MENU

14 de setembro de 2013 - 03:0230 anos do bi, Fórmula 1

30 anos do bi, parte II – GP dos EUA-Oeste de 1983

RIO DE JANEIRO – Após a vitória em Jacarepaguá, diante de sua torcida, Nelson Piquet partiu com moral e a liderança do campeonato para a 2ª etapa do campeonato. O Grande Prêmio dos Estados Unidos-Oeste, a ser disputado em Long Beach no dia 27 de março, seria um teste de resistência para carros e pilotos,  além de uma excelente oportunidade para as equipes que usavam o tradicional Ford Cosworth derrotarem o poderio dos modelos turbocomprimidos.

Alan Jones (74)

Entre os 28 inscritos, uma novidade: a volta do campeão mundial de 1980, Alan Jones, pela Arrows. Grotescamente gordo e afastado do automobilismo por dois anos, o australiano levava o patrocínio da Valvoline para esta etapa. A Lotus inscrevia mais uma vez dois carros diferentes: o 93T para Elio de Angelis e o 92 com motor Cosworth para Nigel Mansell. E a Renault pôs enfim na pista o modelo RE40 para Alain Prost. Eddie Cheever continuou com o RE30C.

Treinos

Nos treinos oficiais, uma surpresa: pela primeira vez na carreira, Patrick Tambay conquistou uma pole position. E logo com a Ferrari Turbo, conseguindo uma impressionante vantagem sobre seu companheiro de equipe. Tambay fez o tempo de 1’26″117 contra 1’26″935 de René Arnoux. Keke Rosberg, pole em Jacarepaguá, fez o 3º melhor tempo, com Jacques Laffite num ótimo quarto posto. Elio de Angelis e Derek Warwick fecharam os seis mais rápidos.

Para Nelson Piquet, o treino classificatório foi um pesadelo. O vencedor em Jacarepaguá, que nunca escondeu odiar correr em circuitos de rua, não foi além da 20ª posição. Pior que ele, só Mauro Baldi, a dupla da McLaren com John Watson adiante de Niki Lauda, Manfred Winkelhock, Eliseo Salazar e Raul Boesel. Além de Corrado Fabi e Pier Carlo Ghinzani, que não conseguiram lugar no grid.

Corrida

??

A corrida foi quentíssima desde o início. Tambay tomou partido da pole e assumiu a liderança. Laffite fez uma ótima largada, passou Rosberg e foi pra segundo. Michele Alboreto foi outro que partiu muito bem: de sétimo para quarto, à frente de René Arnoux e Danny Sullivan. Nelson Piquet passou a primeira volta em 23º e Raul Boesel, em último.

Logo na segunda volta, Rosberg botou “ordem na casa”. Passou Laffite e foi ao encalço de Patrick Tambay. E na ânsia de assumir a liderança, rodou de forma espetacular, num 360º impressionante. Na altura da 20ª volta, com os primeiros problemas e as primeiras desistências, a classificação apresentava Tambay na frente, com Rosberg, Laffite, Alboreto, Jean-Pierre Jarier e Riccardo Patrese como os seis melhores. Piquet melhorava, andando em 16º com Boesel em 18º.

Na 26ª volta, o panorama da corrida virou pelo avesso. Rosberg tentou uma manobra kamikaze de ultrapassagem sobre Patrick Tambay e os dois bateram, abandonando a disputa. A liderança caiu no colo de Jacques Laffite, trazendo Jarier (que logo se acidentaria) em segundo e Riccardo Patrese em terceiro. Atrás deles, Marc Surer… Niki Lauda… e John Watson, em fulgurante exibição da dupla da McLaren.

??

Na 33ª volta, Watson – já em quarto – inverteu posições com o companheiro de equipe e foi “buscar” a Brabham de Patrese, superada dez passagens depois. Lauda não se fez de rogado e também ultrapassou o italiano. Totalmente à vontade na pista californiana, os dois faziam uma exibição de gala, algo incrível para quem – como eles – saíra do fim do pelotão. E Jacques Laffite sucumbiria na 45ª volta, quando o irlandês vice-campeão mundial em 1982 assumiria definitivamente a liderança.

Piquet seguia em nono, quando de repente perdeu o controle do Brabham graças ao acelerador travado em seu carro e saiu por uma área de escape. O brasileiro achou melhor desistir e a corrida tinha com 52 voltas o seguinte panorama: Watson líder, com Lauda em segundo, Patrese em terceiro, Laffite em quarto, Johnny Cecotto num surpreendente 5º posto e Eddie Cheever em sexto.

83US-B012

No fim da corrida, com as McLaren fazendo uma incrível dobradinha, o show foi todo de René Arnoux. Em nove voltas, o francês da Ferrari subiu do sexto ao terceiro lugar, conquistando uma vaga no pódio. Riccardo Patrese, que tinha a posição garantida, enfrentou problemas em sua Brabham e ficou pelo caminho.

johnny-cecotto-theodore-racing-n183-1983

Laffite, Surer e Cecotto ganharam as posições e marcaram pontos em Long Beach. Raul Boesel chegou ao final com valentia e quase foi aos pontos: foi sétimo.

83US-C141

Mas o que entrou mesmo para a história foi o fato do vencedor ter saído da 22ª posição do grid e o segundo, da 23ª. John Watson e Niki Lauda fizeram a dobradinha, o austríaco assumiu a liderança do campeonato e o irlandês conquistou nos EUA a sua quinta – e última – vitória na Fórmula 1.

O resultado final do GP dos EUA-Oeste:

1. John Watson (McLaren MP4/1C Cosworth) – 75 voltas em 1h53min34s889, média de 129,753 km/h
2. Niki Lauda (McLaren MP4/1C Cosworth) – a 27s993
3. René Arnoux (Ferrari 126C2B Turbo) – a 1min13s638
4. Jacques Laffite (Williams FW08C Cosworth) – a 1 volta
5. Marc Surer (Arrows A6 Cosworth) – a 1 volta
6. Johnny Cecotto (Theodore N183 Cosworth) – a 1 volta
7. Raul Boesel (Ligier JS21 Cosworth) – a 2 voltas
8. Danny Sullivan (Tyrrell 011 Cosworth) – a 2 voltas
9. Michele Alboreto (Tyrrell 011 Cosworth) – a 2 voltas
10. Riccardo Patrese (Brabham BT52 BMW Turbo) – a 3 voltas (*)
11. Alain Prost (Renault RE40 Turbo) – a 3 voltas
12. Nigel Mansell (Lotus 92 Cosworth) – a 3 voltas
13. Eddie Cheever (Renault RE30C Turbo) – AB/67 voltas/caixa de marchas
14. Alan Jones (Arrows A6 Cosworth) – AB/58 voltas/suspensão
15. Nelson Piquet (Brabham BT52 BMW Turbo) – AB/51 voltas/acelerador preso
16. Andrea de Cesaris (Alfa Romeo 183T Turbo) – AB/48 voltas/caixa de marchas
17. Elio de Angelis (Lotus 93T Renault Turbo) – AB/29 voltas/quebra de roda
18. Roberto Guerrero (Theodore N183 Cosworth) – AB/27 voltas/caixa de marchas
19. Jean-Pierre Jarier (Ligier JS21 Cosworth) – AB/26 voltas/acidente
20. Bruno Giacomelli (Toleman TG183B Hart Turbo) – AB/26 voltas/bateria
21. Mauro Baldi (Alfa Romeo 183T Turbo) – AB/26 voltas/acelerador
22. Patrick Tambay (Ferrari 126C2B Turbo) – AB/25 voltas/acidente
23. Keke Rosberg (Williams FW08C Cosworth) – AB/25 voltas/acidente
24. Eliseo Salazar (RAM March 01 Cosworth) – AB/25 voltas/caixa de marchas
25. Derek Warwick (Toleman TG183B Hart Turbo) – AB/11 voltas/acidente
26. Manfred Winkelhock (ATS D6 BMW Turbo) – AB/3 voltas/acidente

(*) abandonou por quebra de motor, mas recebeu classificação ao final da prova

Compartilhar

5 comentários

  1. Rafael moura disse:

    A rodada do rosberg foi espetacular

  2. Wallace Michel disse:

    Essa pista de Long Beach, com o traçado desta época, faz uma falta à F1.

  3. FontesL93 disse:

    Rodrigo, muito interessante este “review”. Parabéns. Se não for pedir muito (imagino o trabalho que seja fazer cada um destes posts), acho que seria interessante ter a classificação atualizada após as corridas.

    Abs.

  4. Fernando Lima disse:

    Dá para ver que o clima era outro…parece que era mais espontâneo…menos “mecânico” quando vemos uma imagem como esta última do pódio…os pilotos eram diferentes também…realmente os melhores guiavam na F1…e hoje a F1 está igual a maioria das categorias do automobilismo…o dinheiro prevalece sobre o talento…um piloto com mais dinheiro consegue a vaga sobre um outro mais talentoso…tomara que um dia resgate este espírito, assim quem sabe voltarei a acompanhar.

  5. Racing Fan disse:

    Eu era feliz e não sabia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *