MENU

27 de julho de 2017 - 11:33Fórmula 1, Memorabilia

Leo Kinnunen (1943-2017)

Leo-Kinnunen

Leo Kinnunen (1943-2017): o finlandês era do ramo em provas de Esporte-Protótipo, vencendo em Daytona e conquistando três títulos da Intersérie com o Porsche 917/10

RIO DE JANEIRO - Luto no automobilismo finlandês: morreu ontem, aos 73 anos de idade, Leo Kinnunen – o pioneiro dentre os pilotos do país a competir na Fórmula 1. Eu soube da notícia através do twitter de Valtteri Bottas, da equipe Mercedes-Benz.

Leo completaria 74 anos no próximo dia 5 de agosto e vinha lutando contra uma longa enfermidade, de acordo com o jornal finlandês Ilta-Sanomat.

O piloto, que era apelidado “The Flying Finn” (Finlandês Voador), teve mais sucesso em provas de Endurance do que na categoria máxima do automobilismo. Em 1970, ao lado do mexicano Pedro Rodriguez e do britânico Brian Redman, venceu as 24 Horas de Daytona com um Porsche 917K da equipe Gulf de John Wyer. Na Intersérie, conquistou três títulos em sequência com um time próprio, a bordo do lendário Porsche 917/10. E foi como piloto independente que decidiu, aos 30 anos de idade, estrear na Fórmula 1.

Kinnunen tentou tomar parte em seis corridas da temporada de 1974, alinhando o chassi Surtees TS16. Na primeira, no GP da Bélgica disputado em Nivelles-Baulers, não conseguiu se classificar apesar do grid de incríveis 31 carros, porque seu tempo de classificação foi quase 19 segundos pior que a pole position do suíço Clay Regazzoni.

7b39119f942bb3fa62ea5e9b55d772d0

Na Fórmula 1, não conseguiu o mesmo sucesso: competiu em apenas um GP, ficando de fora noutros cinco. Entrou para os compêndios como o primeiro de seu país na categoria

Após a inscrição rejeitada no GP de Mônaco, voltou em Anderstorp para o GP da Suécia e lá disputou sua primeira – e única corrida. 25º colocado no grid de largada, o finlandês abandonou com problemas mecânicos após completar oito voltas.

Depois, falharia a classificação nas demais quatro provas. Na França, em Dijon-Prenois; Inglaterra, em Brands Hatch; Áustria, em Zeltweg e Itália, em Monza. Em todas essas oportunidades, foi último ou penúltimo nas sessões de classificação. O carro, além de fraco, era equipado com os pneus Firestone, igualmente ineficazes.

lk-gb74

Folclore: aqui flagrado em Brands Hatch, Kinnunen foi o último piloto da Fórmula 1 a guiar com capacete dotado de abertura frontal

Além do pioneirismo, Kinnunen entrou para o folclore da Fórmula 1 por ter sido o último piloto da categoria a competir com um capacete com abertura frontal, ainda usando óculos como na década anterior. Em 1968, a norte-americana Bell introduziu o primeiro casco fechado, estreado naquele mesmo ano por Dan Gurney no GP da Alemanha, em Nürburgring.

A tendência segue até hoje e são cada vez mais raros – exceção feita aos Ralis – os casos em que pilotos de competição usam capacetes com abertura frontal.

4 comentários

  1. Ilmar disse:

    1974 foi mesmo um ano ”sui generis”, pois, além do Leo Kinnunen ter sido o último piloto a correr na Fórmula 1 de capacete aberto, na Copa do Mundo naquele ano o goleiros do Zaire, Kazadi Mwampa e Tubilandu Ndimbi, foram os últimos goleiros a atuarem num Mundial sem luvas, pelo que eu sei.
    No mais, que o Flying Finn esteje agora num bom lugar. Merece todos os méritos por abrir as portas da Fórmula 1 para os finlandeses, pois depois dele vieram, de roldão, o Mikko Kozarowitsky, o Keke Rosberg, o Mika Hakkinen, o Kimi Raikkonen, o Heikki Kovalainen, e, agora, o Valtteri Bottas, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>