MENU

21 de setembro de 2014 - 02:02Mundial de Endurance

Audi vence de novo e bota fogo no WEC

ByBsI_3IAAAvwEX

A corrida deste sábado teve de tudo, inclusive esta maravilhosa imagem de duas Ferrari “navegando” debaixo d’água na hora do temporal que assolou o COTA, em Austin

RIO DE JANEIRO – Por mais de uma vez escrevi nas diferentes versões do A Mil Por Hora nos últimos anos: a Audi sabe tudo desse negócio de Endurance – e mais um pouco. Pois mesmo com um equipamento tido como inferior frente às rivais Toyota e Porsche, os “Quatrargólicos”, como costuma dizer o Flavio Gomes ou os “Senhores dos Anéis”, como costumo descrevê-los, venceram mais uma no FIA WEC.

A disputa das 6h de Austin, no Circuit Of The Americas (COTA), com direito a chegada noturna, teve de tudo: sol forte na hora da largada, calor arrasador de mais de 35ºC, alta umidade, um temporal de filme de pirata, bandeira vermelha e Safety Car. Ingredientes que temperam uma corrida deste gênero como ela merece e que fazem o campeonato pegar fogo.

ByB1OiwCMAAWcVe

Em mais uma grande corrida a bordo do Audi #1, Lucas Di Grassi segue na briga pelo título; o brasileiro é o 3º no Mundial de Pilotos do WEC

Muito se temeu por um domínio da Toyota após as acachapantes vitórias em Silverstone – corrida na qual a Audi só teve problemas e em Spa, onde os “Corollões” voaram baixo. Mas veio mais uma tunda que os japoneses levaram em Sarthe e hoje, em Austin, eles não sabiam onde enfiar a cara. Apesar da ótima performance de Sébastien Buemi a bordo do #8, ele não conseguiu evitar o triunfo – o segundo seguido, aliás – de Marcel Fässler/Andre Lotterer/Bénoit Tréluyer. E nem a dobradinha germânica, pois Lucas Di Grassi/Tom Kristensen/Loïc Duval chegaram em segundo – com ótima atuação de Lucas no seu turno final de pilotagem.

ByB7kLfCMAEnMQT

A vitória do Audi #2 coloca tempero no campeonato – foi o segundo triunfo seguido de Fässler, Lotterer e Tréluyer neste ano

A vitória do trio do #2 reabre a luta pelo título, pois eles vão para 85 pontos contra 96 da tripulação do #8 que ainda tem, além de Buemi, o britânico Anthony Davidson e o francês Nicolas Lapierre. Di Grassi e Tom Kristensen estão em 3º lugar, com 72 pontos.

Neste sábado, as três principais marcas da LMP1 com carros híbridos lideraram, mas de novo a Porsche fracassou. Falta de potência no fim da disputa relegou o #14 ao quarto lugar final, enquanto o #20 foi uma das principais vítimas da chuva, batendo numa proteção de pneus. O trio deste carro fechou a prova em quinto.

Na LMP1-L, a Rebellion Racing não teve nenhuma dificuldade em obter o 7º posto geral e mais uma vitória, com Nick Heidfeld/Nicolas Prost/Mathias Beche. O outro carro do time helvético ficou pelo caminho e a boa surpresa foi que, mesmo ainda muito lento em relação aos rivais, o Lotus P1/01 com motor AER Turbo ainda salvou o 15º posto na geral. O carro #9 acabou ironicamente nove voltas atrás do seu mais direto rival na pista.

A classe LMP2 teve muitas surpresas. A começar que o favorito Ligier JS P2 Nissan da G-Drive Racing sucumbiu diante de pequenos problemas e acabou em quarto. Mesmo com uma enorme trapalhada do japonês Tsugio Matsuda durante a disputa, o Oreca 03R da KCMG Racing levou a melhor na divisão e conquistou sua primeira vitória no campeonato, para alegria dos parceiros do nipônico, os britânicos Matt Howson e Richard Bradley.

