MENU

30 de maio de 2018 - 17:11Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (403)

emersongarrafasucoafp

Suco de laranja em vez do tradicional leite das 500 Milhas de Indianápolis: Emerson Fittipaldi quebrou uma tradição de décadas numa corrida que venceu pela segunda vez e cuja data completa 25 anos nesta quarta-feira

RIO DE JANEIRO - O dia 30 de maio faz parte da história do automobilismo brasileiro e de um campeão em especial. Naquele dia, em 1993, Emerson Fittipaldi se consagrava bicampeão das 500 Milhas de Indianápolis, a prova mais importante do calendário da Fórmula Indy e até do que o próprio campeonato em si, por conta de sua longa tradição iniciada em 1911 com a vitória do Marmon Wasp de Ray Harroun.

Para aquela prova, o Indianápolis Motor Speedway passou por longas reformas, em parte motivadas pelas altíssimas velocidades alcançadas em 1992 e os pavorosos acidentes nos treinos e na corrida, com direito a múltiplas fraturas no tricampeão mundial de Fórmula 1 Nelson Piquet e à morte do novato filipino Jovy Marcelo. Aceso o sinal de alerta, os donos do circuito fizeram uma modificação no traçado, criando linhas auxiliares pela parte interna e deixando as curvas mais estreitas.

A modificação funcionou: o holandês voador Arie Luyendyk conquistou a pole position com média de 223.967 mph, cerca de nove milhas mais lenta que a pole de Roberto Guerrero, um ano antes. Perseguindo a primeira vitória no mítico oval, Raul Boesel se qualificou na primeira fila, com o terceiro melhor tempo, enquanto Emerson Fittipaldi, vencedor em 1989 e pole position em 1990, ficou em 9º – logo atrás de Nigel Mansell, que pela primeira vez correria não só em Indy como num circuito oval.

Nelson Piquet fez seu acerto de contas com a equipe de John Menard e retornou para se qualificar com o 13º posto no grid de 33 carros – que não contaria com a presença do então campeão da Fórmula Indy: Bobby Rahal não extraiu velocidade suficiente do seu carro, rebatizado de Rahal/Hogan, mas construído por sua antiga equipe, a Truesports, e ficou de fora num Bump Day dramático onde Eddie Cheever só conseguiu sua vaga (de 33º e último) na sexta e derradeira tentativa, após trocar de chassi numa deferência de John Menard.

Com uma largada antológica, Boesel assumiu a ponta na curva 1 e liderou até a primeira bandeira amarela. Depois, o piloto brasileiro receberia uma penalização stop & go bastante controversa, que custou ao representante da Dick Simon Racing a perda de uma volta. Até o fim das primeiras 100 voltas, a dianteira mudaria várias vezes de mãos, principalmente entre Nigel Mansell, Mario Andretti e Arie Luyendyk, com Emerson Fittipaldi sempre por perto com seu Penske Chevy número #4.

Na volta #128, um acidente entre Roberto Guerrero e Jeff Andretti motivou uma entrada do Safety Car que matou as chances do veterano Mario Andretti de bisar a vitória que ele perseguia na pista desde 1969. Ele entrou nos boxes com os pits fechados e levou um stop & go nesse processo. Raul Boesel recuperou a volta e vinha em 8º – e subindo – quando quebrou o câmbio do Lola Chevy de Robby Gordon, que substituíra A.J. Foyt como piloto titular do time do texano – só que com o carro #41, uma vez que Foyt anunciou sua aposentadoria nos primeiros treinos livres e não teve a intenção de inscrever seu carro para o resto do evento. Boesel sofreu nova penalização também por entrar nos boxes com a sinalização de “No Pit” e até hoje ele lamenta os incidentes ocorridos há duas décadas e meia.

“Com menos de 30 voltas para o fim eu estava em primeiro de novo”, recordou, em matéria de Gabriel Lima à versão brasileira do site Motorsport.com.

“Mas aí, quando entrei nos boxes, deu uma bandeira amarela – e naquele ano eles haviam instituído que quando desse uma bandeira amarela o box fecharia. Eu estava já comprometido com a entrada do pit e deu a bandeira amarela. Aí eu fiz o meu pit stop.”

“Aí eu saí e meu engenheiro me disse: ‘estamos bem, estamos em primeiro e com um pit stop na frente’. Mas aí veio de novo uma penalidade, dizendo que a equipe devia ter me mandado passar reto, sem parar. Eles mandaram eu entrar e pagar um stop & go durante a própria bandeira amarela.”

A penalização, como se vê, não comprometeu tanto a corrida de Boesel, que poderia voltar ao jogo quando Lyn St. James bateu na curva 4 e provocou mais uma bandeira amarela. Só que Emerson Fittipaldi, que não havia liderado a corrida em momento algum, pensava diferente do compatriota. Ninguém, na cabeça dele, lhe tomaria a vitória naquele dia.

Emerson separou os melhores jogos de pneus para os stints restantes e, nas últimas 50 voltas, seu carro rendia uma enormidade. Na última relargada, um fator decisivo seria a inexperiência de Nigel Mansell, que já deixara todo mundo impressionado em Indianápolis por andar no fio da navalha, ‘traseirando’ seu Lola Chevy #5 e sem bater – mentira: ele deu uma leve roçada no muro da curva 2, nas voltas finais, provocando uma última bandeira amarela.

Mas aí já tinha acontecido: no início da volta 184, Fittipaldi atropelou Luyendyk e Mansell, assumindo o primeiro lugar. O holandês não se fez de rogado e também despachou Mansell, com Boesel voando para descontar o tempo perdido. As posições não se alteraram e Emerson comemorou o bicampeonato em Indianápolis, com Arie em segundo, Nigel em terceiro e Raul em quarto.

Não sem polemizar: no pódio, após receber a coroa de louros e posar ao lado do lendário Troféu Borg-Warner, Fittipaldi recusou uma tradição de décadas. Segue abaixo o diálogo entre o piloto e o repórter Jack Arute, do canal ABC.

Fittipaldi: “No, I’m not going to have the milk.”

Arute: “Now there’s a first! Emerson, you’re not going to drink the milk?”

Fittipaldi: “Well, I’m going to drink the orange juice, that’s my producer, and I’m going to help this time orange juice. I produce orange juice.”

Arute: “Back in São Paulo he produces orange juice, so he’s going to go that way.”

Como vocês podem notar, Emerson recusou-se a beber o leite, uma instituição no Victory Lane de Indianápolis. A reação, como era de se prever, foi extremamente negativa na mídia e os efeitos foram sentidos em Milwaukee, na prova seguinte, quando Fittipaldi foi vaiadíssimo na introdução dos pilotos antes daquela disputa.

Nas entrevistas seguintes, pediu desculpas pela atitude, mas o estrago estava feito. O público, com certeza, não esqueceu. Mesmo tendo ficado fora da prova em 1995, o que causou alguma comoção, muito tempo depois ele retornaria ao circuito para pilotar o Pace Car, na edição de 2008.

O resultado? Mais vaias no Driver Meeting daquele ano.

Há 25 anos, direto do túnel do tempo.

5 comentários

  1. ags disse:

    Sabe, no linear das coisas, uma é certa..
    Aqui se faz, aqui se paga.. O Mr Ego..foi muito além de Senna, Piquet… não existe nenhum atleta brasileiro que fez como o Mr Ego fez…
    Ela?.. cada pancão que pode da moça levou…e hj?..
    É amigo veio… aqui se paga e quem alçou voo além do limite sabe como é viver as minguas… dura realidade pra quem que nunca ia cair…e vai caindo…vida´é a vida……………..

  2. MarcioD disse:

    Grande Emerson, um dos meus pilotos favoritos, conseguiu vencer em 72 com apenas 25 anos o melhor piloto de F1 da época, Stewart considerado sucessor do lendário Clark.
    Assisti esta Indy 550 que teve um final emocionante, com Mansell tendo um ótimo desempenho para um novato.
    Só podia ser mesmo um brazuca para aprontar nos EUA e quebrar a tradição dos americanos. Ele recusou o leite que lhe ofereciam insistentemente varias vezes e depois de varias goladas de suco com muito custo tomou uma gole de leite aos 6:55 deste vídeo aqui:www.youtube.com/watch?v=8oLrqVWqVVA misturando os 2 produtos e “azedando” tudo.
    Ele queria promover um produto que era exportado para os EUA e acabou deixando os produtores de leite de Indiana(patrocinadores) furiosos por causa da preferencia e da zoação mundo afora.

  3. Carlos disse:

    Mattar, as vaias acontecem TODA VEZ que ele aparece, ainda hoje em dia. Os caras simplesmente não esquecem.

  4. Eduardo Estrada disse:

    Jabá bobo do Emerson não caiu nada bem em Indianapolis. Ele quebrou uma tradição local e o povo não gostou nem um pouco. Lembro que no ano seguinte ele liderava com quase uma volta de vantagem sobre Al Unser Jr. faltando umas 15 voltas, quando deu uma traseirada e bateu sozinho. A torcida foi ao delírio, pelo americano que ia ganhar mas acho que um pouco também pela gafe do suco de laranja no ano anterior.
    Comemorei a vitória do Emerson mas também senti pelo Boesel nessa corrida, pois era a grande chance da vida dele em Indy e ele tinha carro pra ganhar. A primeira punição foi meio injusta, mas a segunda a equipe poderia ter evitado. Acho que seria uma disputa interessante entre ele e o Emerson naquelas voltas finais.

  5. Danir disse:

    Eu acredito que o Emerson é um dos grandes pilotos brasileiros, mas o que tinha de talento nas pistas, não tem no mundo dos negócios. Como ele imaginou que dando um furo com os patrocinadores teria vida fácil ou aceitação depois? Se fizesse o contrário talvez. É melhor lembrar do Emerson piloto hábil, frio e calculista que abriu caminho para muitos outros brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>