MENU

10 de julho de 2016 - 19:27IMSA Weather Tech SportsCar Championship

Action Express emplaca novo 1-2: Fittipaldi e Barbosa seguem na ponta do campeonato da IMSA

070816_Mosport_BC1051602007

Dessa vez a vitória foi de Eric Curran e Dane Cameron no #31 da Action Express Racing (Foto: Brian Cleary/BCPix.com/Sportscar365.com)

RIO DE JANEIRO - Mais uma dobradinha da Action Express Racing, na 7ª etapa do IMSA Weather Tech SportsCar Championship, disputada neste domingo em Mosport, no Canadá. Desta vez, com posições invertidas em relação ao último domingo. Se Christian Fittipaldi e João Barbosa sentiram o gostinho do triunfo em Watkins Glen, foi a vez de Dane Cameron/Eric Curran comemorarem uma vitória que lhes escapou pelos dedos no ano passado, numa corrida movimentada, tática e cheia de alternativas em suas 2h40min de duração.

A corrida foi encerrada com um anticlímax: o Audi R8 LMS de Andy Lally/John Potter sofreu um acidente nos instantes finais, ao bater na curva 1 do circuito canadense. A direção de prova demorou um pouquinho para se decidir, mas deflagrou a bandeira amarela e a última volta foi toda feita em regime de Safety Car, o que sacramentou a vitória da Action Express.

O início da prova teve liderança do Corvette DP #10 guiado por Ricky Taylor numa largada controversa. Muitos acharam que o piloto avançou antes do pole position Tristan Nunez, mas a IMSA fez vista grossa e ficou por isso mesmo. Taylor sustentou a ponta sob intensa pressão do Mazda #55 e Nunez conseguiu a ultrapassagem após um vacilo do líder ao dobrar um retardatário no início da curta reta dos boxes. O pole position disparou assim na liderança e seguiu na frente até o primeiro pit stop, quando a Mazda outra vez fez uma parada lamentável e o macaco hidráulico do protótipo não funcionou em sua seção dianteira. Jonathan Bomarito pegou o volante na 5ª posição, mas o carro teve problemas terminais de transmissão e não pôde continuar.

A liderança pertenceu novamente ao #10, agora com Jordan Taylor a bordo. Mas o #31 estava irresistível e Dane Cameron, numa pilotagem agressiva, dominou a disputa em grande parte até o seu final. Eventualmente, nas paradas de boxe o #90 da Spirit of Daytona, com Ryan Dalziel/Marc Goosens, também chegou a pontear. E nas últimas voltas, beneficiado por uma decisão estranha da Wayne Taylor Racing em trocar apenas um pneu de seu protótipo ao invés de dois, João Barbosa superou Jordan Taylor e conseguiu uma importante ultrapassagem que mantém o português e o brasileiro Christian Fittipaldi no topo da tabela, com cinco pontos de vantagem (221 a 216).

Oswaldo Negri e seu parceiro John Pew não repetiram os últimos bons resultados das corridas anteriores: Pew acabou falhando uma manobra de ultrapassagem contra um rival da Prototype Challenge e rodou, perdendo uma volta. Depois, Oswaldo Negri lutou para recuperar a volta perdida, mas acabou passando o Safety Car de forma ilegal. O #60 foi punido com um stop & hold de 2’22″ e praticamente enterrou suas possibilidades na disputa. Acabaram em 6º lugar na divisão dos Protótipos e 11º na geral.

Na classe Prototype Challenge, o #85 de Stephen Simpson/Misha Goikhberg foi dominante em grande parte da disputa, mas o carro precisou de um pit stop extra para que Goikhberg completasse o tempo mímimo de pilotagem dentro do regulamento. Isso possibilitou a Jonathan Bennett/Colin Braun conquistarem a vitória na etapa de Mosport após uma corrida atribulada na semana passada. A dupla da CORE Autosport cometeu poucos erros e chegou num sólido 6º lugar geral, com 10″482 de vantagem para os líderes do campeonato Renger Van der Zande/Alex Popow. Robert Alon/Tom Kimber-Smith, da PR1/Mathiasen Motorsports completaram o pódio da categoria.

Ford-Mosport

Terceira vitória seguida da Ford – quarta contando Le Mans: de novo a dupla Ryan Briscoe/Richard Westbrook ,na estratégia, subiu ao topo do pódio

A Ford conquistou sua quarta vitória consecutiva (incluindo o triunfo das 24h de Le Mans na conta) com seu GT EcoBoost, graças a uma estratégia diferenciada e uma performance sólida do #67 de Ryan Briscoe/Richard Westbrook. Mesmo com restrições no boost do turbo e com 15 kg extras no peso mínimo, a dupla e a equipe trabalharam bem na pista. Mesmo com três pit stops, conseguiram triunfar novamente para pôr fogo na disputa pelo campeonato. Oliver Gavin/Tommy Milner, que se mantiveram no início entre os seis primeiros, avançaram bem na segunda metade da prova canadense, beneficiados pelo fato do #3 ter optado por trocar de piloto em sua última parada, o que deixou Antonio Garcia/Jan Magnussen apenas com o 3º lugar. Mesmo assim, uma boa recuperação de um carro que vinha mal nas últimas corridas.

O Porsche #912 de Earl Bamber/Fred Makowiecki também optou por parar três vezes como o Ford #67, mas no caso do carro alemão a estratégia fracassou e eles caíram do 2º para o sexto lugar na categoria ao fim da disputa, superados também pela BMW de Bill Auberlen/Dirk Werner e pelo Ford de Joey Hand/Dirk Müller, que no início teve muito boa performance. A Ferrari da Risi Competizione apareceu mais nas bobagens de Giancarlo Fisichella do que pelo resultado: acabaram em 7º, seguidos por Nick Tandy/Patrick Pilet – em tarde apagada. A BMW de Lucas Luhr/John Edwards teve problemas com a direção hidráulica e perdeu 11 voltas. Pelo menos chegou ao final.

Na GTD, a Turner Motorsport viveu altos e baixos na corrida: se perdeu o #97 de Michael Marsal/Markus Palttala com problemas de câmbio, o #96 de Bret Curtis/Jens Klingmann conquistou na raça a primeira vitória do modelo BMW M6 GT3 na IMSA, beneficiada pelos contratempos enfrentados pelo Porsche #23 da Alex Job Racing/Team Seattle e no Viper #33 da Riley Motorsports, que se atrasaram. Andrew Davis/Robin Liddell conquistaram a 2ª posição com o Audi da Stevenson Motorsports e o terceiro lugar no pódio foi para Bryan Sellers/Madison Snow, com o Lamborghini Huracán da Paul Miller Racing.

Christina Nielsen/Alessandro Balzan mantém a liderança do campeonato: a Ferrari #63 da Scuderia Corsa chegou na quarta posição e o quinto posto foi de outro Lambo, o de Corey Lewis/Spencer Pumpelly. A próxima etapa, marcada para dia 23 na pista de Lime Rock Park, não terá a classe Prototype na pista: será disputada apenas pelas divisões PC, GTLM e GTD.

2 comentários

  1. Fernando Silva disse:

    Se não deu para beliscar a vitória, a dupla Fittipaldi/Barbosa vem mostrando consistência de campeões…são francos favoritos para conquistar o tri desta categoria embora a disputa esteja bem embolada.
    Fica agora a expectativa para o novo regulamento técnico da classe prototipos 2017.
    Na GTLM, para mim, ficaram evidentes duas situações: A primeira é que a Porsche está nitidamente aquém das demais em termos de performance, mesmo com o último BoP, que penalizou o Ford GT e beneficiou a Corvette…a segunda é que o destaque dos carros Ferrari F488 nas provas anteriores de deu mais pelo Daniel Serra com a Scuderia Corsa…com a ausência deles, a Ferrari praticamente não apareceu para a disputa em Mosport.
    Ainda sobre o Ford GT…eu mesmo não acreditava, e acredito que a maioria das pessoas também não…mas eles atingiram o objetivo (Le Mans) e a impressão que fica é que “se fingiram” nas etapas iniciais e corrigiram pequenos defeitos que foram aparecendo, principalmente em Daytona e Sebring…a partir de Le Mans parece que os pilotos tem carta branca para “soltar a bota” e o carro simplesmente vem dominando a classe…ao menos no IMSA e é o favorito para o título na GTLM.

  2. Emmanuel disse:

    Fittipaldi é nitidamente melhor piloto, mas a equipe, também nitidamente, favorece o português (por razões óbvias). Ontem por exemplo, nos poucos minutos iniciais em que esteve na pista o desempenho do brasileiro foi muito melhor. Acho que a permanecer assim o eventual título fica incerto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>