MENU

8 de julho de 2018 - 21:59International GT Open

Show brasileiro no GT Open

2018 26 329

No primeiro ato do show brasileiro neste fim de semana do International GT Open em Budapeste, Daniel Serra voltou à categoria após 10 anos fazendo o que melhor sabe: vencendo com a Ferrari #52 da Luzich Racing, repartida com Marco Cioci (Foto: Fotospeedy)

RIO DE JANEIRO - Invadido desde o início do campeonato deste ano pelos pilotos do Brasil, o International GT Open viu por duas vezes o país no topo do pódio da 4ª rodada dupla disputada neste fim de semana no Hungaroring, em Budapeste. Dos nove que competiram por lá desta vez, quatro foram muito bem-sucedidos. Em especial os vencedores na classificação geral.

No sábado, Daniel Serra fez jus à competência que vem desfilando – não é de hoje – nas pistas brasileiras e internacionais. Com o italiano Marco Cioci conferindo a pole position num treino com pista molhada, o piloto que dividiu a Ferrari #52 da Luzich Racing fez sua parte na pista. Recebeu o carro em boa posição, ultrapassou o líder Valentin Pierburg após o ciclo de paradas para a troca de pilotos e partiu para o abraço. Nada como voltar ao GT Open após 10 anos de ausência da melhor forma possível.

Daniel e Cioci completaram 39 voltas no total, com quase quatro segundos de vantagem para Pierburg e para o britânico Tom Onslow-Cole, que venceram na subclasse Pro-Am. Fabrizio Crestani/Miguel Ramos tiveram ótima prestação com o Lamborghini da Daiko Lazarus Racing, desbancando do pódio o carro da Imperiale dividido entre Rik Breukers e Riccardo Agostini. Líder do campeonato, o dinamarquês Mikkel Mac Jensen salvou o quinto posto em dupla com Ale Pier Guidi.

Entre os demais brasileiros, Marcelo Hahn/Allam Khodair lutaram bastante para salvar o ponto do 10º posto geral, que representou o quinto na divisão Pro-Am. Cacá Bueno e Ricardo Baptista estrearam com um muito discreto 17º lugar, à frente de Giulio Borlenghi/Andrzej Lewandowski, que viram a Mercedes-AMG de Alexander Hrachowina/Martin Konrad dominar a subclasse Am do início ao fim da disputa.

Fernando Rees nem guiou: seu colega de Ombra Racing Damiano Fioravanti levou o Lamborghini Huracán #12 aos boxes após completar somente duas voltas. Thiago Marques também não teve muito o que fazer, já que a BMW que divide com Márcio Basso também ficou pelo caminho muito cedo.

Neste domingo, com 26 carros no grid já que o polonês Stanislav Jedlinski não alinhou com o carro #5 da Olimp Racing, Allam Khodair fez a pole position com o tempo de 1’42″316 – meio caminho andado rumo ao sucesso numa pista travada e de poucos pontos de ultrapassagem. O piloto da Drivex School superou o holandês Rik Breukers por 0″196. E não foi o único piloto brasileiro a ter bom desempenho na sessão classificatória, uma vez que Daniel Serra foi o terceiro mais veloz e Fernando Rees fez o sexto tempo.

Thiago Marques largou de 17º com o carro dividido com Márcio Basso, logo à frente da Mercedes-AMG de Cacá Bueno e Ricardo Baptista. Giulio Borlenghi viu o polonês Andrzej Lewandowski alcançar a 22ª posição na tomada de tempos.

2018 37 2

O segundo ato do show foi em dupla: impecáveis neste domingo, Allam Khodair e Marcelo Hahn conquistaram um merecido triunfo, ganhando também entre os pilotos da subclasse Pro-Am (Foto: Fotospeedy)

E já no início da disputa com 60 minutos de duração, Khodair mostrou que não estava para brincadeiras. Tomou a ponta sem deixar brecha para Rik Breukers e dominou a corrida como quis em seu turno de pilotagem. O handicap na parada de box para a dupla do carro #16 foi favorável – eram apenas 65 segundos de tempo mínimo na troca de pilotos, com direito a reabastecimento e mudança de pneus, se a equipe achasse necessário.

