MENU

22 de janeiro de 2018 - 21:42Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (389)

DUKeqFWXkAEUnBY

RIO DE JANEIRO - “Zero não é número”.

Com a frase acima, Alain Prost encerrou qualquer tipo de discussão acerca da (im)possibilidade de correr com o número #0 na Fórmula 1 em sua temporada de retorno – 1993 – após um ano “sabático”. Como Nigel Mansell se mudara para a Indy, a FIA impediu que o #1 fosse usado, já que era um privilégio do campeão mundial. Logo, o número #0 foi adotado para aquele ano.

E não pela primeira vez, é bom que se diga.

Jody Scheckter foi o primeiro piloto da história da categoria a usar o #0, o que não lhe era incomum: o sul-africano também andava com o #0 na série Can-Am, a bordo de um Porsche 917/10. Terceiro piloto da McLaren, ele foi inscrito com o mal-amado numeral em duas oportunidades, no GP do Canadá em Mosport e no GP dos EUA, em Watkins Glen.

Sem sucesso, aliás: Jody bateu com François Cévert na última corrida do francês antes de morrer nos treinos do GP dos EUA e teve problemas de suspensão na etapa final do campeonato de 1973.

O que fez de Hill, inclusive, o único piloto a ganhar corridas com o número #0, que – aliás – usaria em duas temporadas já que Prost também não defenderia seu título na temporada de 1994. O filho de Graham venceu nove vezes com o #0 e depois outras 12 com o #5, que lhe deu o campeonato em 1996.

Há 45 anos, direto do túnel do tempo.

2 comentários

  1. Gabriel Medina, O outro disse:

    Já no Super GT, 0 é o número reservado ao campeão da GT300.

  2. Bruno Serafim disse:

    O Alan Jones tambem usava o numeral “0″ na Can Am quando correu pela Shadow com o modelo DN4 em 1977.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>