MENU

20 de agosto de 2015 - 15:01Mundial de Endurance

“Apêndice B”: mudanças técnicas para as 6h de Nürburgring

435476a7-2cff-41d0-88b8-108c71666ef1

Comitê do WEC anuncia o novo “Apêndice B” do regulamento: Porsche é prejudicada com mudanças para as 6h de Nürburgring (Foto: Porsche Presse/Divulgação)

RIO DE JANEIRO - O comitê do FIA WEC anunciou as modificações no boletim de Equivalência de Tecnologia (EoT) dos protótipos LMP1, no chamado “Apêndice B” do regulamento técnico do Mundial de Endurance, com validade a partir das 6h de Nürburgring, próxima etapa do campeonato, até às 24h de Le Mans do ano que vem.

As modificações dizem respeito ao fluxo de combustível que os carros híbridos têm que obedecer, de acordo com a classe de MJ (Megajoules) de energia dispendida pelos sistemas híbridos e a capacidade do reservatório de combustível.

Para a Audi (classe 4 MJ), houve um acréscimo de 0,5 kg/h no fluxo de combustível, passando de 79 kg/h para 79,5 kg/h. Em contrapartida, os protótipos de Ingolstadt vão trabalhar com meio litro de capacidade de diesel a menos, baixando dos atuais 54,2 litros do tanque para 53,7 a partir da próxima etapa.

A Porsche (classe 8 MJ) vê seu 919 Hybrid sofrer, com a mudança do EoT, um decréscimo de 1,5 kg/h no fluxo de combustível – passando de 88,5 kg/h para 87 kg/h. Isso também corresponde a um decréscimo da capacidade do tanque de combustível dos 68,3 litros atuais para 67,4 litros de gasolina.

Tais mudanças representam, segundo o engenheiro Kyle Wilson-Clarke, que trabalha no carro de Timo Bernhard/Mark Webber/Brendon Hartley, um ganho de até um segundo e meio por volta para a Audi em Sarthe e sete décimos de vantagem para os quatrargólicos na próxima corrida do WEC.

“Estou um pouco surpreso, para ser honesto”, disse Kyle. “Nós só vamos descobrir o ajuste do EoT quando chegarmos ao Ring. Não temos certeza o quanto isso poderá significar contra ou a favor em ritmo de corrida”, garantiu o engenheiro da Porsche, que trabalhou num novo setup aerodinâmico de seu protótipo após a conquista nas 24h de Le Mans.

Os protótipos LMP1 não-oficiais e sem sistemas híbridos também têm seu ganho de acordo com o novo EoT. O fluxo de combustível por kg/h dos Rebellion R-One e do CLM P1/01 da ByKolles Racing foi acrescido em 5%, subindo de 100,9 kg/h para 106,5 kg/h. Desta forma, o reservatório de gasolina também subiu sua capacidade: passou de 68,3 litros para 75 litros, mesma quantidade dos protótipos LMP2.

A Toyota (classe 6 MJ) está, no momento, bem mais preocupada com o carro de 2016 do que com as mudanças do EoT que deixam o TS040 Hybrid com 0,5 kg/h a mais no fluxo de combustível e com o tanque de combustível igualmente maior (68,5 litros). “Demos apenas um pequeno passo em relação a Le Mans. E não aquele grande avanço que precisávamos. O carro é bom de guiar, melhor que o de 2014, mas já estamos concentrados no projeto para o próximo ano”, avalia o atual campeão de pilotos Anthony Davidson.

9 comentários

  1. Fernando Lima disse:

    Minha torcida será por uma corrida tão intensa e disputada na classe principal como foram as 6h de Spa desse ano. De preferência, com mais uma vitória Porsche.

  2. luigi disse:

    Eu ainda não formei opinião para saber se estas mudanças são para beneficiar ou punir os projetistas mais bem sucedidos ,o simplesmente para corrigir a “garfada que deram no desempenho dos AUDI com os mal intencionado “Restritores” ,uma vez que a AUDI esta sendo assediada pela F1 via REDBULL e seria uma perda grande para o W E C em momento de crescimento de interesse , audiência e ganhando novos adeptos para categoria

    • Homer Simpson as a Football Coach disse:

      A paquera entre Red Bull e Audi já anda mais fria que um iceberg, Luigi. Ao mesmo tempo que o pessoal de Ingolstad não tem interesse técnico na F1, a escuderia austríaca anda é preocupada em fechar com Mercedes ou Ferrari para ter motores a partir de 2017, já que a Renault pica a mula com a (re)compra da Lotus.

  3. Pedro HD disse:

    Até que enfim um balanço positivo para Audi hahaha

  4. Rafa Catelan disse:

    Essas equalizações nunca deixam todos felizes, na GT a Aston perdeu velocidade de reta de acordo com o Post do Rees no Instagram após a Porsche reclamar.

    “Últimos dias de preparação antes da viagem para Nurburgring, na Alemanha.
    Vocês ficaram sabendo que todos os Aston Martins sofrerão uma penalidade de “equalização de potências” a partir de agora até o fim da temporada? Afetará a nossa velocidade máxima, apesar de os três carros mais rápidos de velocidade máxima em Le Mans, terem sido Ferraris, e o melhor Aston Martin foi 3 kmh mais lento que eles”

  5. Leandro disse:

    Eu não gosto dessas mudanças de regra no meio do campeonato, em qualquer campeonato, do que quer que seja, na minha opinião, deveria começar e terminar com as mesmas regras.

    • TARCISIO FRASCINO FONSECA disse:

      Quando tem interesses envolvidos mudam mesmo.
      A Ferrari desinteressou-se dos campeonatos IMSA na década de 1990 porque teve puxada de tapete no meio do campeonato.

  6. luis carlos disse:

    Todo mundo sabia que iriam ocorrer mudanças pós-24h de Le Mans, o estranho é que as F458 continuam intocadas nos GTs, mesmo tendo os carros mais rápidos a bastante tempo. Já a Audi deve fazer uma limonada com essa nova regra…

    • Rodrigo Mattar disse:

      A F458 não será mais o carro da Ferrari em 2016. Será substituída pela 488 GTB, que certamente começará “capada” no próximo campeonato do WEC, já que usará motor turbo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>