MENU

28 de setembro de 2018 - 17:43Rali

O bom filho à casa torna

1660045adf8cc6ac6851756880c102cf

RIO DE JANEIRO - Quase uma década após sua primeira passagem pela Citroën, que se estendeu de 2008 a 2011 no Mundial de Rali, o pentacampeão – e ainda em busca do hexa – Sébastien Ogier confirmou nesta sexta-feira um acordo para regressar à marca francesa na temporada de 2019 do WRC, deixando assim a equipe M-Sport Ford de Malcolm Wilson após somente duas temporadas.

“Estou particularmente entusiasmado com a ideia de enfrentar este novo desafio com a Citroën. Nunca esqueci o fato de ter sido esta equipe que me deu a oportunidade de passar ao Campeonato do Mundo”, disse o piloto.

“Vários elementos contaram na minha opção. Acho simpática a possibilidade de reencontrar pessoas com quem trabalhei bem no passado, e agora, passados alguns anos, entusiasmado com a perspectiva de enfrentar o desafio de tentar ser campeão com um terceiro construtor diferente. Não está ganho antecipadamente, cada coisa a seu tempo, mas tenho a convicção que o carro (o C3 WRC) tem o potencial certo e tenho uma grande confiança nas pessoas de Satory (sede da Citroën Racing)”, afirmou Ogier.

Pois é… a Citroën volta a investir pesado em busca de um domínio que lhe escapa há várias temporadas, desde a saída do xará de Ogier, Sébastien Loeb, das competições. Hoje, o construtor da terra da Bastilha amarga a pior posição entre os times de fábrica, levando uma surra de Toyota, Hyundai e M-Sport Ford.

A futura ex-equipe de Ogier passa a oferecer então uma interessante vaga que se escancara em aberto. Pilotos bons não faltam para ocupá-la. Resta saber quem.

Teemu Sunninen está confirmado porque tem contrato. O galês Elfyn Evans, a princípio, está fora. Na Autosport, David Evans fala em Kris Meeke. Mas até Mads Østberg e Craig Breen, que já trabalharam com Malcolm Wilson, estão no rol de possibilidades, embora tenham chances boas de permanecer onde estão.

E também restará saber quem dividirá a atenção de Ogier e seu fiel navegador Julien Ingrassia na equipe dirigida por Pierre Budar, assim que a temporada 2019 tiver início em janeiro com o Rali de Monte-Carlo.

2 comentários

  1. Junior Mena disse:

    David Evans é uma piada, sempre babando ovo do Kris Meeke, o maior batedor de carros da história. Fraco!

  2. Pedro Ribeiro disse:

    Ogier guia um absurdo, mas não sei quanto a voltar pra Citroén, a qualidade técnica da equipe não parece a mesma da época do Loeb. Eles tiveram Dani Sordo e o Hirvonen anteriormente e não tiveram performance suficiente pra bater a VW.

    Por outro lado, acho que o Malcolm Wilson comeu mosca em não segurar o Ogier mais um par de temporadas. Vamos ver agora o que acontece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>