MENU

23 de outubro de 2017 - 21:51Fórmula 1, Opinião, Stock Car

Ah! Os comissários…

imagem_release_1105150

Ricardo Zonta ganhou na pista em Tarumã, mas os comissários lhe tiraram um merecido primeiro lugar numa das corridas da Stock Car (Foto: José Mário Dias/Divulgação)

RIO DE JANEIRO - O automobilismo anda em viés de baixa no mundo inteiro em termos de visibilidade e retorno financeiro, audiência televisiva e público nos autódromos. E quando mais precisa de atrair novos públicos e mais gente interessada em ‘consumir’ o esporte a motor, eis que os egrégios comissários esportivos dão um tiro no pé e colocam em xeque o crédito que ainda resta entre os fãs tanto na Fórmula 1 quanto na Stock Car brasileira.

Sim, eu sei que são dois eventos totalmente díspares. A Fórmula 1 é o pináculo, é internacional. A Stock tem grandes pilotos daqui e também é conhecida lá fora, também pela cobertura que parte da mídia do exterior lhe reserva e também por ter entre seus protagonistas gente que andou na categoria máxima e outras feras como Daniel Serra, que em sua estreia em Le Mans neste ano venceu na LMGTE-PRO.

Mas tanto em Austin quanto em Tarumã (o que foi aquela chicane, meu Deus?), tivemos polêmicas.

A da Stock foi, no meu entendimento, banal. Ricardo Zonta parou para o reabastecimento obrigatório e o galão da equipe Shell Racing caiu após a parada. Não foi arrastado ou caiu fora da área de pit da equipe. Caiu no chão, perto dos mecânicos. Acharam um jeito de punir o Zonta, que fez uma belíssima corrida e venceu a primeira das duas provas do fim de semana. Ganhou mas não levou: perdeu a vitória, que caiu no colo do Daniel Serra. O paranaense tem que ficar fulo, e com razão.

Primeiro, que o problema não representou nenhum perigo nem pra ele e nem para ninguém, pois o combustível não vazou e não houve incêndio. Depois, não ficou configurado qualquer problema quanto à segurança. Ou seja: os comissários arrumaram um pretexto besta para punir o Zonta e a Stock Car, de tão boa temporada, voltou a se envolver numa polêmica desnecessária.

Quem sou eu para sugerir, mas se isso é – de fato – parte da regra, esclareçam. Não fiquem de #mimimi dizendo que nós metemos o pau na Stock porque não trabalhamos no Grupo Globo ou coisa parecida. Aliás, até que tenho mais elogiado a categoria do que criticado e também moderei bastante as críticas à CBA – até porque o atual presidente não me deu motivos para tanto. Até prefiro que o Waldner Bernardo aja em silêncio, num estilo diametralmente oposto à desastrosa e inepta administração de Cleyton Pinteiro na entidade.

“No nosso entendimento, a vitória é nossa e vamos até as últimas consequências para esclarecer isso por uma questão de considerar o que é moralmente correto”, garantiu o chefe da equipe Shell Racing, Thiago Meneghel. Ou seja: essa questão pode acabar no tapetão e melar um campeonato que tem tudo para ter uma final sensacional em Interlagos, no mês de dezembro. 

image16x9.img.1024.medium

Na Fórmula 1, Max Verstappen foi punido por dar show e ultrapassar na última volta. Esse negócio de “track limits” um dia ia causar polêmica. Pois que cause. E que o Liberty Media trabalhe junto à FIA para acabar com essa palhaçada

Já na Fórmula 1, a questão é mais delicada.

À luz da regra, o que Max Verstappen fez na última volta do GP dos EUA para ultrapassar Kimi Räikkönen e ganhar do finlandês da Ferrari o 3º lugar do GP dos EUA, pode parecer incorreto e na visão dos comissários o foi. Tanto que o holandês foi punido com acréscimo de tempo de cinco segundos ao resultado final, derrubando-o do pódio, conquistado com suor da primeira à última volta de uma grande corrida de recuperação. Mas não acredito que tenha sido deliberado ou proposital.

Que caminho o piloto da Red Bull cortou? Que vantagem de fato levou sobre um piloto cujo carro já vinha em ritmo mais lento, com os pneus esbagaçados e que não ofereceu a mínima resistência?

Räikkönen, aliás e a propósito, esbravejou pelo rádio por ter perdido a posição?

A manobra de Verstappen foi primorosa. Craques do arrojo assinariam embaixo. A punição foi ridícula, inócua e infelizmente joga uma ducha gelada de água numa Fórmula 1 que precisa urgentemente de novidades. E o holandês talvez seja a melhor e maior dessas novidades dentro e fora da pista, trazendo também um público alucinado por suas performances aos autódromos. Quantas camisetas laranja, quantas bandeiras da terra dos diques e tamancos temos visto nas pistas hoje em dia?