A SMP Racing obteve um importante 2º posto com Nicolas Minassian/Maurizio Mediani/Sergey Zlobin- resultado que deixa este último como líder isolado entre os pilotos da classe com 95 pontos. E em terceiro veio o HPD ARX-03b da Extreme Speed Motorsports, na estreia do time estadunidense no WEC. Alguém duvida que Ed Brown gostou tanto da brincadeira que um de seus carros vai disputar o Mundial do ano que vem na LMP2?

Dagys_-2014_315598

Primeira e maiúscula vitória para Darren Turner/Stefan Mücke e para a Aston Martin Racing na LMGTE-PRO

Na divisão LMGTE-PRO, a luta pela vitória foi bastante apertada em grande parte da disputa, mas no fim da prova prevaleceu o Aston Martin Vantage de Stefan Mücke/Darren Turner, num pódio com três construtore diferentes: o Porsche de Patrick Pilet/Fréderic Makowiecki abocanhou o segundo posto e Gimmi Bruni/Toni Vilander acabaram em terceiro.

Contudo, a vitória não foi o suficiente para a dupla do #97 se aproximar do primeiro lugar no campeonato: Bruni/Vilander lideram com folga. A dupla da AF Corse soma 105 pontos e caminha célere para o título antecipado.

O brasileiro Fernando Rees e seus parceiros Alex MacDowall e Darryl O’Young não conseguiram o resultado que seguramente esperavam. Além de se envolverem num contato com a Ferrari da Krohn Racing, Rees passou mal durante um de seus turnos de pilotagem. Teve queda de pressão arterial e baixou ambulatório. A trinca do #99 acabou em 6º lugar na classe, à frente do Corvette C7-R, que não teve uma estreia das mais auspiciosas no Mundial de Endurance.

A Aston faturou também o primeiro lugar na LMGTE-AM, graças a Pedro Lamy/Paul Dalla Lana/Christoffer Nygaard. E levou também a segunda posição, graças a David Heinemeier-Hänsson/Kristian Poulsen/Richie Stanaway. Os 18 pontos somados em Austin deixam Poulsen e DHH no comando da classificação, com 111 unidades após quatro provas disputadas. O pódio ainda foi completado pela tripulação do #88 da Proton Competition, formada por Klaus Bachler/Christian Ried/Khaled Al Qubaisi.

6 comentários

  1. Eder disse:

    a toyota, que alguns consideram ter uma asa traseira irregular, ao estilo drs, pode terminar o campeonato de maos abanando…

  2. Fernando Lima disse:

    Gostaria de ver a Porsche vencendo na LMP1, mas parece que ainda falta algo para o carro. De qualquer forma foi excelente para o campeonato. Os japoneses começaram imbatíveis mas agora a Audi “empatou” o jogo depois de estar perdendo por 2 x 0. Na LMP2, se a Extreme Speed resolver migrar para o mundial, ótimo para o WEC…e azar do TUSCC.

  3. Leonardo disse:

    A diferença de andamento para os Toyota chega a ser vergonhosa para a Audi. Já foi assim em Le mans e agora em Austin, eles só venceram por causa de problemas dos japoneses. Precisam melhorar o ritmo urgentemente.

  4. geraldo101 disse:

    No começo da prova, parecia que a Toyota ia sobrar, enquanto os dois Audis e os dois Porsches vinham em excelente disputa, com os quatro carros trocando tinta. Torço pela Toyota, quero que acabe a hegemonia da Audi, até para estimular esta e aumentar ainda mais o nível do campeonato no ano que vem, mas o que o Rodrigo falou é fato: ninguém entende de endurance como eles, e isso faz diferença, pois eles conseguem ler nuances da competição muito antes dos rivais. O resultado equilibrou o campeonato, mas ainda acredito no título da equipe nipônica. No entanto, uma virada por parte da Audi, abusando da estratégia, já não me parece mais algo tão absurdo.

Deixe uma resposta para Nick Nagano Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *