Viper pode virar opção no WEC em 2015

V

phpThumb_generated_thumbnailjpg

RIO DE JANEIRO – A escassez de carros disponíveis no mercado para a classe LMGTE-PRO pode criar uma situação interessante para o ano que vem. Projetando a expansão do seu investimento no esporte a motor, mesmo com toda a crise que norteia o mercado e o mundo em geral, a Dodge – que absorveu a SRT Motorsports – quer colocar o Viper GTS-R no Mundial de Endurance (WEC) em 2015.

O site da revista estadunidense Racer é quem conta a novidade. Mesmo com a ausência dos carros que primeiro foram convidados para as 24 Horas de Le Mans e depois fizeram forfait, a diretora de marketing e operações do motorsport da Chrysler, Beth Paretta, esteve na França acompanhando a corrida. “Tivemos algumas reuniões muito proveitosas na última semana. Estamos avaliando as nossas estratégias”, afirmou a executiva.

De acordo com a matéria da Racer, a Chrysler está inclinada a ceder carros para equipes semi-oficiais no WEC em 2015 pelo esquema de leasing, no qual o carro é cedido pronto e a equipe que optar por alinhar o Viper no Mundial de Endurance cuida da parte técnica, com alguma assistência do fabricante.

No Tudor United SportsCar Championship, a oposição é bem mais forte: no certame estadunidense, a Dodge se defronta com Porsche, Corvette, BMW e Ferrari. E, desde já, a torcida é grande para que possamos ver a “Víbora” com seu imenso motor 8 litros V10 no Mundial do próximo ano.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

20 Comentários

  • O que vinha pegando era a questão das limitações técnicas impostas por regulamento, como, por exemplo, a capacidade cúbica dos motores. Espero que isso se resolva e possamos voltar a ver esse monstro nas pistas mundo afora, desde que não seja “enforcado”, como fizeram com a versão anterior do Corvette.

  • Ola, nos tempos de GT Brasil, eu gostava muitíssimo de carros como Porsche, Lamborghini e Ford GT, mas meu favoritíssimo sempre foi o Dodge Viper, ainda que velho perante os modelos novos, e seu ronco inconfundível, seu “narigão”. Se a “víbora” ingressar no mundial de endurance será tão importante quanto o retorno da Porsche aos protótipos.

    • Tanto a Z4 tem que corre no Tudor United SportsCar Championship. Só não corre no Mundial porque a BMW não quer. Audi e Mercedes não fazem modelos homologados para a GT2/GTE. Só para a GT3.

  • Os Vipers disputaram as 24 Horas de Le Mans em 2013, certo? Qual foi a colocação final em sua classe?

    É verdade que correram boatos de a Corvette Racing disputaria o FIA WEC esse ano? E para 2015, vai disputar o certame ou ficar só no Tudor United SportsCar Championship?

    • Não foram bem porque o BoP de Le Mans ferrou os Vipers e os Vettes.

      Sim, correram boatos fortes de que haveria pelo menos um C7-R no WEC. Sabia-se até quem seriam os pilotos. Mas não houve acordo.

  • Seja lá como for torço pela presença das “Víboras” e dos “Trovões Amarelos” no FIA WEC em 2015. Ouvir o ronco do motorzão v8, é como música para os meus ouvidos. XD

  • Uma coisa que me intrigou foi o ronco desses Vipers em Le Mans. Fiquei decepcionado. Em comparação com os outros carros, os Vippers e as Ferraris pareciam ter ronco de areromodelo.

    Fui ver a corrida ano passado (agora posso morrer feliz) e 2 coisas da corrida em si me encantaram: O silêncio fantasmagórico dos Audis e o ronco “ogro” dos Corvettes. Primeiro pensei que esse ronco ogro fosse dos Vipers, por causa da cilindrada, mas quando vi os carros passarem pelas arquibancadas vi que eram os Corvettes que estremeciam tudo quando passavam.

    • Alexandre, muito possivelmente o ronco foi estrangulado pela limitação de entrada de ar dos motores 8 litros, que tiveram que atuar muito restritos, uma vez que a cilindrada máxima hoje, para a LMGTE, é de 5,5 litros.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames