MENU

25 de março de 2018 - 04:26Fórmula 1

Repeteco

ca07fe201ed1ae6db564be74e2db736c

Os problemas nos dois carros da Haas e o Virtual Safety Car mudaram o rumo do GP da Austrália a favor de Sebastian Vettel, que começa 2018 do mesmo jeito que no ano passado: no topo do pódio (Foto: Autosport/Reprodução)

RIO DE JANEIRO (Nota 5,5) - Assim como na abertura do ano passado, Sebastian Vettel coloca a Ferrari à frente da Mercedes de Lewis Hamilton e larga na frente do Mundial de Fórmula 1, igualmente deixando o time italiano em situação melhor que a marca da estrela de três pontas. A rigor, foi uma das raras novidades numa corrida que não merece mais do que uma nota 5,5.

E por que? Simples: antes da situação de VSC (Virtual Safety Car) que conflagrou e definiu as coisas a favor da Ferrari, Hamilton dominava. Tinha parado na 20ª volta, uma depois que Räikkönen e, se tudo entrasse nos eixos, nada tiraria do britânico, pole position e novo recordista da pista, mais uma vitória em Melbourne, no circuito Albert Park.

Só que a Haas, equipe que mais surpreendeu ao longo do fim de semana, cometeu o mesmo erro na parada de box para troca de pneus, deixando seus dois pilotos – Magnussen primeiro e Grosjean depois – na mão. Deu pena o desespero do franco-suíço. Os carros do time ianque vinham bem e nem a Red Bull, que nós achávamos que brigaria pela vitória já de saída, foram capazes de ultrapassá-los. Max Verstappen, em dado momento, emulou Keke Rosberg em Long Beach-83 e Nigel Mansell em Imola-90, com um espetacular pião de 360º e ainda voltando à disputa.

Pois bem: o tal do VSC ajudou a estratégia da Ferrari, que mandou Vettel parar nos pits. Hamilton não podia superar o rival ou andar acima da velocidade pré-estabelecida no painel. E viu o carro vermelho à sua frente quando de virtual o Safety Car passou a real. Outro que ficou tiririca foi Räikkönen, que xingou meio mundo por ter parado primeiro.

Quem também aproveitaram a situação para avançar foram Daniel Ricciardo e Fernando Alonso, imitando Vettel. Muito inteligente a tática de Red Bull e McLaren para com seus pilotos. E assim eles ficariam em quarto e quinto até o fim, com o australiano ameaçando o 3º lugar de Kimi – ainda não foi dessa vez que o público que lotou o Albert Park viu seu piloto no pódio.

Em toda a história da prova, nenhum piloto do país terminou entre os três primeiros, muito embora Mark Webber tenha subido ao pódio em 2002 para festejar o quinto posto em sua corrida de estreia, ao lado do seu então patrão Paul Stoddart, na Minardi.

d2d1cf629404ff2668efbe5bff10c2f1

Deu dó da Haas, viu… os dois pilotos do time ianque vinham bem na corrida e acabaram por abandonar em virtude do mesmo problema após o pit stop para troca de pneus (Foto: Autosport/Reprodução)

Voltando à luta pela ponta, Hamilton teve problemas para se aproximar da liderança novamente, teve que reduzir o ritmo e se viu incapaz de impedir que Vettel chegasse ao total de 48 vitórias na carreira e ao seu centésimo pódio em 199 GPs disputados, ofertando à Ferrari a 230ª conquista de sua história em 950 participações na categoria.

O alemão é o quarto piloto da história a chegar na marca de 100 ou mais pódios – Schumacher é o recordista com 155, seguido por Hamilton (118), Prost (106) e agora Vettel (100). O quinto do ranking é Fernando Alonso, com 97, e lá se vão incríveis 55 GPs em que Don Fernando não sobe ao pódio – a última vez foi na Hungria em 2014, quando foi segundo.

Mas o espanhol já começa 2018 de forma muito mais positiva que no ano passado. Aliás, não só ele, como também a McLaren, que fechou a prova com seus dois pilotos na zona de pontos – Vandoorne foi o nono – e sai do GP da Austrália com 12 pontos. Muito melhor que a Renault, com sete, enquanto as demais nada marcaram.

Por fim, percebe-se que, por mais que tenham sido introduzidas três zonas de acionamento de DRS, a prova teve raras ultrapassagens e nem Valtteri Bottas, que acabou largando de 15º no grid após o aparatoso acidente no Q3 do treino classificatório de ontem, conseguiu avançar tanto na pista de Melbourne, chegando em oitavo.

Faltou ritmo também à Force India, quarta força de 2017 e que não começa tão bem a nova temporada. A Sauber – quem diria – chegou, graças ao novato Charles Leclerc, na frente da Williams com Lance Stroll, já que o outro carro guiado pelo russo Sergey Sirotkin foi o primeiro a ir à nocaute com problemas de freio.

Outra decepção foi a Toro Rosso. Hartley fez uma corrida (ruim) totalmente destoando do resto. E o câmbio do carro de Gasly se entregou. Muitos de nós achamos que foi motor, mas ao fim de tudo foi a caixa de marchas que deu pau no carro #10. Menos mal para a Honda, que ganha um crédito de confiança para a próxima etapa, o GP do Bahrein.

Que, aliás, tem que ser melhor do que foi o insosso GP da Austrália. Ademais, vai ser chato ter que aturar toda hora a emissora oficial que transmite a categoria reclamando do Halo. Falar por falar não adianta. Os carros ficaram feios, é difícil para os pilotos saírem dos cockpits e, pior, perdeu-se não só a boa visualização das câmeras onboard como também a identificação dos capacetes pelo público – seja nos autódromos ou em casa – está péssima.

A Liberty Media entregou uma transmissão até ok em termos de gráficos e informação, mas não adianta vestir uma criança com uma roupa bonita se a criança é feia de corpo ou de rosto. Estética e tecnicamente, a Fórmula 1 continua deixando a desejar e dando a impressão de que ainda está longe de um formato que agrade, que nos traga corridas mais emocionantes.

Vitória decidida no Virtual Safety Car? Definitivamente, não é o que nós queremos.

22 comentários

  1. Andre Tamura disse:

    Será que haverá disputas este ano? Mercedes mais rápida, mas com problema de superaquecimento do motor em determinadas circunstâncias e também com dificuldade para gerenciar pneus. Ferrari um pouco mais lenta, mas trata melhor os pneus e sem problema de superaquecimento. E Red Bull sem problemas e bem próxima da Ferrari. Será?

  2. Teles disse:

    Uma corrida sem graça e com uma narração pra la de chata pelo chatonildo do Galvão.Só a globo não se toca que o seu tempo acabou.

  3. Emmanuel disse:

    A F1 hoje oferece o pior espetáculo do esporte a motor, sim dúvida alguma. É impressionante a falta de emoção! Não se vê uma ultrapassagem a prova toda…
    A Williams vai pagar alto preço pelas suas e$$colhas, arriscando não marcar ponto esse ano. E falta piloto para a Toro Rosso, sendo que o Hartley não tem demonstrado nível aceitável para estar lá!

  4. Diego disse:

    Cara, mas tu reclama da Globo, já tá parecendo recalque… ou vai dizer que você gostou do halo ??? Quer que eles façam o que além de falar? Pegar uma marreta e quebrar??? Óbvio que o Galvão tem n defeitos, mas por vezes a análise não passa de torcida contrária.

  5. Leandro disse:

    Historicamente, o GP da Austrália em Melbourne não proporciona corridas boas, salvo raríssimas exceções. É praticamente uma pista de alta com muros próximos, o que dificulta muito as ultrapassagens.
    Agora, enquanto o regulamento não ajudar, vai ficar difícil termos corridas boas. Não adianta termos setecentas opções de pneus se só três ficam disponíveis por corrida e o mais macio deles aguenta tranquilamente meia corrida.
    Outra condição que atrapalha muito é a aerodinâmica. Com as asas dianteiras cada vez mais complexas, fica impossível acompanhar outro carro de perto, ainda mais nessa pista.
    Será que não tem nenhum iluminado que percebe que a doença da F1 está aí?
    Se as asas dianteiras fossem similares à dos carros dos anos 80 e 90, não seria necessário mexer nos circuitos, criar asas móveis e outras artificialidades. Isso sem falar que os carros ficariam mais simples e bonitos.
    É a cereja do bolo é o Halo. Horroroso, mal dá para ver os belíssimos capacetes que temos neste ano.
    Para termos corridas sensacionais, basta mexermos nos pneus e na aerodinâmica. Pneus ainda mais rápidos que se desgastam muito ou pneus bem lentos que durem uma corrida sem paradas, e asas dianteiras que permitam que o piloto que está atrás consiga contornar curvas rápidas bem próximo.
    Não está difícil resolver, é só os dirigentes botarem a cabeça para funcionar…

    • Rodrigo Mattar disse:

      É isso, Leandro. Sem precisar interpretar último parágrafo, você tocou nos pontos cruciais dessa Fórmula 1 que mudou, mas ainda não atingiu seu ponto ideal. Concordo: até quando os engenheiros vão ficar batendo cabeça até notar que o grande problema dos carros está no excesso de penduricalhos?

      • Leandro disse:

        Rodrigo, a última vez que fizeram algo benéfico nesse sentido foi na temporada 2009, você lembra que os carros de 2008 tinham apêndices aerodinâmicos horrorosos vide o McLaren MP4-22 e o Honda RA108. É hora de dar um basta nisso novamente. Abraços!

    • Vinicius disse:

      É isso, basta reduzir o downforce e teremos um bom acréscimo de emoções. A F1 atual parece muito mais preocupada em ser a categoria mais limpinha, bonitinha, cheirosa e rápida do planeta, mas não se esforça pra ser nem um pouco emocionante.

  6. Leandro disse:

    Corrigindo, MP4/23.

  7. Luis Felipe Bezerra disse:

    Sobre o Virtual Safety Car, sempre é bom parar nele. Em 2015 durante a 24hrs de SPA, a Mercedes que liderava a corrida até a quebra do motor foi o carro que mais tinha parado durante VSC, e mesmo com 3 paradas a mais estava uma volta na frente do segundo até quebrar o motor. Já o pit stop da Haas, pouca gnt viu que eles foram traídos pela tecnologia. A pistola tem um sensor que indica que a roda está presa, e por algum motivo, ela estava indicando isto antes, e assim indicando antes do momento que o carro estava pronto pra sair.

  8. Marchi disse:

    O que eu acho mais absurdo é que a F1 permite projetos que os carros dependam de ar limpo para correr. Que mudem as regras de desenvolvimento para os pilotos possam seguir de perto o oponente sem que o carro pegue fogo.

  9. Robert disse:

    E se por acaso houvesse a possibilidade de juntar os carros 1 ou 2 vezes durante a corrida com bandeiras amarelas programadas como na Nascar? Talvez as corridas voltassem a ficar mais interessantes…

    • Rafael disse:

      Caso sejam completadas 10 voltas sem sequer 1 ultrapassagem, entra o safety car. rs

      • Luigi disse:

        Como tem gente que gosta de americanalhar as coisa, se o automobilismo fosse muito bom, qualquer piloto Américano que fosse em qualquer outra categoria , seria o cara a ser batido, mas parece que isto não acontece porque os resultados de suas corridas são mais circunstanciais do que construído por uma superioridade técnica, e está era a verdadeira essência do automobilismo até outros interesses paralelos transformarem disputas homem máquina em as shows de velocidade para entreter torcedores .

  10. Antonio Vidal disse:

    MUITO POUCO A COMENTAR. O TEXTO SINTETIZA COMPLETAMENTE AQUILO QUE NOS FEZ PERDER A NOITE DE SONO NA MADRUGADA DE DOMINGO. A TRINCA DA GLOBO, PRA VARIAR, NÃO NOS APRESENTOU NADA DE NOVO. A PROVA EM SI, CONFORME O AUTOR DO TEXTO DEIXOU BEM CLARO AQUI, PRECISOU DE UM ARTIFÍCIO ELETRÔNICO PARA DAR UM POUCO DE EMOÇÃO A CARRERA. FERRARI E MERCEDES…MERCEDES E FERRARI….FICA FÁCIL NA ATUALIDADE COLECIONAR RECORDES E NÚMEROS…INFELIZMENTE GALERA, ESTAMOS ASSISTINDO ANO APÓS ANO, A DERROCADA DA CATEGORIA MÁXIMA DAS RODAS DESCOBERTAS…TRISTE…

  11. jairo faria disse:

    Olá Rodrigo,… só pra lembrar eu vejo que essa questão do Halo,… está com mais de 40 anos de atraso,… pois os acidentes do Mark Donahue e Tom Price, mortos respectivamente por Pneu e Extintor de incêndio, já deveriam ser objetos de uma iniciativa assim … e não vejo nenhúm comentário nesse sentido… fica a dica.

  12. jairo faria disse:

    A Toro Rosso demonstra com a adoção do motor Honda enorme potencial sem a pressão de fornecer para uma equipe como a Mclaren com alguêm como Alonso na equação. O que deixa a desejar é essa dupla de pilotos,…. esse Hartley…. (pelamorde deus…) O furor de trocas do Dr. (de que?) Marko… acho que atrapalha. E eu creio esta penalizando a equipe,… o Russo devia ter ficado, pelo menos mais um ano, para a equipe ter alguêm experiente,… e competitivo,… acho o pacote da Toro Rosso promissor ,. mais talvêz não consiga atingir tudo que poderia ,. em função da clara limitação dos pilotos disponíveis,… ( e o Kubica de reserva,…. putz cairia como uma luva nessa Toro Rosso,… mais não parece ser politica de pilotos do Dr…. uma pena!)

  13. joao calango disse:

    Com uma mudança na posição das câmeras, resolve a questão da imagem onboard. DRS mesmo tendo 3, 4 ou deixando na pista toda, concordo, não vai mudar tanto o número de ultrapassagens.
    Para melhorar a competitividade, deviam mexer nos RPM dos carros vencedores, colocar lastro, diminuir o número de pneus disponíveis na próxima corrida, permitir que as equipes com menos pontos possam atualizar o carro.
    O que poderia introduzir na corrida, além do safety car virtual, safety car real, seria um pitstop com número limitado de mecânicos, troca de carro na corrida, punições eletrônicas, deixando o carro sem acelerar por 3 ou 5 segundos, ficar sem rádio por um minuto.
    Se precisarem trocar motor ou qualquer peça do carro, poderá manter a posição no grid se ajudar financeiramente ou tecnicamente uma equipe cliente, seria limitado a multas bem altas, mas convertida em ajuda para outra equipe.
    Se não puderem pagar larga dos boxes.
    Os treinos de sexta seria exclusivo para terceiros pilotos, pilotos reservas, que correrão o correspondente a um GP inteiro, para ter benefícios como um jogo de pneus a mais, uma atualização grátis ou mesmo um terceiro carro poder disputar em alguns GPs.

    Outra punição

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>