MENU

11 de dezembro de 2014 - 12:54Fórmula 1

Acabou a novela

201412111035899_temp_GP_II

No “apagar das luzes”, a McLaren decidiu-se por Jenson Button para 2015 e Kevin Magnussen passa de titular a reserva

RIO DE JANEIRO - A novela McLaren-Alonso-Button-Magnussen acabou. E no final das contas, não houve desfecho feliz para Kevin Magnussen. O jovem dinamarquês acabou preterido pela equipe de Woking para a temporada 2015 da Fórmula 1. Ron Dennis pesou os prós e os contras e resolveu ter sob seus cuidados uma dupla de campeões do mundo – o que sob seu comando já aconteceu com Prost e Senna e também com o próprio Button, ao lado de Lewis Hamilton, em 2010.

Para o projeto que se (re)inicia, marcando a volta da parceria entre a McLaren e a Honda, é uma escolha coerente. A equipe precisa de gente experiente para poder dar um feedback melhor para um motor totalmente novo e o carro evidentemente precisa ser melhor que o de 2014 para a equipe poder retomar o caminho das conquistas. A última vitória da McLaren foi há exatos dois anos, com Button, no GP do Brasil. Não há um campeão a bordo de um carro construído em Woking desde 2008. E Ron não sabe o que é ser campeão de construtores desde 1998. Para alguém tão soberbo quanto ele, ficar tanto tempo sem títulos deve doer um bocado.

ron-alonso

Todo mundo pensou que não veria isto de novo, mas… aconteceu. Fica a pergunta: será que vai dar certo?

E outro também que não vê conquistas há algum tempo é justamente o “novo” contratado. Fernando Alonso regressa à equipe britânica após a parceria que durou apenas uma temporada (2007) e foi marcada por uma série de intrigas, picunhas, disse-me-disse e que culminou com o rumoroso escândalo de espionagem que envolveu Mike Coughlan, o falecido Nigel Stepney, o próprio Fernando Alonso e Pedro de la Rosa – só para começar. Para quem não se lembra, a equipe quase foi banida da F1, mas Bernie Ecclestone entrou no circuito e “convenceu” Max Mosley a ‘apenas’ eliminar o time do Mundial de Construtores, além de pagar uma multa de milhões de dólares. O problema refletiu-se na reta final do campeonato: Alonso e Hamilton foram derrotados por Kimi Räikkönen e o espanhol, já com tudo assinado para regressar à Renault, não escondia o sorriso irônico – mesmo com a derrota – ao fim da corrida. Por conta disso, muitos apostavam que Fernando jamais poria os pés em Woking. E não é que aconteceu?

Aliás, Ron tratou de culpar Hamilton por tudo o que aconteceu em 2007 e o próprio Alonso disse que há “negócios inacabados” na equipe. Além disso, admitiu que naquele ano não deu 100% de si e que cometeu erros capitais que deitaram por terra um tricampeonato tido como fato consumado por muitos.

Mas quase que o acordo McLaren-Alonso não acontece: a Porsche tentou atrair Fernando com o canto da sereia, a.k.a. 24 Horas de Le Mans. Fernando foi o Grand Marshal da prova deste ano em Sarthe, também acompanhou as 6h do Bahrein e não escondeu de ninguém seu entusiasmo. Efetivamente os alemães fizeram o convite. E embora o acordo com a McLaren já estivesse costurado, o piloto tentou incluir nas cláusulas contratuais uma “liberação” para correr em Spa e em Le Mans pelo construtor alemão. Só que ele sabe bem com quem está lidando e Ron Dennis, como bom negociante, disse não. O acordo foi assinado por três anos. E não há válvula de escape. O sonho de correr em Sarthe vai hibernar por um tempinho…

A situação de escolha entre Button e Magnussen também permeou esta novela com requintes de crueldade, para ambos os lados. O novato dinamarquês apostava em sua juventude para permanecer e ganhar experiência tendo como companheiro de equipe um dos melhores pilotos da F1 nos últimos anos. Button já tinha outras saídas: a Audi estava com uma minuta de contrato prontinha para o britânico assinar, caso Ron Dennis lhe desse um pontapé nos fundilhos e o dispensasse. O dirigente pensou duas vezes. E renovou o contrato de Jenson, por dois anos, ontem. Ou seja: faz menos de 24h que Button voltou a ser piloto titular da McLaren. Talvez Dennis lhe deva um pedido de desculpas mas, orgulhoso, certamente não o fará.

A McLaren terá “a melhor dupla da F1″ - palavras de Ron Dennis. E a mais experiente do lote. Somados, os dois têm nada menos que 501 GPs disputados – Button tem 266 participações e Alonso 235. Na média de idade, são 33,5 anos. O que é quase o dobro de uma Toro Rosso que apostará em uma dupla de neófitos adolescentes, formada por Carlos Sainz Jr. e Max Verstappen.

Isto posto, K-Mag terá que esperar por uma nova chance e ela não acontecerá antes de 2016, porque Button permanecerá até o fim daquela temporada. E assim a F1 chega ao fim do ano com 18 vagas já asseguradas, restando a duvidosa Caterham por definir seus pilotos. A Manor, leia-se Marussia, vai leiloar tudo o que tem dentro da equipe e dificilmente deve seguir na categoria em 2015.

13 comentários

  1. Herik disse:

    Gosto muito do Button. Acho um piloto muito subestimado. E certamente foi a melhor escolha. Só duvido que o contrato dele seja realmente de dois anos. Está mais para um de ano renovável por mais um.

    Agora é ver se a McLaren voltará a fazer as escolhas técnicas corretas. Aquela de terminar a temporada de 2012 com o melhor carro e optar por mudar muito para o ano seguinte não foi a melhor das opções.

  2. Gustavo Oliveira disse:

    Então a possibilidade de Alonso disputar Spa e Le Mans em 2015 já está sepultada?

  3. Marchi disse:

    Vamos ver se a McLaren vai saber aproveitar a nova estadia de Alonso.

    Seria bom ver novamente uma rivalidade entre duas equipes com tecnologia equiparadas na F1. E isso que todos esperamos com a volta da Honda na categoria.

  4. Paulo Pinto disse:

    Estou curioso para ver quanto tempo essa alegria vai durar.

  5. FAB1000 disse:

    Como eu escrevi a alguns dias atrás, essa seria a melhor combinação para a equipe. Então, parece que o Dennis abriu a carteira e pagou o britânico aquilo que ele merecia. Ou então fez como o FlorminenC pagou o estipulado na carteira de trabalho, que ia ser o custo do franguinho, e deixou a conta do contrato de imagem do craque para a Unimed, nesse caso Honda, pagar. kkkkk
    Foi certamente a melhor solução.

    Só precisa ver se nesse contrato de 2 anos do Button não tem um passa fora estratégico, caso a equipe tenha interesse ($$$) em botar o dinamarquês de volta em 2016, ou se ele tomar um ferro do Alonso. ;-)

    • Rodrigo Mattar disse:

      Foi falar do Fluminense justo no lugar errado e na hora mais inapropriada. Não acha?

      • FAB1000 disse:

        Achei que com as “férias” em BA, se esbaldando com aquelas carnes maravilhosas, tivesse melhorado o senso de humor. rsrsrs

        Tá bom… não toco mais em clube de futebol se você prometer não postar mais nada sobre o Neimarketing. kkkkk
        Só não entendi a hora inapropriada… será você já sabe o resultado da perícia sobre quem comprou a Portuguesa? ;-)
        Abraço.

      • Rodrigo Mattar disse:

        Sei sim. Sei de mais coisas do que você supõe, Fabrício.

  6. marcelo villela disse:

    acho que o BUTTON foi escolha da HONDA. ele ja correu por ela, junto com RUBINHO. Acho que a turma do japao gosta dele.

  7. Wallace Michel disse:

    As escolhas foram acertadas. Já a negociação com o Button é que foi bem sacana para falar o mínimo. Agora acredito que o time saia desse marasmo e venha a brigar de frente com a Mercedes, Red Bull e Williams.

  8. Paulo Pinto disse:

    A foto com Fernando Alonso e Ron Dennis é de uma falsidade sem limites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>