MENU

17 de janeiro de 2015 - 11:16Rali Dakar

Penta Coma

100449_Marc_Coma__1_2946

Mais uma vez campeão: o espanhol Marc Coma vence o Rali Dakar pela 5ª vez na carreira, e pela primeira vez também, ganhou dois títulos de forma consecutiva com sua KTM

RIO DE JANEIRO - O espanhol Marc Coma chegou lá, mais uma vez. Com uma impressionante regularidade e apenas uma vitória em 13 especiais disputadas neste ano, o piloto de 38 anos conquistou neste sábado seu 5º título no Rali Dakar, o que lhe deixa no mesmo patamar do francês Cyril Despres. É também a primeira vez em que o motociclista da KTM chega a duas conquistas consecutivas.

Desta vez, Coma contou não só com sua competência, mas também com a falta de sorte dos pilotos da Honda. Os problemas enfrentados principalmente por Joan Barreda Bort, com quem Marc travou um autêntico duelo de gato e rato durante grande parte do percurso, contribuíram para mais uma conquista do piloto que em 2016, se voltar, estará de novo com o dorsal #1 em sua máquina. A KTM não era tão veloz quanto as CRF450 Rally do construtor japonês, mas Marc sabe que um Dakar só é ganho quando ele acaba. Barreda, embora tenha sido um duro rival, fracassou de novo no afã de superar o compatriota. Mais uma lição aprendida para o próximo ano.

O vice-campeão deste Dakar foi o português Paulo “Speedy” Gonçalves, que mostrou o seu melhor e ratificou o porquê de ser um dos mais completos pilotos de Rali Cross-Country do mundo. É fácil falar agora, mas sem a penalização de 15 minutos por troca de motor, ele poderia ter sido uma pedra no sapato de Coma, que teria de acelerar um pouco mais para ganhar o título. Descontada a punição, inclusive, a diferença entre eles seria de apenas 1min53seg, uma das menores de todos os tempos.

A prova nos mostrou dois novatos que podem dar muito trabalho no futuro e uma grande surpresa. Os novatos são o austríaco Matthias Walkner, alijado da disputa por uma falha mecânica, e o australiano Toby Price, que fechou seu primeiro Dakar com um excepcional 3º lugar. Ele sobrepujou nas últimas etapas ao surpreendente chileno Pablo Quintanilla, que terminou a prova sem estar fisicamente no seu melhor. O novo ídolo chileno e melhor sul-americano da competição também arrebentou neste Rali, tendo ganho uma especial a exemplo dos novatos já citados.

Além deles, merecem destaque os eslovacos Stefan Svitko, que mostrou mais uma vez as qualidades que o deixaram em 5º lugar em 2012, resultado que ele repete três anos depois; e Ivan Jakes, vencedor de duas das três últimas especiais do Rali, incluindo a última, que teve apenas 101 km dos 174 previstos e acabou interrompida pelas péssimas condições climáticas na região próxima à capital argentina Buenos Aires. A espanhola Laia Sanz, com o 9º lugar geral, também merece uma honrosa citação. Ela fez um grande Dakar e, de longe, foi a melhor representante do sexo feminino na competição. Alguns já dizem que ela é a Jutta Kleinschmidt sobre duas rodas.

Mesmo fora do top ten final, outros nomes merecem ser citados: o holandês Hans Vogels apareceu algumas vezes entre os melhores classificados e quase beliscou uma boa colocação. Foi 11º colocado. Outro nome de futuro é o de Xavier De Soultrait, que surpreendeu numa das etapas maratona e foi um dos melhores nomes da Yamaha, talvez a marca de pior desempenho na competição. O piloto francês chegou em décimo-terceiro.

O brasileiro Jean Azevedo, com sua Honda da equipe sul-americana, com apoio de fábrica, lutava para terminar entre os 20 primeiros, mas não deu. Acabou superado até pelo romeno Emanuel Gyenes na etapa derradeira, já que o piloto dos Cárpatos chegou em 13º lugar na última etapa e Jean foi apenas o vigésimo-quarto. Com isso, o piloto de 40 anos completou mais um Dakar para o currículo, agora na 22ª colocação na soma dos tempos.

O resultado da etapa #13 nas motos:

1º #21 Ivan Jakes (KTM) – 52min06seg
2º #18 Stefan Svitko (KTM) – 52min51seg
3º #26 Toby Price (KTM) – 53min13seg
4º #7 Paulo Gonçalves (Honda) – 53min21seg
5º #1 Marc Coma (KTM) – 55min17seg
6º #37 Hans Vogels (KTM) – 55min42seg
7º #15 Frans Verhoeven (Yamaha) – 56min41seg
8º #31 Pablo Quintanilla (KTM) – 56min58seg
9º #44 Xavier De Soultrait (Yamaha) – 58min00seg
10º #29 Laia Sanz Pla-Giribert (Honda) – 1h00min01seg

Classificação geral:

1º #1 Marc Coma – 46h03min49seg
2º #7 Paulo Gonçalves – 46h20min42seg
3º #26 Toby Price – 46h27min03seg
4º #31 Pablo Quintanilla – 46h42min27seg
5º #18 Stefan Svitko – 46h48min06seg
6º #11 Ruben Faria – 48h01min39seg
7º #9 David Casteu – 48h04min03seg
8º #21 Ivan Jakes – 48h22min07seg
9º #29 Laia Sanz Pla-Giribert – 48h28min10seg
10º #3 Olivier Pain – 49h12min58seg

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>