MENU

16 de janeiro de 2016 - 16:37Rali Dakar

Dakar 2016: Chapeau, “Monsieur Dakar”

Stéphane-Peterhansel-1-1

Todas as honras para Stéphane Peterhansel, doze vezes campeão do Rali Dakar… tem que respeitar!

RIO DE JANEIRO - O mito, a lenda: Stéphane Peterhansel já não tem dedos suficientes de ambas as mãos para contar seus títulos no Rali Dakar. O francês e seu navegador Jean-Paul Cottret ampliam o domínio e o piloto de 50 anos chega ao 12º campeonato na história de 38 edições do evento. Como dizem os patrícios de “Monsieur Dakar”, incroyable!

Largando para a 13ª e última etapa praticamente campeão, o piloto da Peugeot nem precisou se esforçar – e deveria? – terminando o estágio de 180 km entre Villa Carlos Paz e Rosário com a 13ª posição do dia, a 7min37seg do melhor tempo. Ao chegar no fim do trecho cronometrado, começou mais uma festa do piloto e seu navegador – e principalmente da Peugeot, que assumiu o risco de trazer ao Rali Dakar um jipe com tração 4 x 2 e tentar derrotar a Mini.

Após o fracasso do primeiro ano, muitos apostavam que seria impossível, mas os gauleses lutaram e mostraram que não. Tiveram um carro perfeito na primeira semana e administraram toda a vantagem para conquistar um título histórico – que mexeu duplamente com os brios do time X-Raid de Sven Quandt. Primeiro pela saída de Peterhansel do time e depois pela reclamação dos rivais sobre um reabastecimento ilegal – algo que ficará pendente por alguns dias.

Pena: Peterhansel não merece ser campeão dessa forma, tampouco Nasser Al-Attiyah, que é um gentleman e está acima de qualquer situação nos bastidores. O catari fez seu papel com a competência de sempre e ficou com o vice, conseguindo faturar duas etapas num Rali tremendamente difícil para qualquer adversário da Peugeot, pelo menos no seu início. Quem sabe a coisa fosse diferente se o Dakar fosse todo com dunas e trilhas mais, digamos, pesadas?

Na última etapa, a vitória foi de Sebastién Loeb/Daniel Elena, que completaram a especial em 1h46min51seg, 1min13seg melhor que Mikko Hirvonen/Michel Périn. A dupla da Mini lutou com tudo o que tinha, mas não conseguiu demover Giniel De Villiers/Dirk Von Zitzewitz do pódio: a dupla da Toyota fechou o dia em oitavo, perdendo apenas dois minutos em relação aos adversários. Mesmo assim, o 4º lugar dá ao piloto finlandês egresso do WRC o título simbólico de Estreante do Ano.

A classificação geral viu o predomínio de três construtores no top 10: Peugeot com três carros, Mini com quatro e Toyota com outros três. Os franceses, mais de 25 anos depois, voltam ao topo, após os quatro títulos conquistados entre 1987 e 1990 – três com a lenda Ari Vatanen e outro com Juha Känkkunen.

Cento e onze carros largaram no prólogo em Buenos Aires e 67 terminaram em Rosário. Dois deles, com duplas brasileiras: Leandro Torres/Lourival Roldan completaram em 58º na geral (3º na categoria UTV) com o tempo de 84h46min00seg e João Franciosi/Gustavo Gugelmin, após enfrentar uma série de problemas mecânicos no Mitsubishi ASX da equipe Ralliart Brasil, terminaram em 59º, com o tempo de 84h56min43seg.

Resultado da etapa #13 do Rali Dakar nos carros
Villa Carlos Paz-Rosário (180 km)

1. Sebastién Loeb/Daniel Elena (Peugeot) – 1h46min51seg
2. Mikko Hirvonen/Michel Périn (Mini) – a 1min13seg
3. Nasser Al-Attiyah/Matthieu Baumel (Mini) – a 1min36seg
4. Cyril Despres/David Castera (Peugeot) – a 1min36seg
5. Leeroy Poulter/Robert Howie (Toyota) – a 2min04seg
6. Nani Roma/Alex Haro (Mini) – a 2min05seg
7. Orlando Terranova/Bernardo Graue (Mini) – a 2min39seg
8. Giniel De Villiers/Dirk Von Zitzewitz (Toyota) – a 3min08seg
9. Vladimir Vasilyev/Konstantin Zhiltsov (Toyota) – a 4min33seg
10. Erik Van Loon/Wouter Rosegaar (Mini) – a 5min19seg

Classificação final extra-oficial

1. Stéphane Peterhansel/Jean-Paul Cottret – 43h27min42seg
2. Nasser Al-Attiyah/Matthieu Baumel – a 40min59seg
3. Giniel De Villiers/Dirk Von Zitzewitz – a 1h07min16seg
4. Mikko Hirvonen/Michel Périn – a 1h11min42seg
5. Leeroy Poulter/Robert Howie – a 1h36min16seg
6. Nani Roma/Alex Haro – a 1h46min38seg
7. Cyril Despres/David Castera – a 1h59min05seg
8. Vladimir Vasilyev/Konstantin Zhiltsov – a 2h04min49seg
9. Sebastién Loeb/Daniel Elena – a 2h29min46seg
10. Harry Hunt/Andreas Schulz – a 3h08min58seg

5 comentários

  1. Rodrigo Janazi disse:

    Peterhansel, não foi o mais rápido esse ano, levou na experiencia poupou o equipamento, não bateu e não se enrrolou nas dunas.

  2. Fernando Kesnault disse:

    No fundo torcia pra ele mais uma vez..mas o que aconteceu ao Sainz?? Nao tava na frente uns 10 minutos de vantagem esses dias atras???

  3. Gustavo Oliveira disse:

    Quanto ao trajeto e ao nível das trilhas, concordo que faltou alguma dificuldade na primeira semana, mas discordo da ideia de que a prova tem que ser feita completamente em dunas e desertos, a melhor mudança do Dakar nessa vinda para o nosso continente é justamente a diversidade de cenários e situações.

    Conservando-se o desafio, está tudo certo,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>