Culpa da FIA, que inventa essa palhaçada de “track limits”, enche as pistas atuais de áreas de escape com asfalto e depois fica mandando os diretores de prova instruir os pilotos a não pisarem fora, como no jogo de amarelinha. Senhoras e senhores, eu pergunto: isto é automobilismo ou corrida em fila indiana?

Querem impedir que os pilotos saiam da linha ideal? Coloquem brita então. Ou muros. Ou elevem as zebras. Aliás, daqui a pouco o jargão “zebra é pista” vai cair em desuso…

Daqui a pouco vão proibir as disputas mais duras por posição e aí o esporte caminharia para um viés de rejeição que ninguém vai suportar ver provas de automóvel em que ninguém ultrapassa um adversário na raça, apenas com artificialismos baratos como DRS, push to pass e quejandos.

Uma disputa como aquele embate épico de Dijon-Prénois no ano de 1979, perpetrado por René Arnoux e Gilles Villeneuve, mandaria os dois – se corressem hoje – direto para uma carrocinha, presos e com focinheira, para não reclamarem. Não faz nem muito tempo assim, Robert Kubica e Felipe Massa se pegaram de safanão por um 6º lugar num aquático GP do Japão, saíram trocentas vezes da pista – e ninguém falou nada. Olha que, pelas imagens, era um negócio muito mais arriscado e perigoso em contraponto ao que fez Verstappen em Austin.

E isso porque não citei – mas já citando – a famosa ultrapassagem de Alex Zanardi (o aniversariante de hoje) em Bryan Herta na curva do Saca-Rolha em Laguna Seca, numa prova da Fórmula Indy. Tudo bem que nos EUA eles são mais relevantes, mas… pombas! Aquilo ali foi magistral!

Querem nos roubar o pouco que ainda nos resta, sr. Jean Todt e asseclas? Pois é melhor que as coisas sejam repensadas daqui por diante e que Chase Carey e Ross Brawn tomem essa corrida e a punição a Max Verstappen em Austin como uma lição para o futuro.

16 comentários

  1. Ricardo disse:

    Mattar, concordo 100% quanto à Stock mas discordo veemente no caso Verstappen. O holandês tinha que ser punido sim. Independente do show ou dos benefícios para o público e para o esporte, regras são regras. A Formula 1, pelo menos no campo legal, não pode ter essa ótica de fins justificam meios. Se fosse o caso, não teríamos gente condenando Schumacher até hoje por ter jogado o carro em cima de Hill ou Villeneuve. E outra; ao longo do final de semana, tivemos vários casos de pilotos passando com as quatro rodas para além da zebra, mas sempre numa trajetória de extensão da curva. Verstappen foi, de fato, o único que efetivamente cortou a tangência para realizar uma ultrapassagem por dentro – sendo que o outro piloto respeitou os limites do espaço.
    De qualquer forma, endosso o coro de mudança da regra. Ela é ridícula. Mas, infelizmente, tem que valer para todos.

    • elyeder disse:

      Concordo com vc, manobra arrojada mais segundo a regra não é valida, e falando sem o fanatismo por esse tal de Max, duas rodas pra la da zebra ate que vai, mais tem imagens que mostra q ele ficou com o carro todo para fora da pista e da zebra…ai não da né, falar que foi uma manobra linda e arrojada OK, mas falar que ele foi um pimor e a FIA é injusta eu não concordo..
      Passar cortando a pista qualquer um faria.

      Sobre as disputas as regras são claras, nao da para esperar a mesma troca de tinta que se tem na Nascar ou WEC com a F1 ou Indy; são carros completamente diferentes.

  2. Mattar,

    Bom dia.

    Baixei os regulamento e adendos 2017 no site da Stockcar e a ficha de homologação no site da JL. Não encontrei nada referente a procedimento de reabastecimento e punições em nenhum capitulo dos regulamentos que poderia enquadrar abastecimento, combustível, tanquinho, etc…

    Porém, existem sempre o regulamento particular da prova e este eu não ví. Não sei quem tem ele para poder analisar. Com certeza a resposta esta nele, o regulamento particular da prova!

  3. Jacob Lindener disse:

    No momento em que a F-1 aboliu a caixa de brita para adotar as área asfaltadas ela abriu espaço para “alargar” a pista. Essa história de que os pilotos que passarem dos limites serão punidos é a típica regra que mais atrapalha do que ajuda (parece a lei do impedimento…).
    Se não quiserem que isso ocorra, voltem com um trecho de brita, ou grama, ou os quebra-molas que existem em alguns circuitos…

  4. Vinicius disse:

    O pior é que toleraram por todo o fim de semana os pilotos extrapolarem os limites da pista em Austin… quero dizer, sozinho pode, mas numa disputa por posição não? Qual é a lógica, se nas duas se ganha tempo????

    Concordo contigo: não querem que extrapolem? então não asfaltem fora da pista!!!! Deixem grama e brita!!!!

  5. pedro hd disse:

    cortou e fui punido não entendo esse bafafá todo…

  6. Daniel Ramos de Oliveira disse:

    Rodrigo, o Kimi ficou muito irritado, tanto que ele xingou em Finlandês pelo rádio, olha aí: https://www.youtube.com/watch?v=a_O6dx4NmZk .

    Mas concordo com o texto, e penso que o Verstappen não deveria ter sido punido, e tampouco o Zonta, a da Stock Car foi ridículo, porque não colocou ninguém em risco.

  7. Leonardo Pereira disse:

    Concordo em relação à stock. Não prejudicou ninguém nem deu algum ganho ao Zonta o fato do galão ter caído. Evento cria uma crise numa campeonato muito legal…

    Ja sobre a F1. Acho uma pena, mas justa a punição. Criou a regra, tem que seguir… Senão vira bagunça…

  8. Fernando Silva disse:

    A verdade é que o automobilismo, em gera e, infelizmente, está ficando cada dia mais “nutella”…a FIA vem defecando em seus regulamentos – principalmente na F1 – há anos…mesmo a Nascar, de vez em quando erra numa decisão sobre incidentes de corrida.
    No caso da Stock Car, que este ano realmente está legal, mas ainda muito longe do patamar das temporadas 2006 e 2007, me pareceu claramente que o comissário errou na interpretação do incidente…certamente ele aplicou a punição ao Zonta baseado na infração onde o galão fica preso no carro e é arrastado…claramente isso não ocorreu e acho que cabe sim recurso à equipe para corrigir o “equiívoco”.
    No caso da F1, já é de se esperar que a FIA puna sempre um piloto mais arrojado como Verstapen…desde Montoya na década passada, é notório a rejeição de pilotos deste perfil. Imaginem o que fariam com Piquet se aquela ultrapassagem considerada a maior da história fosse hoje, embora não tenha passado dos limites da pista mas enquadrariam em “direção perigosa”.

  9. Fernando Esbroglio disse:

    Pessoal..
    Sou fã do Verstappen mas ele atalhou.
    Ao seguir a corda da curva, deixou de percorrer o arco previsto. A corda é menor do que o arco. Teve portanto vantagem indevida.
    Vazar a linha na tangente externa aumenta o percurso. Vazar a interna encurta. Não pode.

  10. Guilherme Couto disse:

    Visão extremamente lúcida. Piquet no Senna, Keke no Emmo e mais um no Brasil, Senna no Prost e mais um, Prost no Senna e mais um, tudo “manobra de alto risco”. Já tem um carro cor-de-rosa…

  11. Daniel T. disse:

    Acredito que a regra da f1, deverá ser revista para a próxima temporada nesse ítem.

  12. caio murilo disse:

    sinceramente n simpatizo vestappen,n desejo mal,mas n torço ,tem uma direçao defensiva suja e perigosa,a favor dele pode tudo , contra nada,em situaçao contraria iria logo reclamar via radio,perde pra ricciardo, mas é o queridinho da casa(motor novo que o diga),quanto a puniçao,vale a frase de arnaldo cesar coelho,.a regra é clara.

  13. Bruno Serafim disse:

    Dizer que o Verstappen é uma das melhores coisas que apareceram na F1 é de fato uma colocação muito bem feita, Rodrigo. Eu fui ao GP da Itália no ano passado e no GP da Inglaterra nesse ano, e de fato a sensação é ver aquele mar laranja de torcedores apaixonados irem para os autódromos ver o cara dar show. E como ele dá show! Vida longa ao esporte!

  14. Marchi disse:

    Dois casos diferentes. Muito bem colocado a questão dos circuitos “grade 1″ da FIA. São um antro de possibilidades de erros e abusos além das faixas que limitam o traçado.

    Já o caso Max… (Max fez o Q2 com pneus macios pq foi lá fora na penúltima curva encontrando uma tangencia impossível se houvesse grama ou brita). Welcome to the jungle. Roubar é errado, mas se for bonito pode-se ignorar as regras para delírio da torcida? E o piloto que ia a frente com os pneus destruídos segurando LEGALMENTE o ímpeto de seu adversário, ignora-se seu mérito?

    Quem acha que Verstappen foi injustiçado, coloque primeiramente no lugar do finlandês se a punição não tivesse sido aplicada. Alias, não é a primeira vez que o holandês corta caminho e se sente injustiçado por isso.

    Enfim, muito talento encima de muita polêmica. Queremos ver mais Verstappens sim, mas não vamos confundir arrojo com vigarice.

  15. Alessandro Neri disse:

    Texto perfeito. O automobilismo já é um paciente terminal e alguns ainda cortam o pouco que resta de seu oxigênio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>