MENU

3 de abril de 2019 - 22:25Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (439)

67a00b5c84c5a00fe83312e8adeea348

Trapizonga: Jim Hurtubise tentou – durante anos – classificar pela última vez um carro de motor dianteiro para a Indy 500, depois da última vez em 1968. Dez anos depois daquilo, deu um show (só que não…) no Bump Day

RIO DE JANEIRO - Jim Hurtubise entrou para a história e para o folclore das 500 Milhas de Indianápolis. E dos monopostos, também.

Em 1968, ele se tornou o último piloto a disputar a clássica prova dos EUA com um carro dotado de motor dianteiro – algo que a Fórmula 1 já abolira antes.

Mas o novaiorquino nascido em 1932 não se deu por vencido. E depois de classificar seu Mallard-Offenhauser pela última vez, ele ainda tentaria outras mais.

Querem uma amostra?

Com 10 aparições na Indy 500 e uma única vez na quadriculada, como 13º colocado, o já veterano Hurtubise, também conhecido como “Herk” (não me perguntem o motivo), insistiu em tentar qualificar seu Roadster noutras oportunidades.

Entre 1969 e 1971, lá estava ele engrossando a lista dos chamados “Fail to Qualify”. E a odisseia seguiu de 1976 pelos anos seguintes.

Mas vamos parar em 1978.

Naquela ocasião, o United States Auto Club (USAC) resolveu não permitir a tentativa do nosso bravo “Herk” em tentar colocar o Mallard-Offy no grid e assim quebrar um tabu que já durava 10 anos.

Os comissários jogaram pesado. Estipularam uma média mínima de 185 mph (297 km/h) para que Jim alcançasse e é evidente que não era possível. Embora tenha dito que chegara a 184 mph, nos treinos suas velocidades mal chegavam a 175 mph (280 km/h) – e estamos falando do ano em que pela primeira vez um carro de Indy superou 200 mph de média (321 km/h), no caso o de Tom Sneva, autor da pole position.

No Bump Day de 21 de maio, o grid estava quase completo: 32 carros já estavam classificados e faltava preencher uma vaga. Bob Harkey estava na linha para fazer suas quatro voltas e tentar a qualificação.

E Hurtubise resolveu dar seu show.

Criou tamanha quizumba que resolveu subir no monoposto de Harkey, ficando por lá uns bons 10 minutos, enquanto o chefe de comissários Tom Binford tratava de explicar à imprensa que o USAC não deu o selo de aprovação na vistoria ao Mallard-Offy, por considerar o bólido lento e obsoleto.

Quando foi convencido a sair de perto da confusão e as coisas pareciam se acalmar, “Herk” aprontou de novo. Enquanto o postulante à vaga no grid aquecia seu carro para suas quatro voltas de classificação, Hurtubise subiu na mureta de concreto da principal reta do circuito, pondo sua vida e a de outros em risco.

Igual naquelas brincadeiras babacas de adolescente, “Herk” foi perseguido por vários oficiais da prova (na pista de rolagem dos boxes, registre-se) e convencido a se retirar do recinto, uma vez que a polícia interveio. As vãs tentativas de Hurtubise em voltar ao grid de uma Indy 500 com um carro de motor dianteiro só seriam encerradas em 1981.

O piloto morreu em 1989 aos 56 anos, de infarto.

Em tempo: Bob Harkey não conseguiu vaga entre os 33 da Indy 500 de 1978, sendo eliminado do grid por Joe Saldana.

Há 41 anos, direto do túnel do tempo.

2 comentários

  1. Toni Righi disse:

    Excelente estória.
    Não tinha nem ideia da existência deste “bólido” com motor dianteiro.

  2. Jorge disse:

    Me lembrei do Nissan lmp1 de 2015…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>