Hahn assumiu o carro após o fim do ciclo e, mesmo com a pressão imposta pelo italiano Riccardo Agostini, não cometeu nenhum erro. E levou o carro #16 à primeira vitória da dupla na geral. “A nossa maior conquista em onze anos de parceria”, festejou Khodair nas redes sociais. Além de vencerem a disputa que teve 32 voltas em seu total, graças à entrada de um Safety Car logo no início, eles ganharam os pontos máximos na subclasse Pro-Am.

Não fosse por Hahn/Khodair, a corrida #2 do Hungaroring poderia ter tido um desfile de Lamborghinis nas quatro primeiras posições, já que a marca de Sant’Agata foi representada por quatro carros de segundo a quinto na classificação final. Além de Breukers/Agostini, a dupla Kang Ling/Edoardo Liberati fez um ótimo trabalho e foi ao pódio, seguidos por Fernando Rees/Damiano Fioravanti e pelo atual campeão Giovanni Venturini, que corre com o holandês Jeroen Mul.

Mesmo numa pista desfavorável à BMW, Andrés Saravia/Fran Rueda conquistaram um importante 6º posto, numa prova em que a Ferrari de Mikkel Mac Jensen/Ale Pier Guidi acabou de fora, faltando oito voltas para o final. Aliás, a Luzich Racing não teve muito o que comemorar, já que Daniel Serra/Marco Cioci, após um bom início com o brasileiro a bordo, perderam terreno quando o italiano assumiu e chegaram somente em décimo-primeiro, sem direito a ponto algum, portanto. Quem salvou o dia do time de Michael Luzich foi a dupla Michele Rugolo/Alexander West, que chegou em sétimo lugar – segundo na Pro-Am.

Enquanto Thiago Marques foi tirado da pista e da disputa pelo Lamborghini do eslovaco Zdeno Mikulasko (o que significa que Márcio Basso desta vez foi quem nem andou), Giulio Borlenghi e o parceiro Andrzej Lewandowski tiveram mais sorte e competência. Chegaram ao final em 17º na geral e venceram mais uma vez na classe Am, superando os portugueses Antônio Coimbra/Luis Silva e os vencedores da véspera, Alexander Hrachowina/Martin Konrad. Já Cacá Bueno/Ricardo Baptista foram de novo discretíssimos, completando a disputa em 15º e em oitavo na Pro-Am.

Após oito rodadas, a classificação do campeonato do International GT Open ainda aponta Mikkel Mac Jensen como o líder da geral com 72 pontos, dez à frente de Andrés Saravia/Fran Rueda. O melhor brasileiro é Fernando Rees, 9º colocado com 37, enquanto Marcelo Hahn subiu para 12º, com 26. Allam Khodair e Nicolas Costa somam – ambos – 21 pontos. Daniel Serra sai do Hungaroring com 15 e Allan Hellmeister segue com cinco.

Na Pro-Am, o panorama traz Miguel Ramos/Fabrizio Crestani ainda no comando com 51 pontos, três a mais que Valentin Pierburg/Tom Onslow-Cole. A vitória de Marcelo Hahn neste domingo trouxe o piloto mais próximo da batalha pelo título, pois ele soma 45 e está em 3º lugar na subclasse. Allam Khodair está logo atrás com 33 e Alan Hellmeister soma 12, ocupando o nono posto.

Por fim, Giulio Borlenghi/Andrzej Lewandowski vão muito bem obrigado na classe Am: a dupla chegou a 50 pontos após a oitava corrida do ano, contra 43 de Miro Konôpka e 42 de Antônio Coimbra/Luis Silva e Martin Konrad/Alexander Hrachowina. Sem pontuar na Hungria, Márcio Basso/Thiago Marques desceram para sexto na classificação com 32 pontos.

A próxima rodada será em Silverstone, nos dias 1º e 2 de setembro.

1 comentário

  1. Rodrigo disse:

    Teve um pessoal que fez umas barbeiragem na corrida 1 e 2, tipo vídeo game, perdendo o brake point na primeira curva e acertando quem não tinha culpa, não sei se tiverem problemas, mas pareceu bem amador o erro. Legal ver o Daniel andando super bem em varias categorias internacionais esta no fluxo da boa fase.
    Marcelo Hahn parece um jogador de basquete, fez parecer que o Allam Khodair estava no lugar mais pódio hahahaha, deu pra notar bem a diferença de pilotos na pro am, Khodair deixou o carro pro Marcelo com 11 segundos de vantagem para o segundo colocado e com pouco mais de 23min de pro final, na ultima volta a vantagem foi baixo de 2 segundos, belíssima vitória!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>