MENU

10 de janeiro de 2013 - 23:21Discos eternos, Vídeos

Discos eternos – Elis & Tom (1974)

elisRIO DE JANEIRO – Começava o ano de 1974 e André Midani, o dinâmico presidente da Philips do Brasil teve uma ideia simplesmente genial: comemorar os dez anos de carreira de Elis Regina, tida e havida desde aqueles tempos como a maior cantora do país, num disco que se antevia histórico. Principalmente por quem dividiria o álbum com a gaúcha: ninguém menos que Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim – o maestro soberano Tom Jobim, nome já consagradíssimo na música brasileira e internacional.

Aliás, é bom que se diga, Tom e Elis já tinham sido protagonistas de outro episódio – muito antes da gravação deste álbum. Elis, ainda em começo de carreira, fez testes para o papel do musical Pobre menina rica. Mas foi justamente vetada pelo próprio compositor para o papel, que ficou com Nara Leão.

“Ela ainda está cheirando a churrasco”, justificou Tom, vetando Elis.

Elis Regina passou por cima de tudo isso e foi convencida por seu empresário Roberto de Oliveira a abraçar o projeto de Midani. Até porque Tom Jobim era um dos poucos compositores a quem Elis tinha que tirar o chapéu. Sua admiração por ele era uma coisa rara em sua carreira.

E lá foi a cantora para Los Angeles, nos EUA, junto a Aloysio de Oliveira, que supervisionaria os trabalhos e os músicos – seu então marido Cesar Camargo Mariano, Luizão Maia, Hélio Delmiro, Paulo Braga e Chico Batera – que formariam por muito tempo o grupo de apoio de Elis, aos quais se juntaria Oscar Castro Neves, radicado por lá, para tocar violão em algumas faixas. A orquestra teria regência de Bill Hitchcock.

Não foi um álbum de fácil gestação. Elis era uma defensora ferrenha da modernidade do piano elétrico de Cesar Camargo Mariano e Tom Jobim, de uma escola mais erudita, queria que os arranjos fossem feitos pelo amigo de longa data Claus Ogerman. O maestro ficou de birra, Elis também e Aloysio de Oliveira, tentando conciliar, no meio – o que certamente rendeu ao veterano de guerras, egresso do Bando da Lua de Carmen Miranda nos tempos da Pequena Notável em Hollywood, mais fios de cabelos brancos. No fim das contas, Cesar Camargo Mariano foi o arranjador de 99% do disco, cabendo a Tom o arranjo de uma única faixa, “Modinha”.

Roberto Menescal, também compositor e na época diretor artístico da Philips, sabia de tudo o que se passava no processo de gravação do disco. De longe. Ele ligava todo dia para Aloysio de Oliveira para saber como ele se virava com Tom e Elis e ouvia como resposta. “É difícil, mas tudo bem.”

De Elis, Menesca ouviu o seguinte: “Está uma merda, não tem nada bom, o Tom é um babaca, um chato, reage contra os aparelhos eletrônicos, diz que vão desafinando e afinando não sei o quê, fazendo tipo, e a gravação está babaca, parecendo bossa nova.” Ele perguntou se não tinha saído nada e a cantora respondeu: “É, tem uma musiquinha boa”.

Aparadas as arestas, os trabalhos começaram e cada música de Elis & Tom saiu mais linda que a outra. O show começa com a versão – para mim – definitiva de “Águas de março”, em sensacional dueto – e vale ressaltar que a voz de Tom não era de um grande cantor. Ele compunha maravilhosamente bem, mas sua participação na faixa que abre o disco conferiu, além de tudo, credibilidade ao trabalho.

Daí em diante, Elis é a dona da bola. Suas interpretações de clássicos jobinianos como “Só tinha de ser com você” (com Aloysio de Oliveira) – no vídeo abaixo, “Corcovado”, “Retrato em branco e preto” (parceria com Chico Buarque e o poetinha Vinícius de Moraes), “Brigas, nunca mais”, “Fotografia”, “Chovendo na roseira” e “Inútil paisagem” são absolutamente definitivas.

Elis & Tom ganharia um especial na TV Bandeirantes, produzido em filme sob a supervisão do próprio Roberto de Oliveira e um vídeo histórico que celebrou o encontro destes dois grandes nomes da MPB, produzido para o Fantástico, da TV Globo, onde Elis e Tom cantam juntos “Águas de março” e o maestro toca flauta.

Em 2004, “Elis & Tom” foi remixado no Estúdios Trama pelo engenheiro Luis Paulo Serafim sob a supervisão de Cesar Camargo Mariano, a partir dos masters originais de 8 canais das sessões de gravação. O DVD Áudio, que roda em aparelhos de DVD vídeo, traz naturalmente uma mixagem em 5.1 e, como opção para aparelhos de CD, uma nova mixagem estereofônica, além de duas faixas bônus: “Fotografia”, em versão alternativa, e “Bonita”.

Ficha técnica de Elis & Tom
Selo: Philips/Polygram/Trama
Gravado em Los Angeles nos Estúdios MGM entre 22 de fevereiro e 9 de março de 1974
Produção de Aloysio de Oliveira (versão original) e de André Szajman, João Marcello Bôscoli e Cesar Camargo Mariano (na versão de 2004)
Tempo total: 37’46”

Músicas:

1. Águas de março (Tom Jobim)
2. Pois é (Tom Jobim/Chico Buarque)
3. Só tinha de ser com você (Tom Jobim/Aloysio de Oliveira)
4. Modinha (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
5. Triste (Tom Jobim)
6. Corcovado (Tom Jobim)
7. O que tinha de ser (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
8. Retrato em branco e preto (Tom Jobim/Vinícius de Moraes/Chico Buarque)
9. Brigas, nunca mais (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
10. Por toda minha vida (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
11. Fotografia (Tom Jobim)
12. Soneto de separação (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
13. Chovendo na roseira (Tom Jobim)
14. Inútil paisagem (Tom Jobim/Aloysio de Oliveira)

Faixas bônus na versão de 2004:

15. Fotografia [versão alternativa] (Tom Jobim)
16. Bonita (Tom Jobim)

3 comentários

  1. Meu amor, linda esta matéria. Como tudo que você faz. Tenho um orgulho enorme de poder estar ao seu lado, saboreando os seus conhecimentos e aprendendo cada dia mais. Continue assim… e muito sucesso prá você!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *