MENU

31 de julho de 2013 - 14:18Túnel do Tempo

Direto do túnel do tempo (112)

RIO DE JANEIRO – O blog hoje lembra de um piloto italiano que infelizmente perdeu a vida aqui no Brasil, em 1971. O italiano Giovanni Salvati foi a primeira vítima fatal do Autódromo de Tarumã, no Rio Grande do Sul.

Giovanni_Salvati

Nascido em Castellamare di Stabia, em 2 de novembro de 1941, Salvati foi o vencedor do prêmio Casco d’Oro da revista italiana Autosprint como o melhor piloto do ano de 1970. Foi o campeão italiano de Fórmula 3 com um chassi Tecno e disputou também provas no continente europeu e na América do Sul, no primeiro Torneio Internacional de F-3, vencido por Wilsinho Fittipaldi. No mesmo ano, ganhou o GP da Loteria de Fórmula 2, em Monza, ao volante de um Tecno-Pederzani.

Em 1971, prestes a completar 30 anos, assinou um contrato com a Abarth para fazer o desenvolvimento dos protótipos do construtor italiano e, ao mesmo tempo, fechou com a Scuderia Ala d’Oro para fazer o Europeu de Fórmula 2 com um March 712M de motor Cosworth.

Com esse carro, Salvati foi 2º colocado no GP Shell em Imola, atrás de José Carlos Pace, o Moco, batendo grandes cobras da própria F-2 e da F-1, feito Wilsinho, seu irmão Emerson, o francês François Cévert e o argentino Carlos Reutemann.

GIOVANNI SALVATI- MARCH 712 (F2) TARUMÃ, 1971

O italiano veio ao Brasil mais uma vez no fim do ano, para a disputa do 1º Torneio Brasileiro de Fórmula 2, uma das muitas competições internacionais que sedimentaram a vinda da Fórmula 1 ao país, graças ao empenho de Antonio Carlos Scavone, morto num acidente de avião anos depois.

Com um March da equipe de Aquilino Branca, Salvati disputou as duas primeiras rodadas em Interlagos, obtendo um 5º posto na primeira prova e abandonando a segunda. Seu desempenho chamou a atenção de Graham Hill, que segundo consta, o indicou para ser seu futuro companheiro na Brabham, no Mundial de Fórmula 1 de 1972.

Entretanto, Salvati não realizaria o sonho. Em 14 de novembro, durante a disputa da 3ª prova do Torneio Brasileiro, no recém-inaugurado Autódromo de Tarumã, Salvati vinha em 5º lugar atrás de Wilsinho Fittipaldi e tentou ultrapassar o brasileiro ao fim da reta dos boxes, quando o italiano saiu mais largo da trajetória da curva 1, perdeu o ponto de tangência e entrou reto, de frente, no guard-rail.

Salvatti002

A força do impacto fez o March de Salvati atravessar as lâminas da barreira de proteção e, segundo consta, o piloto foi degolado. Dias após seu 30º aniversário, Giovanni Salvati saiu da vida e entrou – infelizmente – para a história.

Em sua homenagem, a curva 1 de Tarumã passou a se chamar curva Salvati. E em 1973, foi criada uma equipe de formação de jovens talentos do automobilismo italiano rumo à Fórmula 1, a Scuderia Salvati. Um dos revelados por ela foi Michele Alboreto.

Há 42 anos, direto do túnel do tempo.

Compartilhar

6 comentários

  1. disse:

    Em Interlagos ele foi desonesto comigo, mas coisas de corrida, quase fui tirar satisfações. Ainda bem que me contive, pois em Tarumã aquele acidente trágico. Luizinho contando da F2.

  2. Renzo Ruschioni disse:

    Acompanhei a corrida de Interlagos e o Salvati andou muito….
    Pena que faleceu prematuramente,e não pode mostrar o seu verdadeiro valor….

  3. Lino Ramalheira disse:

    eu o vi correr, com futuro promissor, uma pena piloto aguerrido

  4. Adriano disse:

    Ho letto solo adesso questo articolo, e volevo ringraziare il blog per averlo ricordato.
    Io ed un gruppo di amici, dopo la disgrazia, decidemmo di fondare una scuderia con il suo nome, per aiutare quei ragazzi che volevano iniziare a correre e non sapevano come fare, Utilizzando le esperienze fatte da Giovanni, siamo riusciti ad aiutare tanti giovani ad entrare nel mondo delle corse, E ancora adesso il nome di Giovanni Salvati e’ menzionato nelle corse automobilistiche. Grazie a tutti !

  5. Misericórdia!
    Ótimo trabalho Mattar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *