MENU

5 de fevereiro de 2017 - 15:14Automobilismo Internacional

12h de Bathurst: vitória da Maranello Motorsport em corrida “selvagem”

Bath12hr-16-156952nd-770x480

Uma série de erros de Shane Van Gisbergen a bordo do #22 da Scott Taylor Motorsport também ajudou a equipe Maranello Motorsport, em performance dominante, a vencer as 12h de Bathurst em Mount Panorama

RIO DE JANEIRO - Um público estimado em mais de 40 mil pessoas – recorde na história da prova – assistiu em completo êxtase a 16ª edição das 12h de Bathurst, válidas também para o IGTC (Intercontinental Grand Touring Challenge). O circuito de Mount Panorama foi o palco de mais uma prova histórica, repleta de grandes batalhas que entram para o rol do automobilismo internacional.

Após 290 voltas numa disputa tida como “selvagem” pela vitória de uma das corridas mais importantes do Endurance mundial, venceu a Ferrari 488 GT3 que partiu da pole position e dominou grande parte da disputa. O carro #88 guiado por Toni Vilander, Craig Lowndes e Jamie Whincup triunfou com uma volta de vantagem para o Porsche #12 da Competition Motorsports, que fez ótima corrida nas mãos de David Calvert-Jones, Marc Lieb, Patrick Long e Matt Campbell – este último, considerado a grande revelação do evento. Essa equipe levou também a vitória na divisão Pro-Am da classe A.

Mas poderia ser bem diferente: o Mercedes-AMG GT3 #22 da Scott Taylor Motorsport, da trinca Shane Van Gisbergen/Maro Engel/Craig Baird veio de um modesto 17º lugar no grid para a luta pela vitória nas últimas voltas, após grande corrida de recuperação. Eventualmente, o carro alemão aparecia na frente, mas a Ferrari era ligeiramente superior e conseguia a ultrapassagem – numa delas, Whincup precisou pôr duas rodas na grama na veloz reta Conroy para superar Van Gisbergen.

Até que, faltando 19 minutos apenas para um final eletrizante, SVG errou e destruiu o carro ao bater de frente num muro de proteção – não sem antes ter cometido vários erros, inclusive jogando um Porsche para fora da pista. Quem não gostou nada, nem um pouco, foi Maro Engel: o alemão criticou aberta e duramente o companheiro de equipe numa entrevista à TV australiana. É só conferir o vídeo abaixo.

O acidente não foi evidentemente o único numa prova que teve 32 carros na quadriculada, dentre 50 carros que largaram – havia 55 inscritos e nada menos que cinco bólidos, por diferentes problemas e motivos, acabaram não alinhando. A primeira “panca” foi na 7ª volta, com o Audi R8 LMS #74 guiado por Frank Stippler e alinhado pela Jamec-Pem Racing. Seria a primeira de um total de 16 intervenções do Safety Car – recorde na história das 12h de Bathurst.

Pole position da classe B, o Porsche #4 da Grove Motorsport também se acidentou logo de cara e deu adeus à disputa. E outros carros ficariam de fora: o Porsche #911 do trio de fábrica Kévin Estre/Laurens Vanthoor/Earl Bamber se despediu com menos de 50 giros após colidir com um carro mais lento, da classe C – dos GT4; o Aston Martin V12 Vantage da Miedecke Stone Motorsport também saiu da disputa logo no início e duas BMW, a #7 da Steve Richards Motorsport e a #90 da MARC Cars Australia, bateram e foram obrigadas a desistir.

Diante desse verdadeiro carmaggedon, até que foi surpresa ver o Bentley Continental GT3 da trinca Guy Smith/Steven Kane/Oliver Jarvis emergir de uma posição bastante desfavorável no grid para conquistar um ótimo 3º lugar na geral. Outra gratíssima surpresa – com direito à vitória na divisão Am da classe A, foi o quarto posto do Porsche 911 GT3 de Liam Talbot/John Martin/Duvaschen Padaychee.

Campeã da prova ano passado, a Tekno Autosports ainda abiscoitou o 5º lugar, numa bela prova de Côme Ledogar/Álvaro Parente/Rob Bell – já que o trio foi obrigado a largar dos boxes em virtude de uma troca de motor. O #59 que teria a bordo a trinca formada por Ben Barnicoat/Will Davison/Jonny Kane acabou não largando.

O Lamborghini Gallardo R-EX de Roger Lago/David Russell/Steve Owen completou o grupo dos seis primeiros colocados, seguido do melhor Audi R8 LMS, alinhado para Ash Samadi/Daniel Gaunt/Matt Hallyday. A Nismo pescou o oitavo posto com Florian Strauss/Todd Kelly/Jann Mardenborough – uma boa recompensa para uma equipe cujo carro foi danificado por um tremendo acidente num dos treinos livres e precisou ser reconstruído.

A nona posição foi do Audi #9 da Hallmarc guiado por Marc Cini/Dean Fiore/Lee Holdsworth, enquanto o Lamborghini #29 da Trofeo Motorsport fechou o top 10 tendo a bordo o ex-piloto italiano de Fórmula 1 Ivan Capelli.

Nas demais classes, com o abandono do #4 da Grove Motorsport a vitória da divisão B ficou com o Porsche #21 que terminou a disputa em 15º lugar na geral com Xavier West/David Wall/Dylan O’Keefe/Dean Grant. O Porsche Cayman PRO 4 #19 tripulado por Max Braams/Harrison Jones/Nicolaj Møller-Madsen/Jörg Viebahn ainda chegou na frente da concorrência, mesmo após a desclassificação sofrida no treino oficial por uma infração do regulamento.

E na divisão Invitational, a MARC Cars Australia ganhou a prova com o #91 de Keith Kassulke/Will Brown/Rod Salmon fechando a disputa em 17º lugar.

Perdeu a disputa ao vivo? Assista AQUI na íntegra!

12 comentários

  1. Pedro HD disse:

    Bathurst é fantástica e sempre bem disputada, impressionante!

  2. PAULO disse:

    A corrida foi ótima, assisti até as 02:00h e qdo acordei assisti o restante, mas vamos combinar o totó do Van Gisbergen, foi proposital para provocar uma amarela e tentar um bote no final, tanto é que levou drive-through.

    Abs

  3. Fabio disse:

    Por acaso essa Maranello Motorsport tem alguma coisa a ver com a Maranello Concessionaires que disputava o Mundial de Construtores nos anos 60 com carros da Ferrari?

  4. Fernando Lima disse:

    Vi uma parte da prova onde já se apontava uma grande batalha, principalmente entre a Ferrari da Maranello e a Mercedes #22…certamente vou conferir o VT.
    Pelas duas corridas que tivemos de endurance até agora (essa e as 24h de Daytona) o ano promete.

  5. Rodrigo Keke disse:

    Xará, foi uma corridaça! Acompanhei ao vivo pelo YouTube (em HD, cortesia da Nismo TV) a maior parte das seis horas finais. Teve de tudo, realmente.

    O pega entre Ferrari x Mercedes foi sensacional! Como você mesmo costuma dizer, quem acha que Endurance é um tipo de corrida sem emoção está completamente enganado.

    E sim, o Shane foi SHAME… Shameless. Deu um totó no coitado do Porsche pra deliberadamente arrumar um Safety Car. O que eu não entendi foi porque a equipe não trocou os pneus na última troca, estava claro com pneus gastos eles não teriam ritmo para acompanhar a 488 GT3. Medida desesperada, talvez?

    No fim, deu o Dream Team da prova: Vilander, Whincup e Lowndes no topo do pódio. Lamentei mesmo pelos azares da McLaren do Parente… era a minha torcida para vencer.

    Abraço!!!

  6. Kleber disse:

    Sei que já está tarde para comentar isso, mas Rodrigo, você reparou que tinha uma Lamborghini (se não me engano #53) com um patrocínio (grande) da JBS? O símbolo é o mesmo da famigerada empresa.

  7. Kleber disse:

    Sei que eles têm negócios no mundo todo, mas quando ocorre algum patrocínio, acredito que a matriz tem que ficar sabendo. Dito isso, porque não se investe em automobilismo por aqui, sabendo que essa empresa nasceu aqui?

    • Fern Kesnault disse:

      É a propria… so que lá é uma especie de filial da matriz brasileira que tem a disponibilidade de publicidade onde quiser sem ter o “ok” da matriz, pois suas gestões sao independentes. Quanto ao patrocinio por cá, quando tiver uma categoria isenta das canalhices dos bastidores dessas Confederações brasileiras, com certeza choverão milhlares de patrocinadores..

  8. Pedro Ribeiro disse:

    Eu vi a corrida faltando 10h até faltarem 1h30min.

    Eu não esperava o Shane Van Gisbergen fazer essas cagadas logo em Bathurst. Tem talento, tem técnica e coragem mas, aparentemente, faltou paciência com o Porsche da Pro/Am e descendo o Dipper, rodar reacelerando depois de uma curva fechada como aquela é realmente um erro amador. Maro Engel tem muita razão em estar furioso com o SVG.

    Parabéns mesmo assim para Maranello e para o Villander, Whincup e Lowndes.

  9. luis carlos disse:

    A corrida foi boa, pena que muita gente boa foi alijada da disputa e da prova em razão da batidas que não foram poucas na prova… um dos R8 LMS candidatos a vitória teve o mesmo destino…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>