MENU

7 de abril de 2016 - 16:10Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (322)

Formula One World Championship

RIO DE JANEIRO - O ano era 1968. Num dia 7 de abril como este, eram realizados os 1000 km BOAC em Brands Hatch e em Hockenheim, na Alemanha, havia uma corrida de Fórmula 2 tida como “de pouca importância”, mas que tinha no grid pilotos como Jean-Pierre Beltoise, Clay Regazzoni, Carlo Facetti, Derek Bell, Piers Courage, Henri Pescarolo, Chris Amon, Graham Hill e um certo Jim Clark.

Pois essa corrida entrou para a história. E quem acompanhava os 1000 km de Brands Hatch teve uma notícia bem desagradável ao telefonar para as redações de jornais no envio de informações: a morte prematura de Jim Clark, aos 32 anos. O piloto escocês foi vítima de um acidente ao volante de sua Lotus 48B na veloz pista germânica durante a 5ª volta da corrida e faleceu em decorrência das graves lesões sofridas na batida.

Por um desses acasos do destino, Clark estava inscrito para a prova na Inglaterra, onde correria com o protótipo Ford da equipe de Alan Mann, mas por ser exilado em outro país europeu para fugir dos altos impostos taxados pelo governo britânico (mesmo sendo agraciado com a Ordem do Império), restringia sua cota de aparições no Reino Unido à disputa do GP da Inglaterra de Fórmula 1. A rigor, não foi esse o motivo que o tirou da corrida do Mundial de Resistência e sim uma imposição da Firestone, fornecedora de pneus da Lotus, que exigiu sua presença na corrida de Fórmula 2 na Alemanha.

Clark foi um meteoro. Um devorador de recordes e um piloto com sede de vitórias – e de corridas. Não tenho o número exato de triunfos que conquistou ao longo da carreira, mas com certeza foram mais de 100. O que tinha quatro rodas e andava para frente, ele traçava. De modelos Ford Cortina a Aston Martin, passando pelos Fórmula 1, Fórmula 2, USAC e Fórmula Tasmania – sempre pela Lotus. Aí, sem medo de errar, cravo que o escocês foi o maior piloto da história da equipe de Colin Chapman, pela qual conquistou dois títulos mundiais, 25 vitórias (recorde absoluto entre 1968 e 1973) e 33 pole positions (recorde absoluto entre 1968 e 1989). O homem era uma máquina. E em seus melhores dias, era simplesmente imbatível.

Para recordar o talento natural de Jim Clark, o blog coloca esta foto de sua Lotus 49 atravessada na curva Becketts do circuito de Silverstone, num powerslide perfeito, durante a disputa do GP da Inglaterra, no ano de 1967.

Há 48 anos, direto do túnel do tempo.

10 comentários

  1. OZZMAIR disse:

    Pelo que os especialistas (incluindo vc , claro) falam , realmente , esse cara foi um monstro , mas pela época , alguns deles tiveram mortes terríveis e histórias bem tristes.
    Dentre essas histórias , uma que arrepia é a do Grahan Hill.

    Um abraço!!!

  2. Pedro Perez disse:

    Não fosse pela fragilidade dos Lotus que guiou, teria bem mais vitórias e títulos.

  3. Fernando disse:

    Vencedor também das 500 milhas de Indy, com Lotus

    Não é necessário publicar, só como lembrança. Abraços

  4. ags disse:

    Senna e Clark.. nada mais a declarar…

  5. Rui Pastor disse:

    Linda foto. Na minha opinião, é o carro mais bonito da F1 de todos os tempos.

  6. Alvaro Ferreira disse:

    Nunca esquecerei esse dia. Estava vendo tv, já era início da noite, eu não sabia de nada, e de repente o Oduvaldo Cozzi, inesquecível locutor, deu a notícia. As notícias demoravam a se espalhar naquela época… Eu tinha 16 anos, fiquei em choque, fui pro meu quarto e não quis mais falar com ninguém depois.
    Éramos poucos, naquela época, que gostávamos de corridas e acompanhávamos automobilismo. Clark era meu ídolo; eu não podia imaginar, então, que o escocês seria o único. Mais tarde, torci pelos brasileiros, de modo geral. mas prá mim esse cara foi o maior de todos.

  7. “Não tenho o número exato de triunfos que conquistou ao longo da carreira, mas com certeza foram mais de 100.”

    Dê uma olhada em alguns e-mails que provavelmente já chegaram à sua caixa postal. Acredito que você não terá mais nenhuma dúvida quanto a isso. :-)

  8. De nada, Rodrigo Mattar. :-)

    • Rodrigo Mattar disse:

      Não vi ainda os arquivos que você me enviou, muito gentilmente, sem eu pedir, é bom que se diga. Então, como posso lhe agradecer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>