“Marmelada de banana… bananada de goiaba… goiabada de marmelo…”

&

RIO DE JANEIRO – Existe um mal desnecessário para o automobilismo, criado por algum chefe de equipe num tempo distante e que, infelizmente, assola e inferniza o esporte: a troca proposital de posições, em benefício de uns e prejuízo de muitos.

Para prejuízo de muitos e da credibilidade de um campeonato, o Brasileiro de Gran Turismo vê o fim de sua temporada deste campeonato que acabou hoje em Interlagos manchado por uma das maiores patacoadas que já aconteceu nestas plagas.

178895_287840_gt_brasil__corrida__sabado__21_A BMW de Cacá Bueno/Cláudio Dahruj venceu a última corrida do campeonato e chegou a ser campeã por alguns metros. Mas uma troca duvidosa de posições entre a Ferrari F458 guiada no fim da disputa por Cláudio Ricci e a Mercedes SLS AMG GT3 de Duda Rosa proporcionou o título ao gaúcho e ao parceiro Cléber Faria.

178895_287842_gt_brasil__corrida__sabado__48_ (1)Apesar de serem carros preparados pela mesma equipe, a CRT, tanto a Mercedes quanto a Ferrari são marcas bem distintas e os interesses dos patrocinadores dos carros não são os mesmos. Pelo contrário: enquanto um carro é apoiado por um condomínio empresarial de São Paulo, outro tem como sponsor uma empresa de implantação e gestão de seringais.

O que ninguém parece querer esconder dentro da equipe CRT é que houve um favorecimento deslavado para a dupla da Mercedes, o que envergonhou alguns e indignou a muitos. Se Cláudio Ricci não tem “nada a declarar” (palavras do próprio), segundo se ouviu na coletiva de imprensa à qual eu não estava presente, mas sei que há testemunhas, Cacá Bueno deu na medalhinha e disse que sentia “vergonha” por ter feito parte da corrida.

Talvez a subida de produção das BMW Z4 GT3 no fim do campeonato, com a liberação de alguns ajustes que beneficiaram o desempenho dos carros do fabricante bávaro, tenha sido a gota d’água para esta atitude. Muitos também estranham e se incomodam porque o promotor do campeonato, Antonio Hermann, é também o dono da equipe BMW Team Brasil, gerida também por Washington Bezerra. Mas, se a memória não falha, se a equipe fosse total e realmente beneficiada por ser de quem comanda a categoria, seus carros não teriam sofrido desclassificações técnicas e desportivas e sequer seus pilotos teriam sido punidos com drive throughs por queima de largada ou irregularidades nos pits quando da troca de pilotos.

Será mesmo que um carro que tem 34 segundos de vantagem a cinco minutos do fim de uma corrida perde tanto rendimento a ponto de ser ultrapassado nas últimas voltas, sem oferecer a menor resistência? Como muitos, acreditei que a Ferrari enfrentasse algum problema de ordem técnica – freios, talvez. Mas acho que tudo isso não passou de puro teatro.

É disso que o automobilismo brasileiro precisa? Depois, não se queixem que determinados pilotos e equipes não disputam algumas categorias e que existam alguns insatisfeitos a ponto de “racharem” campeonatos. Afinal, que patrocinadores vão querer investir depois do que se viu em Interlagos?

O automobilismo brasileiro merece uma reflexão profunda em todos os sentidos. Ele é vítima dos seus próprios erros, da incompetência dos cartolas, da ganância de alguns inescrupulosos e da fraqueza da base que não revela absolutamente mais nenhum nome talentoso rumo ao exterior.

Não concordo com o que se viu e o que foi feito em Interlagos. A conquista dos campeões da classe GT3 é manchada por mais um episódio lamentável que só ajuda a minar um pouco mais a já combalida credibilidade – se é que existe alguma – do esporte neste país.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

33 Comentários

  • Não vejo motivos pra questionarem o “jogo” da CRT, já que os critérios de equilíbrio dos carros são amplamente questionáveis, mudanças durante o campeonato que favorecem equipes e que claramente beneficiam uma equipe. Nenhum patrocinador quer fazer parte disso, como já não faz. Com raras exceções, o automobilismo no Brasil continua a ser um esporte de milionários auto patrocinados, com egos inflamados e vaidade transbordando pelos autódromos.

    • Bla bla bla de sempre….
      O Regulamento do GT3 deste o início sempre preveu equalizações sempre que necessário. É Só ler..
      Quando eu leio certos comentários, chego a conclusão que o “público” também precisa evoluir. Esse “mi mi m”i de “esporte de milionários”, vaidades, egos, ohhh… etc pra mim soa como pura dor de cotovelo (alías mal de 90% dos brasileiros).
      Automobilismo nunca foi esporte de pobre. Cada um compete na categoria que o bolso comporta e se são milionários, não é da nossa conta . O que eu quero,como entusiasta é ver uma boa corrida e um bom espetáculo.
      Esta palhaçada que ocorreu em Interlagos vai com certeza fazer a BMW rever se vale a pena investir a sua imagem em um campeonato que é decidido desta forma.

