MENU

13 de maio de 2018 - 20:01European Le Mans Series

G-Drive fatura em Monza e Nasr estreia com pontos no ELMS

5af8436a3f521

Em oito dias apenas, a G-Drive Racing conquistou duas grandes vitórias, em Spa-Francorchamps (sem contar pontos para o WEC) e Monza, aí sim contando pontos para a 2ª etapa do ELMS (Foto: Jakob Ebrey Photography/ELMS Médiathèque)

RIO DE JANEIRO - Num espaço de pouco mais de uma semana, a G-Drive Racing apresentou armas e já se coloca como uma das favoritas à vitória na mais importante prova do Endurance mundial, as 24h de Le Mans. A equipe de bandeira russa, com assistência da francesa TDS Racing, correu como hors-concours na abertura da Super Season do WEC e venceu no último sábado em Spa-Francorchamps. Hoje, na segunda – e animada – etapa do European Le Mans Series (ELMS), as 4h de Monza, novo triunfo do carro #26 guiado por Roman Rusinov/Jean-Éric Vergne/Andrea Pizzitola na disputa que teve ao todo 124 voltas percorridas pelo tradicional circuito de 5,793 km de extensão.

A corrida foi movimentada e cheia de incidentes, com várias entradas do Safety Car. A Graff Racing, inclusive, perdeu seus dois carros num espaço inferior a 45 minutos. Logo na oitava volta, Alexandre Cougnaud saiu para fora do traçado e colidiu com uma barreira de pneus, provocando o abandono do #39 que partilharia com Jonathan Hirschi e Tristan Gommendy. A disputa mal tinha voltado ao normal, quando aí saiu da prova o #40 guiado por Enzo Guibbert, que bateu ainda mais forte que Cougnaud, com o Oreca nas cores da G-Drive que teria ainda José Gutiérrez e James Allen.

Nesse segundo período de FCY, a DragonSpeed processou o primeiro pit stop com Ben Hanley trocando com Henrik Hedman, o que permitiu à Duqueine Engineering liderar o fim da primeira hora com seu Oreca, seguida pelo Dallara #30 da AVF by Adrián Vallés e pelo carro da Cetilar Villorba Corse, equipe pela qual estreava o brasileiro Felipe Nasr. Foi um bom começo para a equipe da casa, que veio de 13º no grid.

Mas com metade da disputa, o panorama mudou e a G-Drive veio para a dianteira, depois que Rusinov cumpriu seu turno e entregou o #26 ao veloz francês Andrea Pizzitola. Enquanto isso, o Safety Car voltava à pista por conta de mais problemas: a DKR Engineering amargou o segundo abandono consecutivo em duas etapas e a Ecurie Ecosse/Nielsen, também enfrentando dificuldades entre os LMP3, tinha danos em seu carro por conta de um contato com o Dallara LMP2 da High Class Racing. Nesta altura, a Cetilar voltara para 13º lugar, já com Roberto Lacorte no lugar de Giorgio Sernagiotto.

A quarta entrada do carro de segurança aconteceu por volta de 2h20 de disputa, quando o #16 da equipe BHK Motorsport, então guiado pelo italiano Jacopo Baratto, saiu da pista na segunda perna de Lesmo e, após rodar, colheu o Ligier #18 da M.Racing-YMR guiado por Laurent Millara. Vários outros competidores saíram da pista para evitar serem pegos de surpresa pelos destroços e não se prejudicarem na disputa, que seguia com Pizzitola líder e a United Autosports em segundo, com o #22 de Phil Hanson/Filipe Albuquerque.

5af8465335ee3

Felipe Nasr e seus colegas Roberto Lacorte e Giorgio Sernagiotto terminaram em 9º lugar na geral, na prova de estreia do piloto brasileiro com a Cetilar Villorba Corse (Foto: Jakob Ebrey Photography/ELMS Médiathèque)

Mas a corrida da dupla do time vice-líder da corrida iria para o vinagre com a direção de prova impondo um time penalty que tirou o português e o jovem britânico de esquadro. Nessa altura, Nasr havia assumido o carro #47 e eventualmente chegou a andar entre os cinco primeiros. Mas um pit extra para reabastecimento perto do final acabou por derrubar a equipe italiana, que assim fechou a disputa em 9º lugar na geral, com uma volta de atraso. Pelo menos, Felipe somou seus primeiros pontos na prova de estreia no ELMS.

