MENU

4 de outubro de 2017 - 19:30IMSA Weather Tech SportsCar Championship

Finalmente: Helinho na IMSA

22256666_10155046231080794_8861039381644534365_o

Novo desafio: a partir de 2018, com uma exceção especial para as 500 Milhas de Indianápolis, Hélio Castroneves será piloto titular do programa Penske no IMSA Weather Tech SportsCar Championship (Foto: Team Penske/site oficial)

RIO DE JANEIRO - O furo do blogueiro aqui, antecipado neste post em novembro do ano passado, se confirmou finalmente hoje: Hélio Castroneves deixa a Fórmula Indy após 20 temporadas, dezoito delas servindo o Team Penske, rumo ao IMSA Weather Tech SportsCar Championship.

Não significa o fim dos laços com a escuderia – muito pelo contrário. É para o capitão Roger Penske que Helinho continuará dirigindo. Desta vez, trocando os monopostos pelos Esporte-Protótipos: Castroneves correrá no Acura ARX-05 DPi concebido na plataforma do modelo Oreca 07 LMP2. O nome de seu companheiro ainda não foi anunciado – e provavelmente isto acontecerá após o encerramento do campeonato no próximo sábado. Tudo indica que Ricky Taylor deixará a equipe do pai rumo à parceria com o brasileiro. No outro carro, foram confirmados Juan Pablo Montoya e Dane Cameron.

A saída de Hélio da temporada regular da Fórmula Indy não indica o fim do sonho de igualar A.J. Foyt, Rick Mears e Al Unser no recorde histórico de vitórias nas 500 Milhas de Indianápolis. O brasileiro de 42 anos ganhou a prova três vezes e Roger Penske lhe ofertará um carro (e a Montoya também), fazendo com que o time regular caia de quatro para três bólidos – porque a equipe precisou realocar investimentos e pessoal não só no programa da Nascar como também na IMSA.

Penske-PLM-2017-ORECA-1

O retorno será neste sábado a bordo de um protótipo Oreca 07 Gibson LMP2 apresentado hoje. Castroneves compõe uma trinca de responsa com Juan Pablo Montoya e Simon Pagenaud

Nove anos depois de sua última corrida com um carro da série, Castroneves volta justamente em Road Atlanta, onde em 2008 guiou um terceiro Porsche RS Spyder em dupla com Ryan Briscoe, vencendo a prova na classe LMP2 naquela oportunidade, além de terminar em 7º lugar na prova de Laguna Seca, na Califórnia. Neste sábado, a Penske terá além de Hélio, Juan Pablo Montoya e o campeão de 2016 da Fórmula Indy Simon Pagenaud.

Não acho que Hélio tenha ido para a IMSA contra sua própria vontade. Como me foi dito por alguém próximo ao piloto, ele é parte da família Penske e iria para onde Roger determinasse. Quiseram as circunstâncias e a mudança de estrutura com um carro a mais na divisão principal da Nascar e dois protótipos na IMSA diminuíssem a força-tarefa da equipe na Indy e o investimento em um quarto carro.

Querido pelos fãs pela sua simpatia imensa e sorriso perene, amado dentro da equipe, Hélio vai se aposentar como piloto Penske – não tenham dúvidas disso. E enquanto isso não acontece, vamos vê-lo na tela do Fox Sports já a partir deste fim de semana, curtindo fazer o que mais gosta e principalmente sendo o grande profissional que é dentro de um cockpit.

Tão bom que a equipe homenageou sua saída como piloto full time da Indy neste vídeo aqui abaixo.

Ah… e sobre a notícia por mim divulgada e citada dezenas de vezes na tela do Fox Sports, seja nas transmissões da IMSA e também no Fox Nitro, muita gente duvidou. Alguns disseram de forma veemente que eu estava errado, que o piloto nunca sairia da Indy para outra categoria. Falaram até que o Helinho sairia da equipe!

Nada como o tempo para me dar razão diante dos que foram céticos.

6 comentários

  1. Ylan Marcel disse:

    Como diria Fernando Collor: “O tempo é o Senhor da Razão”.

  2. Fernando Silva disse:

    A medida em que a idade “vai chegando”, acho natural que pilotos como Hélio (não gosto dessa intimidade de Helinho…) e TK percam velocidade e, consequentemente, espaço perante os mais novos que vão surgindo. Afinal, o tempo passa para todos. Ainda assim continuam competitivos e absolutamente queridos pelo público…mais até que muitos nativos dos USA…e a Indy só não “perdeu” também o Tony para o IMSA porque o episódio da prova do Gateway evidenciou que a saída da Ganassi não foi nada amigável entre as partes…senão, certamente ele acabaria colaborando com o time na classe GTLM da classe de endurance.
    Sobre a notícia, realmente seu post foi a primeira coisa que li a respeito e, essa turma que gosta de desqualificar, difamar e até ofender na internet, se não estavam preocupados com as consequências, agora começarão a se preocupar…a iniciativa do Mauro Cezar Pereira (ESPN) é só o começo.

  3. ags disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkk….só tinha essa opção para o brilhantina..mas que o Gil dava pau nesse popboy isso era visivel..Tony só não deu pneu desse mane pq tinha equipe de terceiro escalão..
    Espero que não vire outro Narsnoyado ou Fumassa..rssssssss

    • Zé Maria disse:

      Já vinha sendo impiedosamente superado pelos companheiros de equipe nos últimos anos. . .
      Até que demorou muito para “ser saído”. . .
      Garoto propaganda de pasta de dente nos últimos tempos, com esse sorriso artificial e forçado e esse “bom-mocismo” politicamente correto que convenhamos, é o ó do borogodó.

  4. Bruno Aleixo disse:

    Não é um piloto que eu tenha qualquer admiração particular, mas reconheço que ninguém fica em uma equipe como a Penske por 18 anos a toa. A idade chegou e a hora é boa para novos desafios.

    Rodrigo, parabéns pela notícia. Em tempos de chutes ao vento, é sempre bom ver alguém praticar Jornalismo com J maiúsculo, apurando, ouvindo o outro lado, divulgando e, o principal, sustentando. Deixa os críticos pra lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>