MENU

8 de novembro de 2018 - 17:09Fórmula Indy, Opinião

Não acredito

2018118102273_image_O

Esta é a reprodução do que poderia vir a ser uma suposta pista para a disputa de uma prova de Fórmula Indy no Rio de Janeiro, aproveitando a estrutura do Sambódromo. Eu não acredito que seja possível e vou explicar neste post

RIO DE JANEIRO - Quando nasci, Deus me deu crachá de carioca. Sei que não sou o moreno-surfista-bronzeado, mas nasci aqui e como tal, sei das dores e das delícias de ser carioca. Hoje, é muito mais doído do que delicioso ter nascido nesta cidade.

Vamos em frente: este nariz de cera é pra dizer que eu tenho suficiente PhD em Rio de Janeiro para não me deixar levar pelo papo de que a cidade e o país vão receber de volta a Fórmula Indy em 2020.

Liguem os pontos: 2020 é ano eleitoral. Marcelo Crivella, que faz gestão pavorosa como alcaide da outrora Cidade Maravilhosa, a ponto de fazer o escriba aqui engolir o ódio ao Eduardo Paes e votar nele em 2º turno contra o soturno Wilson Witzel, na disputa de governador do estado, já anunciou que concorre à reeleição. Ele quer ficar de bem com alguém de qualquer jeito – já que sua popularidade é próxima de zero e a maioria o detesta – e, num município e estado sem automobilismo e sem autódromo, quer engambelar a turma da velocidade com um pretenso projeto de pista.

Essa pista aproveitaria a já existente estrutura da Marquês de Sapucaí, como se vê na reprodução acima. O problema não é só esse. É a área pela qual a pista passaria. E que já não é muito suficiente para o próprio Carnaval: vou ao desfile do Grupo de Acesso desde 2013 e a cada ano que vejo é um puxadinho a mais que o outro ali na estrutura sonhada e concebida por Oscar Niemeyer por encomenda de Leonel Brizola e Darcy Ribeiro nos anos 1980.

Uma viagem no tempo: em 1938, na esteira do bota-abaixo do prefeito Pereira Passos, que conferiu no início do século passado uma nova cara ao Rio de Janeiro, o Estado Novo de Getúlio Vargas construiu a necessária via de ligação entre o Centro da Cidade e a Zona Norte. Em tempo recorde – três anos – mais de mil imóveis foram demolidos. A Praça Onze, como se conhecia, deixou de existir. Era por lá que aconteciam as grandes batalhas de confete e os embates de agremiações carnavalescas como os Fenianos e os Tenentes do Diabo.

Portanto, a Presidente Vargas existe desde 1941. E como sói, a via não seguiu a modernização necessária do Rio de Janeiro ao longo dos últimos anos. Se era larga na época em que foi idealizada e finalizada, hoje não atende à demanda de tráfego diário.

Além de tudo, a paisagem da via até a região do Sambódromo é sombria. Feia de doer. Só vai melhorar depois da Central do Brasil e do prédio onde era o Ministério da Guerra, com os inúmeros edifícios construídos até a altura da Igreja da Candelária.

Não dá pra imaginar um moderno Dallara de Fórmula Indy riscando o péssimo asfalto da capital fluminense e contornando uma curva tendo de fundo o “Balança Mas Não Cai”, a mais famosa cabeça de porco do Rio de Janeiro. Como não dá pra conceber uma prova de automobilismo passando por ruelas do entorno do Sambódromo e tendo por perto os morros da Mineira, Providência, Turano e da Coroa, conhecidos pontos de conflito entre traficantes e policiais da cidade.

Então, meus caros… de boa intenção o inferno está cheio. É sempre bom desconfiar de políticos, ainda mais de Marcelo Crivella. Não acharia ruim a Fórmula Indy voltar ao Brasil e ao Rio de Janeiro, mas desde que houvesse viabilidade financeira e condições de se realizar um evento esportivo com dignidade. A própria IndyCar não aprendeu com a prefeitura de São Paulo e com a experiência no Anhembi? Pelo visto não…

E vai aqui a estocada final: se é pra se fazer corrida no Rio de Janeiro, que seja num autódromo de verdade – que existia até não faz muito tempo e depois os senhores Nuzman, Paes e Maia fizeram questão de destruir.

Mas nisso, ninguém fala… nem mesmo o sr. Crivella, não é mesmo?

9 comentários

  1. Kleber Nunes disse:

    Será que o prefeito carioca esqueceu de que o estado está quebrado ou ele vive em que mundo? E a Indy Car não esqueceu o prejuízo que teve quando correu em São Paulo e o mico que foi Brasília que infelizmente ficou sem autódromo? Esquece, Indy aqui só vai ter quando o país tiver jeito.

  2. E também que acontece que o contrato seria assinado em 2019, logo teria que ter uma correria desenfreada, para a corrida conseguiu caber no calendário em 2020 , com pelo menos noventa por cento das obras prontas,senão tudo, uma solução poderia tentar usar a pista do Aterro do Flamengo que foi proposta para Fórmula E, mas enquanto isso só nos resta agradar.

  3. Luiz disse:

    Rodrigo, não sei se você percebeu mas no site oficial da Indycar não faz nenhuma menção a tal corrida…

  4. Jorge Miranda disse:

    Essa corrida vai acontecer sim…
    Vai ter o trenó de papai Noel…
    Coelhinho da Páscoa…
    E o saci Pererê vai dar um show guiando uma Kombi…
    Há declaração do Crivella ???
    Quem é esse cara ?

  5. Gabriel Medina, O outro disse:

    Crivella, o prefeito do Rio de Janeiro que pediu para o carioca não beber no carnaval…

  6. Vinicius disse:

    Que ideia de jerico. É aquela piada, o Titanic afundando e os caras tocando violino…

    Torço para que a Indy volte ao Brasil, mas não desse jeito. Acho que, pelas características da categoria, o Autódromo de Goiânia, com algumas adequações pontuais, poderia receber a Indy muito bem, sem investimentos mirabolantes. O misto é um circuito com muitos pontos de ultrapassagem e uma pista larga, e há ainda a opção de usar o anel externo.

  7. ags disse:

    Bresil… 4 ever…
    gyn…vai ser dado como garantia ao Banco Central.. o estado deve tanto mais tanto..que se pegar uma calculadora Sharp…não cabe os números..
    RJ.. falido e mal pago.. se Cabral devolver os 275 milhões de dolebas.. e o estado pagar o que tem por obrigação..pode sobrar uma merreca pra um gp de formula elétrica com Chiquinho na agenda..
    RJ pode ser bonitinho..mas.. os políticos fuderam com o estado..deveria era mesmo um intervenção… esse crente crivella parece um esqueleto com remote control..
    Chega gente.. chega de sonhar.. vão trabalhar..

  8. Antonio Seabra disse:

    Quanto ao ultimo paragrafo: o Nuzman passou o vexame de ser preso e algemado em frente as câmeras, o Paes e o Maia acharam que a eleição tava no papo, mas não se reelegeram….me senti pelo menos 20% vingado pela destruição do autodromo !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>