MENU

30 de outubro de 2017 - 13:50Endurance

Dopamina Endurance: do recorde à vitória do AJR em Tarumã

325186_745057_dudu0904

Dessa vez deu tudo certo: e o AJR #28 chegou enfim à primeira vitória no Dopamina Endurance (Foto: Dudu Leal/MS2/Divulgação)

RIO DE JANEIRO - A última etapa do Campeonato Brasileiro e Gaúcho de Endurance, disputada no último sábado no Autódromo de Tarumã, foi simplesmente sensacional – em todos os sentidos. Atmosfera incrível, automobilismo raiz e muita emoção ao longo das três horas de prova. Cortesia de São Pedro, que veio para assistir e mandar aquela chuva – que já havia sido protagonista na primeira etapa do ano.

Mas não como neste fim de semana: apesar do tempo ameaçador, a corrida começou com pista seca. Depois, choveu. Parou. Choveu. Parou. Choveu outra vez. E assim, apesar de tudo isso, o protótipo AJR finalmente conquistou uma vitória esperada e muito desejada pela JLM Racing e pelo piloto e criador da “nave”, Juliano Moro.

Desde a etapa anterior, o carro #28 foi dotado de um motor V8 de Stock Car sem restrição de potência. E além do recorde nos treinos, a trinca formada por Moro, Emílio Padron e Henrique Assunção teve muito mérito de fechar a disputa, que por condições adversas de segurança no final, acabou com 130 voltas cumpridas e pouco menos de 3 minutos para fechar as três horas regulamentares.

“Estou bem feliz com essa vitória. Trabalhamos muito pesado nos últimos dois anos, com um projeto de um modelo que tem tudo para ser muito competitivo, mas esse ano foi de desenvolvimento na pista e alguns problemas nos atrapalhavam nos resultados finais, tanto que cravamos três poles nas provas que participamos. Hoje, o resultado veio. Agradeço a toda equipe, que fez um trabalho fantástico, ao Emílio (Padron) e ao Henrique (Assunção), que dividiram o carro comigo, e à JL, em especial ao Zequinha Giaffone, que acreditou no nosso projeto e desenvolveu o motor do AJL #28”, comemorou Juliano Moro.

A chuva e o mau tempo foram determinantes nas estratégias de box, afora claro o desempenho dos pilotos. E foi por conhecer os meandros da pista que a equipe JLM permaneceu com seu carro na pista durante a primeira pancada d’água, apostando que ela pararia. Muitos competidores caíram na armadilha e um dos favoritos, o Porsche dos campeões Ricardo Maurício/Marcel Visconde, liderou a primeira hora e tudo caminhava para mais uma corrida dominante do #20. Porém, a equipe Stuttgart Motorsport apostou nos pneus para pista molhada e depois um furo mandou o carro alemão para trás, definitivamente. Acabaram em 6º, duas voltas atrás, no pior resultado do carro em 2017.

As várias entradas de Safety Car também embaralharam a classificação em todas as categorias e não faltaram contatos e problemas dos mais variados. Uma corrida verdadeiramente exigente e que provocou alguns abandonos significativos. Pelo menos 10 carros não terminaram, entre eles o MC Tubarão de Tiel Andrade/Franco Pasquale, vítima de superaquecimento. Como consolo, Tiel fez a volta mais rápida da corrida – 1’00″555, praticamente em ritmo de classificação.

Além da marcante vitória do AJR #28, que completou neste sábado mais voltas do que havia completado em todas as provas de que tomou parte, boas surpresas aconteceram, como o segundo lugar de Oswaldo, Guilherme e Eduardo Scheer, que reapareceram com um protótipo equipado com um poderoso motor Chevrolet V8. Também digno de nota foi o terceiro posto de Renan Guerra/Fernando Fortes – com grande performance de Renan num dos períodos de chuva inclemente em Tarumã.

Mais outro dos destaques da prova foi o piloto de Stock Car Vítor Genz, que fez um ótimo turno a bordo do MCR Grand-Am Lamborghini V10 e levou o bólido a recuperar voltas e chegar em quarto na geral, à frente do batalhador Cali Crestani, que segurou a onda sozinho no protótipo Tornado com motor Hayabusa, para ganhar na classe P2.

Excelente 6º posto para Marcelo Vianna/Júlio Martini, fechando com chave de ouro um campeonato em que já haviam levado o troféu de campeões brasileiros na categoria P3. Ganharam a última etapa e venceram as cinco corridas de que tomaram parte em 2017. Melhor, impossível.

A única classe que ainda chegou a Tarumã indefinida foi a GT1: três carros estavam no páreo e a Ferrari de Ricardo Mendes/Carlos Kray/Christian Castro foi a primeira a ficar pra trás e depois quem também foi prejudicada – por um acidente – foi a dupla André Senger/Beto Giacomello, envolvida num entrevero com o protótipo de Miguel Mallaco. Isto possibilitou a Paulo Rutzen/Vílson Verardi Jr./Gustavo Martins conquistarem a vitória na categoria com o 9º lugar na geral e ofertar-lhes o título.

Em linhas gerais, um final de semana inesquecível. Para mim, que pude acompanhar tudo isso ao vivo, automobilismo na mais pura essência. Os gaúchos são a locomotiva do Endurance nacional e com a receita vencedora de regulamento, o Dopamina Endurance foi um campeonato de muito sucesso em 2017. Sem medo de errar, o que mais evolução mostrou neste ano. E a gente torce para que seja ainda melhor o próximo ano.

Obrigado aos gaúchos, à APE (Associação de Pilotos de Endurance) pelo retorno, ao convite feito para que eu pudesse acompanhar tudo de perto desde a sexta-feira, com direito à suprema emoção de uma volta rápida no templo de Tarumã na companhia de Ramon Matias, antigo piloto do GT3 Brasil. E olha… tem que respeitar, viu? Que pista rápida, avassaladora, uma montanha russa pra ninguém botar defeito.

Parabéns aos envolvidos. Que venha 2018!

Resultado final das 3h de Tarumã:

1º #28 Juliano Moro/Emílio Padron/Henrique Assunção
Protótipo AJR V8 – categoria GP1
130 voltas em 2h57min36seg467

2º #26 Oswaldo Scheer/Guilherme Scheer/Eduardo Scheer
Prot0V8 – categoria GP1
a 4seg301

3º #117 Fernando Fortes/Renan Guerra
Protótipo MR18 Audi Turbo – categoria GP1
a 11seg959

4º #18 Fernando Poeta/Vítor Genz/Ney Faustini
Protótipo MCR Grand-Am Lamborghini V10 – categoria GP1
a 1 volta

5º #3 Cali Crestani
Tornado III Suzuki Hayabusa – categoria P2
a 2 voltas

6º #20 Ricardo Maurício/Marcel Visconde
Porsche 911 GT3-R – categoria GP1
a 2 voltas

7º #69 Marcelo Vianna/Júlio Martini
Protótipo MC Tubarão VIII Volkswagen 8V – categoria P3
a 3 voltas

8º #43 Sérgio Cardoso/Gustavo Tomazini
Protótipo MRX Volkswagen 8V – categoria P3
a 3 voltas

9º #46 Paulo Rutzen/Gustavo Martins/Vílson Verardi Jr.
Lamborghini LP520 – categoria GT1
a 5 voltas

10º #31 Willian Freire/Marcelo Sant’Anna
Lamborghini LP560-4 – categoria GP1
a 5 voltas

9 comentários

  1. MATTAR!

    ESPETACULAR!

    VOU VER O TEU ONBOARD NOVAMENTE HOJE E VER QUE TEMPO DEU… ACREDITO QUE 1:15 BAIXO…

    HEHEHHEH

    PÁU NELES !!

  2. julio martini disse:

    Muito legal ter voce com a Endurance… Continue conosco… o show segue nas 12 horas e ano que vem mais forte ainda. Abraço

  3. Alessandro Neri disse:

    Bacana Mattar. Foi no Tarumã “raiz” ( sem chicane)? Ou no Tarumã “Nutella” (com chicane)?

  4. Sergio Ribas Pacheco disse:

    A categoria que melhor representa o verdadeiro automobilismo cheio de marcas e modelos diferentes com a liberdade de criação e desenvolvimento livres do engessamento das mono marcas .

  5. Pablo Habibe disse:

    O AJR com o V8 da Stock é a prova de que poderíamos criar uma categoria de monopostos séria no Brasil, uma Super Fórmula nossa, capaz de atrair pilotos experientes e digna sucessora da F2 CODASUR ou da F3 SUDAM em seu início, uma categoria com luz própria que atrairia bem mais atenção que a Stock bolha…

    Pelo que vi, o protótipo virou tempos comparáveis com os da F3 na qualificação. As tomadas de tempo foram feitas com pista molhada? A corrida usou a chicane ou foi no traçado original?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>