MENU

15 de janeiro de 2013 - 20:15FIA GT Series

FIA GT Series: um novo campeonato

RIO DE JANEIRO – Com nova roupagem para 2013, o FIA GT Series entrará nas pistas a partir de abril para substituir o FIA GT World Championship, cuja última temporada foi uma das mais fracas no aspecto técnico e competitivo. Será um campeonato mais enxuto que o último, com apenas seis rodadas duplas a se realizarem a partir de 1º de abril em Nogaro, com ênfase na Europa – França, Bélgica, Holanda, Eslováquia e Espanha – e uma corrida apenas no Oriente Médio. O Brasil, que fazia parte de um esboço de calendário, pelo visto foi descartado.

Mas a presença brasileira deverá acontecer em 2013. Antonio Hermann deixa a organização do Campeonato Brasileiro de Gran Turismo nas mãos de Walter Derani e muda-se com armas e bagagens para o FIA GT Series, com a equipe BMW Team Brasil e suas Z4 GT3 – numa consequência clara do que aconteceu no fim do Brasileiro de GT ano passado, onde a equipe de Hermann perdeu na última corrida o título para a CRT, ironicamente de Walter Derani.

O time de Hermann não será o único a representar a marca bávara: a Vita4One Racing Team, de Michael Bartels, também vai participar do campeonato com o modelo da marca de Munique.

E pelo menos um piloto do país está com presença assegurada – ou quase – no FIA GT Series: o gaúcho Matheus Stumpf deve disputar a competição no Ford GT da equipe Rodrive, que será preparado pela Lambda Performance, da Alemanha. Ele se dividiu ano passado entre o Iber GT e o Brasileiro de GT, onde correu pela equipe BMW.

A Audi será representada, até o momento, por três equipes: a Belgian Audi Club WRT, a Phoenix Racing da Alemanha e a Novadriver, equipe portuguesa capitaneada por César Campaniço. Existem conversações para que os espanhóis da Sunred também alinhem o modelo R8 LMS Ultra no campeonato.

Já a Sébastien Loeb Racing marcará presença representando a McLaren com seu MP4-12C GT3. O carro do construtor britânico deverá ser repartido entre Álvaro Parente e o próprio Sébastien Loeb. É possível que a Hexis Racing, de Philippe Dumas, também participe do FIA GT Series, mas isto ainda não foi confirmado.

A Reiter Engineering deve mais uma vez alinhar seus Lamborghini Gallardo LP600, enquanto a Heico-Gravity Charouz, da República Tcheca, vai representar a Mercedes-Benz e a ProSpeed Competition, da Bélgica, a Porsche. Até agora, nenhuma escuderia revelou intenções de correr com a Ferrari F458 no novo certame. Pode ser que a SOFREV Auto Sport, da França, acabe seduzida pela categoria e venha participar do FIA GT Series.

A ver.

21 comentários

  1. Ricardo Bifulco disse:

    Pois é Rodrigo, então o Tonico está fazendo justamente o que eu falei que faria no lugar dele: mudar a equipe para a Europa, pois pelo menos, pelas bandas de lá, eles levam o esporte a sério. O GT Brasil perde muito com isto, principalmente no que diz respeito à credibilidade. No primeiro ano em que tem-se uma equipe oficial de fábrica, fazem uma marmelada destas na última etapa. Era esperado que a BMW não continuasse depois disso.

    Agora não teremos mais a etapa Brasileira, mas pelo o que li, desde o começo foi uma chiadeira geral das equipes européias quando falaram em correr no Brasil. Para correr fora da Europa, eles preferiam a Argentina.

    Suspeito (infelizmente) que a GT Brasil agora entrou em uma descendente……sem volta.

    Como você diz, “Parabens aos envolvidos..”

    um abraço,

  2. Marcão disse:

    Sr Ricardo Bifulco.. Faço minhas as suas palavras:
    Que pena…..

  3. Fernando disse:

    Aposto que até março os organizadores anunciam que o GT Brasil não vai acontecer, pois depois daquela final em Interlagos muitos pilotos deixaram ou vão deixar o certame…no final das contas…vão ter o mesmo fim da já falecida Top Series…criada pelos ex-parceiros do Hermann.

    • Luis Silva disse:

      Eu na verdade acredito no contrário, com a saída do Hermann muita gente vai voltar, já que eles tinha bronca dele.

      • Fernando disse:

        Pode até ser…mas em 2012 foi nítida a queda de exposição e marketing da categoria se compararmos aos anos de 2010 e, principalmente 2011…sinceramente acho que mesmo que alguns pilotos ausentes tenham interesse em voltar a categoria precisaria novamente de um patrocinador master como era a Itaipava e dificilmente vai ter…

  4. Tio Ge disse:

    O modelo proposto é interessante, e com o fim da limitação de dois times por marca, fica menos complicado atrair times e atenção para o certame, além da presença do Loeb, que, por si só, já é um belo marketing. Segundo o site oficial, o intento é que o campeonato tenha as subdivisões pro, pro/am e jovens pilotos, mas, para isso ficar interessante, o grid precisaria dar uma “inchada”. Tbm segundo site, a equipe do Hermann, teoricamente, correria apenas com pilotos brasileiros, mas prefiro esperar para ver. A opção por corridas do tipo Sprint, por sua vez, nitidamente visa uma não concorrência com a excelente Blancpain Endurance Series, tbm organizada pela SRO, mas pode ser interessante.

    Enfim, o novo campeonato até parece ter potencial, mas depois do fiasco do Fia GT1, é melhor esperar pra ver no que dá.

    • Luis Silva disse:

      Os pilotos deveram ser brasileiros e todos tops. Sei que o Cacá é certeza. Tendo em vista que acham que o Matheus é considerado top lá e era mais lento que o Valdeno aqui e o Valdeno sempre tomou uns 2 decimos do Cacá aqui. A equipe já sai com meio segundo de Braço de vantagem.

      • Tio Ge disse:

        Talvez, não dá para afirmar isso categoricamente, já que será outra realidade: um regulamento que pouco se mexe ao longo do ano (quando se mexe…), outras equipes, outro nível técnico de pilotos, outras pistas… já imaginava que o Cacá faria parte do time (uma dupla dele com o Valdeno poderia até ser interessante), mas é difícil saber se ele e a equipe terão uma boa adaptação ao certame, se ela será rápida, ou mesmo se ela vai acontecer, por isso acabamos ficando no campo da especulação… mesmo pq não sabemos se eles vão optar por duplas pro ou pro/am.

        Da minha parte, sinceramente, espero que isso, de alguma forma, possa estimular o automobilismo nacional, embora não acredite muito nisso. De qualquer forma, ter ou não equipe ou pilotos brasileiros, pouco me importa, desde que as corridas sejam boas e divertidas de se assistir.

      • Renato Stumpf disse:

        De tanto só falar e fazer merda é que teu pai sumiu com vc da equipe mesmo….Matheus era mais lento que Valdeno…kkkk nas tomadas de tempo até podia ser já que raramente passava pneus novos…..mas e nas corridas quem era mais lento….sempre entregando “já batido” para o Valdeno….aí vc comenta que não chega nem aos pés das duplas da BMW… menos, bem menos, pois devemos chegar bem perto das canelas… veremos

  5. Mefistófeles disse:

    Quem fez marmelada foi o Antonio Hermann, mudando as regras no meio do campeonato, todos os outros carros eram FIA, conforme depoimento de vários pilotos, só as BMW que passaram a não ser, e aí o carro começou a andar na frente. Também não é ético ser dono de equipe e organizador do campeonato, coisa que os Giaffone fazem bem pois fabricam os stock pela JL e nenhum piloto da família corre na categoria. Acho que a BMW foi muito mal representada aqui no Brasil. As Mil Milhas de Interlagos, Hermann comprou o direito do nome, fez a corrida largar de dia, só correram carros importados, ingressos carríssimos, pouco público e consegiu acabar com a corrida. Não fará falta sua ausencia, agora vai levar pau na Europa, pois lá não vai poder mudar regulamento a hora que quiser como fez aqui.
    Alías todos na midia só souberam atacar os pilotos que tiraram os dois títulos da GT3 e GT4 na pista, sem bater, como Hermann e seus Asseclas fizeram nas 2 corridas. Ninguém consegiu enxergar a verdade, ou se conseguiu, calou o bico.

    • Luis Silva disse:

      Pelo menos lá na Europa os Carros estão dentro do regulamento. Ao contrário daqui que o motores eram preparados e a CBA não tinha condições de verificar ser estavam ou não dentro do regulamento.

      • Mefistófeles disse:

        Aqui, todos estavam dentro do regulamento antes da marmelada de Hermann & Asseclas, o que ele mudou foi o peso mínimo que foi aliviado, e mapeamento da injeção de combustível feito na fábrica BMW da Europa, que também participu da citada Camarilha. A CBA tem sim como verificar tudo, existe Comissário Técnico para equipamento e basta contratar um Preparador e ou Oficina competentes como Perito Certificado para as devidas vistorias.

      • Luis Silva disse:

        Eu não sei o que você tem contra uma equipe que já foi inúmeras vezes campeã brasileira de divisão 3, Stock Car e GT3. Não acredito que o Sr. WB vá fazer feio na Europa. Acredito que são grandes as chances de serem campões e calarem de vez a boca de invejosos como você.

  6. Mefistófeles disse:

    Repare que são duas coisas distintas: Dono de Equipe A. Hermann e WB Whashington Bezerra preparador técnico contratado. Não tenho nada contra o WB, nem citei ele.
    Também não existe notícia de que WB vá para a Europa ser o preparador da equipe. Preste mais atenção antes de comentar!

  7. Mefistófeles disse:

    Caro Luis Silva não é correto me ofender, não tenho Inveja nem motivo para ter, e ninguém vai calar minha boca, muito menos voce, pois tudo que disse é verdade. Aqui tem de ter um mínimo de educação, coisa que voce não tem

    • rmb37 disse:

      Caros amigos, por favor, tenham calma ao fazer seus comentários. Moderem o tom e evitem, por favor, ofenderem-se uns aos outros. O espaço é democrático e, portanto, respeitem a opinião alheia. Cada um diz o que quer – desde que não seja com ofensas, ok?
      Obrigado.

  8. Mefistófeles disse:

    Obrigado, Abraço!

  9. Fernando disse:

    Rodrigo, sabemos que muita coisa só deve ser definida no início de fevereiro, mas por acaso você saberia dizer se algum canal fechado irá transmitir as 6 corridas? Se sim, qual? No ano passado a transmissão foi do Bandsports para as corridas de domingo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *