos em classificação com poucos resultados em corrida – e muitos abandonos. O mau humor constante de Günther Schmidt fez Gustav Brunner pedir as contas de vez e o engenheiro caiu fora do time após o 13º posto do italiano no GP da Alemanha. O desempenho do carro caiu de forma vertiginosa e só no GP da Austrália a equipe voltou a ter possibilidades de marcar pontos. De Cesaris vinha em quinto a cinco voltas do fim e de novo o combustível chegou ao fim sem nenhum aviso prévio.

Para 1989, não haveria De Cesaris e nem tanque de gasolina minúsculo. Günther Schmidt encomendou a Stefan Fober um reestudo do ARC01 e o carro foi rebatizado como ARC02. Naquele ano, o motor era o Ford Cosworth DFR e o reservatório de combustível tinha alegados 208 litros. Nenhum problema, portanto, para os novos contratados: o experiente alemão Christian Danner e o novato compatriota Wolker Weidler, egresso da Fórmula 3000.

Graças aos três pontos de Andrea De Cesaris, que deixaram a Rial em nono lugar no Mundial de Construtores, Christian Danner pôde participar dos treinos classificatórios de forma direta no início do campeonato. Weidler, por ser estreante, não teve a mesma sorte. Teria que ir para o “vestibular” das pré-qualificações.

rial

Em 1989, um dos pilotos era o alemão Christian Danner

Danner conseguiu largar na abertura da temporada, em Jacarepaguá, com o 17º tempo. Acabou abandonando, mas chegou a andar até na 9ª posição. Parecia que seria uma cópia-carbono do que De Cesaris fez em 1988, mas ficou por aí. Nas corridas seguintes – San Marino e Mônaco – nada de Rial na pista.

89-mexico-vw

Volker Weidler estreou – e penou – a bordo do ARC02

No México, Christian largou em 23º e chegou em décimo-segundo, com Weidler novamente de fora. A sequência de corridas fora da Europa foi boa para a Rial, pois Danner conseguiria um inesperado 4º lugar em Phoenix, no GP dos EUA e a oitava posição no dilúvio do Canadá, em Montreal.

A partir daí, o desempenho da Rial só pioraria, enquanto algumas outras equipes mostravam evidentes progressos. Nem quando, com os pontos da primeira metade do campeonato, os dois carros do time passaram a ter acesso direto aos treinos oficiais, a coisa mudou de figura.

image213

O novato piloto alemão acabou demitido em meio a uma crise entre Günther Schmidt e os engenheiros do time

No GP da Hungria, o clima na escuderia ficou muito ruim quando o carro #39 de Wolker Weidler foi excluído dos treinos pelo uso de uma asa traseira fora do padrão exigido pela vistoria técnica. Explosivo, Günther Schmidt perdeu a paciência com o piloto e com o engenheiro Stefan Fober. Os dois pagaram o pato pelo incidente e foram demitidos.

89-monza-pr

Pierre-Henri Raphanel entrou no lugar de Weidler e não resolveu muita coisa

Para a corrida seguinte em Spa-Francorchamps, na Bélgica, chegou o francês Pierre-Henri Raphanel, que deixara a Coloni. O piloto indicara Christian Vanderpleyn, projetista do C3 do time italiano naquele ano de 1989 e que foi imediatamente contratado por Günther Schmidt para tentar salvar o quase inviável ARC02.

E não houve jeito que desse jeito: Danner foi nove segundos mais lento que a pole no traçado das Ardenas. Raphanel, doze. A falta de velocidade do Rial voltou a dar as cartas em Monza e em Portugal, após ser mais lento que Raphanel, Christian Danner disse adeusinho ao time de Füssgonheim.

Gregor-Foitek-1989-Spanish-GP

A monumental porrada de Gregor Foitek no treino do GP da Espanha, em Jerez de la Frontera

O suíço Gregor Foitek, que cultivara uma fama de doidão na Fórmula 3000 e fora mandado embora da Eurobrun naquele mesmo ano, teve sua chance no time em Jerez de la Frontera. No segundo treino classificatório, ele vinha em volta rápida quando a asa do ARC02 começou a despencar. No meio de uma curva de alta, a asa quebrou de vez e Foitek deu uma baita porrada, demolindo o carro. Foi a senha para que ele nunca mais sentasse num Rial.

89-suzuka-bg-1

Bertrand Gachot foi demitido da Onyx e buscou abrigo na Rial; também não deu certo e a equipe fechou suas portas

O último piloto que andou naquilo que nós, apaixonados por automobilismo, chamamos ‘carinhosamente’ de “cadeira elétrica”, foi o franco-luxemburguês Bertrand Gachot, também defenestrado de sua equipe em 1989, a Onyx. E ele seguiu o mesmo calvário de Raphanel: lento no Japão e na Austrália, não se classificou. Nem o francês, que nunca mais guiaria um Fórmula 1.

Mesmo com o 13º lugar no Mundial de Construtores para uma equipe que em 20 corridas de que participou somou seis pontos, Günther Schmidt saiu de cena. Fracassar duas vezes, e ainda por cima carregar um mau humor perene, foi demais para o alemão, que morreria em 2005, dezesseis anos após o fim patético da Rial Racing.

13 comentários

  1. Rial, Yes! Embora ache que deverias ter publicado isto logo após teres feito a ATS. Sempre seria uma continuidade, não é?

  2. É impressionante, mais do que a quantidade de equipes pequenas, a dança dos pilotos. Se não anotar carinhosamente, fica perdido.

    Eu mesmo me embaralhei com piloto A que estava em equipe X, e foi para a equipe Y, que tinha piloto B, por passagens em equipes X, Y e Z, que tinham pilotos A e C…

  3. Rodrigo Peixoto disse:

    Curioso pra saber qual será a próxima equipe.
    Rodrigo, quando acabar a série “pequenas” vai continuar com as saudosas? Seria bacana ler aqui as histórias de equipe como Brabham, Tyrrell, Ligier e outras..
    Abraço!

  4. Mefistófeles disse:

    Tem bastantes equipes, Spirit, Eifelland, Martini Tecno V12, Surtees, Cooper, Amon, Embassy Hill, Anos 60 Scarab, Emeryson, Porsche, Eagle-Weslake, Dos anos 50 HWM, ERA, Lago Talbot, Vanwall, Aston Martin, Gordini e outras mais

  5. Vinicius disse:

    E do que morreu Gunther Schmidt?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>