Os problemas alheios permitiram à TDS Racing, última no grid por conta de uma desclassificação após a pole conquistada no treino classificatório, cruzar a meta de chegada em 2º lugar com o trio Loïc Duval/François Perrodo/Matthieu Vaxivière em grande corrida de recuperação. A IDEC Sport salvou um belo pódio com Paul-Loup Chatin/Paul Lafargue/Memo Rojas Jr., enquanto a DragonSpeed, mesmo após Hedman deixar o carro #21 no 12º lugar durante seu turno de pilotagem, recuperou bravamente com Nico Lapierre e com Ben Hanley – novamente ao volante – para chegar em quarto. Vencedora em Paul Ricard, a Racing Engineering conquistou um importante 5º lugar final.

Na classe LMP3, tudo apontava para uma bela disputa pela vitória entre a Eurointernational com o carro #11 de Giorgio Mondini/Kay Van Berlo e o #2 da United Autosports, com os atuais campeões John Falb/Sean Rayhall. Mas estes teriam problemas: um contato com um dos protótipos da IDEC Sport acabou furando um dos pneus do Ligier #2, que perdeu assim a chance de triunfar na disputa. Terminariam em 5º lugar na categoria.

Mas nada pior do que aconteceu a Jakub Smiechowski/Martin Hippe: a dupla da Inter Europol Competition tinha tudo para discutir a vitória com Mondini/Van Berlo, mas… acabou o combustível do protótipo com o prosaico número #13 e eles perderam no mínimo o pódio. Acabaram com a quarta posição, atrás da 360 Racing com Terrence Woodward/Ross Kaiser – já que James Swift foi impedido de correr por não ter feito nos treinos um tempo à altura de seus colegas de equipe e do #3 de Tony Wells/Matt Bell/Garrett Grist, o segundo carro da United Autosports.

5af84495894f2

Em primeiro plano na foto, a Spirit of Race conquistou a vitória na LMGTE (Foto: Jakob Ebrey Photography/ELMS Médiathèque)

Entre os LMGTE, em que a Ebimotors partiu da pole position, o domínio foi da Spirit of Race a partir da segunda metade da disputa e o carro #55 do trio Duncan Russell Cameron/Aaron Scott/Matt Griffin levou os 25 pontos da vitória com o 21º posto na geral, após 116 voltas. Christian Ried/Marvin Dienst/Marc Lieb fecharam a disputa com o segundo lugar na classe, seguidos por Riccardo Pera/Fabio Babini/Raymond Narac.

No campeonato, Pizzitola e Rusinov surgem como líderes, somando 37 pontos, um a mais que Vaxivière/Duval/Perrodo e dois à frente de Nato/Petit/Pla. Após a corrida de estreia, Felipe Nasr aparece em décimo-quarto com dois pontos. Na divisão LMP3, Mondini/Van Berlo assumem a dianteira com 40 pontos, dez a mais que Kaiser/Woodward, enquanto Job Van Uitert/John Farano/Rob Garofall, vencedores em Paul Ricard, somam 25,5 pontos e estão em terceiro lugar.

E mesmo com um modesto 4º lugar na prova de Monza, a trinca Miguel Molina/Alex MacDowall/Liam Griffin lidera na LMGTE com 37 pontos, seis a mais que Babini/Pera/Narac, enquanto os italianos Gianluca e Giorgio Roda Jr. vêm a seguir com 29.

A próxima etapa do ELMS é apenas em julho, no dia 22: as 4h do Red Bull Ring, na Áustria.

1 comentário

  1. Augusto disse:

    E mesmo com o aval da FIA/ACO para updates no pacote aerodinamico visando equiparar o desempenho dos Oreca, Ligier e Dallara ainda comem poeira dos Oreca, e olha que é o mesmo carro do ano passado, Acho que Le Mans vai ser como ano passado, so vai dar Oreca nas primeiras posições, triste, vide que a grande tripulações nos outros chassis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>