MENU

11 de outubro de 2018 - 13:14Jornalismo

Isso não se faz…

43570841_10205437846303611_5521353146758070272_n

RIO DE JANEIRO - Reproduzo aqui no blog a coluna de Celso Itiberê n’O Globo de hoje.

É a última do jornalista na referida publicação. Trinta e nove anos depois, sai de cena um dos derradeiros, talvez o único espaço inteligente que ainda falava de automobilismo nos grandes jornalões.

Sim, sei que as publicações têm diminuído consideravelmente o espaço de esportes. Que no caso do Celso, de quem não tenho procuração pra falar ou defender, foi por contenção de custos, segundo comentou o Renato Maurício Prado, que em sua página do Facebook publicou o fim da coluna do Itiberê. Sei também que não foi o único que perdeu espaço.

Mas para o automobilismo é um golpe forte. Cada vez mais me resta a desesperança de que o Brasil caminha para a monocultura esportiva. Quando já dizem que o esporte a motor é de “nicho”, a saída da coluna do Celso de um veículo do tamanho de O Globo é uma munição e tanto para aqueles que tiram esse tipo de conclusão a que me referi neste parágrafo.

Fico pensando aqui se realmente tomei a decisão certa quando entrei na faculdade e queria ser jornalista esportivo especializado em automobilismo. Fico agora pensando se eu e outros na minha faixa etária, que estão aí para ter seu espaço e por ventura substituir nomes como Reginaldo Leme e Lito Cavalcanti que, com todo o respeito que merecem, já estão há um bom tempo na estrada, terão a oportunidade de mostrar o que sabem e o que valem em outros espaços midiáticos.

Ladeira abaixo para o jornalismo esportivo. Isso não se faz com um sujeito como o Celso Itiberê.

8 comentários

  1. Reinaldo Rodrigues disse:

    Além de um fã de automobilismo, sou fã também de suas posições perante a vida, seu gosto musical… entre outras coisas. Fico muito triste com o que vem acontecendo com o automobilismo nesse país e fico ainda mais triste vendo o que está acontecendo com o país.
    Gostaria de compartilhar contigo um texto que, obviamente não justifica, mas explica um pouco da loucura pela qual estamos passando.
    Não sei se você já leu, mas eu achei chocante e muito assustador!

    https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Eleicoes/Sua-tia-nao-e-fascista-ela-esta-sendo-manipulada-/60/41968

  2. Celso Ciamponi disse:

    O grande problema é que a rede globo como grande detentoras do esporte nacional para a TV, por motivo de $$$$$$$$$$$$$$$, vai valorizar só o futebol e como segundo motivo as pessoas estão cada vez menos lendo , tudo é por audio, veja o site Grande Prêmio, quase tudo em audio, mais pratico e mais fácil de se produzir e AS PESSOAS NÃO se cansam em ler as notícias, , é só ouvir, a que ponto a preguiça intelectual chegou

  3. Alvaro Ferreira disse:

    O seu texto diz tudo, Rodrigo. Nuvens negras não só sobre nosso esporte, nuvens negras sobre a inteligência nesse país.

  4. Alessandro Neri disse:

    E prossegue a agonia terminal do automobilismo e do jornalismo rumo à extinção inevitável e irreversível. Reflexo dos tempos em que vivemos. Tristes tempos em que vivemos.

  5. Marcelo Queiroga disse:

    Porra, quando eu viajava eu pedia ao meu pai para guardar o jornal de quinta e de segunda. Eu estava fora e minha mãe não lembrou de guardar… Sentirei muita falta, ele era o meu Guru. Sucesso Celso. Abs

  6. renato disse:

    Assisti a última corrida de F 1 de Abu Dabi. Lamento. acredito que muitos outros leitores também, não ter lido os comentários do Celso Itibere na última quinta feira como também os comentários pós corrida de amanhã, segunda feira, 26/11.
    Para quem gosta desse esporte é uma ausência. Espero que a reportagem usual diga algo mais que se tenha visto na TV.
    Pena que não haja outro periódico que possa suprir essa falta..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>