MENU

16 de janeiro de 2018 - 00:15Memorabilia

Dan Gurney (1931-2018)

Dan Gurney Tribute 4

The end: Dan Gurney se vai, aos 86 anos. O esporte a motor perde mais um craque

RIO DE JANEIRO - O automobilismo mundial perde um de seus pilotos mais talentosos e versáteis já vistos, além de dono de equipe e vitorioso em praticamente tudo no que se envolveu na vida. Aos 86 anos, Dan Gurney recebeu neste domingo sua última bandeira quadriculada. Vítima de uma pneumonia, o novaiorquino nascido em Port Jefferson deixou viúva e cinco filhos – todos homens.

Não vou perder tempo com muitas palavras. Recomendo aos leitores do blog que venham aqui neste post de 2015 e conheçam a trajetória deste monstro do esporte a motor.

Disse o amigo Paulo Alexandre Teixeira, o @Speeder76 do Twitter, no Facebook e também em seu blog, o ótimo Continental Circus, que Gurney foi um gigante, não só na estatura privilegiada como também dentro e fora das pistas e sua trajetória por si só é uma polaroide eterna desses predicados.

Inventivo e criativo, marcou época não só por ter sido o primeiro piloto da história a usar os capacetes integrais que a Bell passaria a fabricar, substituindo os modelos de proteção parcial – que às vezes não protegiam nada mesmo – como pelo ineditismo do banho de champagne, que ele introduziu nas 24 Horas de Le Mans em 1967, ao lado de A.J. Foyt, com quem venceu a clássica prova francesa.

A Moët & Chandon adorou e Henry Ford II, mais ainda…

Por isso, uma perda tão sentida, tão lamentada, de um homem que já perdera em sua carreira tantos amigos que, ao se dar conta disso tudo enquanto conversava com Tyler Alexander, da McLaren, silenciou e decidiu abandonar a carreira de piloto. Isso foi em 1970, quando ele tinha ainda 39 anos.

Gurney já estava na história. Foi o único piloto a ganhar provas de Fórmula 1, USAC (Fórmula Indy), Nascar e Le Mans – nem Mario Andretti foi capaz de alcançar essa façanha. E um dos três de todos os tempos a ser piloto-construtor e vencer com suas criações, via All American Racers e o inesquecível Eagle Weslake, considerado por muitos um dos carros mais bonitos da história da Fórmula 1. Agora, ele está junto a Jack Brabham e Bruce McLaren no panteão da glória eterna, ao lado daqueles que fazem corridas sensacionais lá no céu.

RIP, Godspeed.

4 comentários

  1. Ricardo Ramsey Divila disse:

    O seu curriculo de vitorias nao da para mostrar a personalidade, um homem afavel, caloroso e modesto.

    Durante o periodo de construcao do Deltawing e mais tarde o LMP GT-R da Nissan tinhamos um almoco todas as quintas com conversas das corridas que tinha fito, estorias dos corredores do seu periodo e grandes discussoes tecnicas sobre o carro que estavamos fazendo.

    Fora isso, aparecia na sala de desenho casualmente, se interessando por todos os detalhes. A colecao de seus carros numa sala ao lado da oficina tinha algumas jois mecanicas.

    Um grande exemple de carater, educacao e polidez, vamos sentir falta de um amigo querido. RIP Daniel.

    • Ricardo Talarico disse:

      Este blog está mesmo muito bem frequentado.
      Ricardo Divila elogiando Dan Gurney.
      São 2 monstros do esporte a motor, que tem muita responsabilidade na minha paixão por automóveis e corridas.
      Obrigado Mattar, e parabéns pelo blog fantástico.

  2. TARCISIO FRASCINO FONSECA disse:

    Descanse em paz Dan The Man. Ou não.
    Já que ele esta lá em cima o Campeonato Celestial de Automobilismo ganhou mais um expoente.

  3. Ernesto disse:

    Parabéns pelo texto, Rodrigo! A parte final, para quem é aficcionado,´é de emocionar. Imagine que grid o GP Celestial terá agora, com Dan junto de outros monstros sagrados do automobilismo que já nos deixaram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>