  • nao e etico jogo de equipe nao e etico promotor dono de equipe este campeonato nao e serio.o ford gt que nao teve resultados relevantes a nivel internacional foi bi campeao brasileiro pela equipe do dono do campeonato.patacoada foi o aumento de rendimento da bmw nas ultimas etapas.no jogo da falta de etica infelizmente o campeonato esta em boas maos

    • Elisio, o Ford GT teve sim resultados relevantes lá fora. Vide o Europeu de GT3 e O ADAC. O que conta é o investimento e preparação, receita normal de equipe de ponta. Vide os pilotos que a equipe tinha na época que conquistou os titulos aqui… Ainda, nas vezes em que acompanhei as provas no box da equipe sempre tinha engenheiros da MATEC, a qual preparava os carros na europa. Descer a lenha é facil. A questão de promotor do campeonato participar, não vejo nada demais, pelo simples motivo: O tal promotor é ex-piloto e gosta de automobilismo, ao contrário de certos “iluminados” que não sabem ao menos construir uma chicane..

  • A Ferrari do Ricci já havia tido problemas nos freios em outras provas. Nao acho correto afirmar que foi marmelada sem as devidas provas cabais. Porem, caso positivo, a CRT nao fez mais do que e feito na categoria máxima (F-1) a muito tempo.

    Renato Contin

  • Recomendo assistirem a coletiva de imprensa após a corrida de sábado (link no final).

    Ficou claro o descontentamento dos outros competidores com relação as mudanças feitas na BMW Z4 GT3 nas duas últimas corridas, deixando o carro muito superior. Para as três equipes que subiram no pódio no sábado, a BMW não fez um bom trabalho ao longo do ano e os organizadores deram um jeito os colocarem na frente – segundo o Boni, estavam fora do regulamento FIA. Soma-se a isso ao toque do Dahurj na SLS, e aí vemos o motivo dessa ajudinha do Derani para que Duda Rosa e Cléber Faria pudessem ficar com o título; merecido, por sinal.

    http://www.youtube.com/watch?v=KmIA0PhKnY8

  • É complicado. Se por um lado é revoltante esse tipo de coisa por outro lado é coisa de equipe. É a mesma equipe que prepara os dois carros ? É normal esse tipo de coisa e sempre vai existir. Já faz tempo que o automobilismo brasileiro está afundado e não é por causa de atitudes dessas e sim por chefes de equipe, pilotos e dirigentes vaidosos demais.

  • Não se deve tomar partido em competição tipo Automobilismo.É sempre foi e será uma verdadeira PUTARIA.A regra é :Quem pode mais chora menos.Não gostou vai jogar BAFO.Eu gosto.

  • Precisa ver, Rodrigo, tem uma equipe na F1 que faz igualzinho! E sabe da melhor? Ao olho do público, o mesmo que está agora metendo o pau nesses caras, ta tudo bem! Mas como aconteceu em terras brasilis, é um absurdo, claro…

  • Cara tirou 7 segundos no braço e assim que ultrapassada a Ferrari apresentou problemas nos freios . Sei… Alguém ainda tem dúvida de quem é o melhor piloto de turismo do Brasil?

  • Era tudo o que precisávamos mesmo. O único campeonato brasileiro multimarcas além da FTruck que ainda tinha belos carros e boas disputas, manchado dessa forma… Triste…

  • No International GT Open aconteceu o mesmo este ano, com o Ferrari F458 do Bruni e do Leo a recuperar diversos segundos e ultrapassar dois… Ferrari F458, um da mesma AF Corse, que alegadamente teve problemas na última volta e outro da Kessel, tudo na última volta, para somar os pontos que precisava para garantir o título.

  • Acho engraçado alguém tentar justificar o que foi feito mencionando a Fórmula 1 como se a maioria não se indignasse com o que acontecesse por lá. Logo depois que as atitudes pouco éticas são assumidas por lá, não sinto a maioria dar de ombros como acontece aqui.

    Querem banalizar e simplificar as atitudes feias? OK, é um direito de cada um, até porque realmente jogo de equipe sempre existiu mesmo, e qualquer coisa dita em contrário soa hipócrita.

    De qualquer maneira, deixarei meu humilde conselho aos envolvidos: antes de praticarem atitudes maquiavélicas, pensem sob qual contexto estão agindo, e se o contexto envolve um país cuja credibilidade de seu automobilismo está em cheque há décadas, façam as coisas direito. Não deixem ninguém perceber, sejam bons atores, enfim. Do contrário, se as atuações continuarem mambembes a esse nível, quem pode mais e chora menos hoje, corre o risco de chorar muito amanhã por conta de a brincadeira chegar ao fim de vez.

    Depois, não adianta fazer biquinho…

  • No sabado as BM trocaram de posicao…foi liberado restritor e peso das BM sem explicacoes (sujeira) que na etapa de Cascavel provocou protesto de todos os pilotos e descontrole de seu gestor Herman. Se fosse jogada de equipe as Mercedes poderiam ter feito em Guapore, onde 105 venceu e 30 ficou em segundo, lembrando que os dois sao irmaos. A BMW levaria esse titulo na mao grande, com alteracoes inadequadas nos carros e troca de posicoes que foi feita no sabado..se nao tivessem trocado de posicao no sabado e a Mercedes 30 chegasse em terceiro ele continuaria com o titulo…ou seja: chupa BMW, perdeu o titulo que nao deveria ser dele…o jogo que a equipe do Herman fez no sabado a CRT fez no domingo…da mesma forma, porem eles sao fracos e nao conseguiram levar o titulo que nao deveria ser deles mexxxmo…. O que é do homem o bicho nao come!!!!

  • Honestamente… Vou me surpreender se ver Cacá Bueno no grid dessa maracutaia em 2013.

    São por essas e outras que o automobilismo brasileiro mingua… Vergonhoso. Lamentável.

  • Como não entendo muito do campeonato de GT, nem sabia desse lance dos carros (Ferrari e Mercedes) serem preparados pela mesma equipe (CRT). Vejo mais pelo visual dos carros pq acho as corridas bem chatinhas e confusas com 3 categorias correndo juntas.
    Mas durante a transmissão do Sportv, Lito comentou sobre problema de desgaste de pneus q era mais acentuado na Ferrari do q nos outros carros… Além do q as saídas de pistas q a Ferrari dava, parecia mesmo ser algum problema de pneu e/ou freio… Nem me passou pela cabeça um “jogo de equipe”.

    Mas se o “jogo” fez o Bueno perder, ta bom…

    • Um prazer Elisio. Estes carros já andavam bem quando estavam sendo guiados pelo Valter Salles/Rosset e Xandy Negrão/Matheis, Antes de irem para a equipe do Bezerra. O que aconteceu é que com a morte do dirigente da Matec, e encerramento no desenvolvimento do Ford GT, várias equipes migraram para outros modelos na Europa e infalivelmente, o Ford depois começou a ficar para trás, mas aqui ainda teve fôlego para levar mais um campeonato.
      Um grande abraço :)

      • Vendo este comentário lembro que além de tudo não tivemos nesta temporada os maravilhosos Ford GT…para quem não sabe, ainda é o modelo que mais venceu corridas da GT Brasil desde a criação do certame em 2007, Talvez, ao lado do Dodge Viper sejam os carros mais queridos, porque era nítida a torcida por eles…uma pena que os dois foram praticamente aposentados.

  • Hehe
    20/09/2010 — 18h22
    Cacá Bueno faz jogo de equipe com irmão e causa polêmica
    Redação Bonde

    Popó Bueno (74) fica à frente do irmão Cacá Bueno (0) na etapa de Campo Grande

    Os dez pilotos que integrarão a Super Final da Stock Car

    O Tricampeão Cacá Bueno (Red Bull Racing) deixou a disputa de lado na etapa de Campo Grande, que definiu os dez classificados para o playoff da Copa Stock Car, e ajudou seu irmão, Popó Bueno (A. Mattheis), a ficar entre os melhores para a Super Final. Apesar de estarem em times diferentes, ambos são comandados pelo chefe de equipe, Andreas Mattheis.

    Em certo momento da prova, Cacá estava à frente de seu irmão e, desta forma, o atual campeão da categoria questionou. “Se o Popó me passar ele tá no playoff então?!”. Em seguida, Mattheis respondeu: “Confirmado. Se o Popó chegar em quinto ele tá no playoff”. Após a resposta, Cacá abriu caminho para o irmão e segurou os demais pilotos para que Popó conquistasse a vaga.

    Próximo do final da etapa, Cacá ainda falou com Andreas sobre o desempenho do irmão. “Falta oito voltas para o final”, disse o chefe da equipe. “O Popó tem que apertar um pouco o ritmo”, declarou Cacá.

    O maior prejudicado foi Thiago Camilo (Ipiranga V. Motorsport) que ficou de fora da Super Final. “O Cacá, por várias vezes, se julga tão profissional e ter atitudes como esta mostra que não é bem assim”, desabafou o piloto.

  • GP do México, 1964. Com o abandono de Clark, as Ferraris de Bandini/Surtees estão e segundo e terceiro. Como o segundo lugar daria o título a Surtees, veio a ordem de equipe para Bandini deixá-lo passar.
    Esse lance de ordens de equipe e mais antigo que andar para frente. Em tempos antigos da F1, o primeiro piloto podia tomar o carro do segundo piloto no meio da corrida (vide Moss GP da Inglaterra 1957, liderando, carro quebra, vem para os boxes, pega outro carro, volta em nono, e ganha a corrida com a Vanwall)

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames