MENU

1 de outubro de 2014 - 17:2940 anos do bi, Fórmula 1

40 anos do bi, parte XI – GP da Alemanha de 1974

246a

Capa da revista de programação do GP da Alemanha, também chamado de GP da Europa. Notem a ilustração, ainda remetendo aos anos 60…

RIO DE JANEIRO – O 11º desafio da temporada de 1974 do Campeonato Mundial de Fórmula 1, em tempos que não havia revezamento de autódromos para a disputa do GP da Alemanha, aconteceria no lendário Nordscheleife, o Inferno Verde de Nürburgring. Com 22,835 km de extensão e 183 curvas, a pista era o maior desafio do esporte e a falta de segurança era um dos pontos mais falhos de um circuito verdadeiramente espetacular sob todos os aspectos.

E espetacular também era a luta pela liderança no Mundial de Pilotos: quatro pilotos estavam separados por somente três pontos quando a comitiva da categoria chegou em terras germânicas. Niki Lauda era o líder com 38 pontos. Emerson Fittipaldi somava 37 e, empatados em terceiro lugar, estavam Jody Scheckter, que tinha duas vitórias e Clay Regazzoni, que ainda estava em branco no placar de triunfos naquele ano. A disputa prometia e não era pouco.

A corrida daquele ano, também batizada de GP da Europa, trazia 32 pilotos na lista prévia de inscritos, com novidades – o que não era nada incomum naquele campeonato. Oriundo da Fórmula 2, o francês Jacques Laffite, de 30 anos, chegava à Williams para assumir o cockpit do Iso-Marlboro #21. Manfred Mohr, piloto da casa, foi indicado para tentar classificar um Brabham BT42 da Scuderia Finotto, mas teve sua inscrição rejeitada. Chris Amon reapareceu com o Amon AF101, mas ficou doente e teve que ceder, durante os treinos oficiais, o cockpit do #30 para o novato australiano Larry Perkins. Por fim, Ian Ashley foi inscrito a bordo do Token RJ02.

Com 31 carros para 25 vagas, o grid logo perdeu um carro – que talvez não fizesse muita diferença. O Maki F101 de Howden Ganley foi destruído numa batida e o neozelandês precisou ser hospitalizado. Ronnie Peterson também acidentou-se e quase ficou de fora. E na qualificação, Niki Lauda foi de novo absoluto: mais uma pole position para o #12 da Ferrari, com o tempo de 7’00″8, média de 195,356 km/h, superando o companheiro de equipe Clay Regazzoni por três décimos de segundo.

mt

Emerson foi excelente nos treinos, mas sua corrida durou somente duas voltas

Emerson Fittipaldi foi muito bem: fez o terceiro tempo, com 7’02″3, um segundo e um décimo melhor que o sul-africano Jody Scheckter, da Tyrrell. Patrick Depailler e Carlos Reutemann fecharam a terceira fila. Na pista do primeiro grande resultado alcançado na Fórmula 1, José Carlos Pace ficou em 17º com a Brabham.

No treino de aquecimento, Emerson teve um pequeno percalço. Mesmo andando no circuito curto, o brasileiro não conseguiu experimentar o carro direito em decorrência de uma falha numa vela, que fez o motor de sua McLaren funcionar em sete cilindros. Mau presságio?

1974 German GP at Nurburgring

Na largada, Regazzoni e Scheckter saem na frente; Lauda caíra para terceiro e depois bateria; lá atrás, Emerson ficava parado até ser abalroado pela McLaren de Hulme…

Pois quando a bandeira foi baixada, o caos reinou na largada do GP da Alemanha. Emerson ficou paradão, paradão com sua McLaren M23 e levou um tremendo porrão por trás do carro do próprio companheiro de equipe Denny Hulme, que partira de sétimo, na quarta fila. Com o carro destruído, o neozelandês não teve dúvida: foi aos boxes, trocou de carro e partiu. Mais tarde, acabaria desclassificado. Emerson caiu para último e abandonou após duas voltas, com a suspensão traseira do #5 irremediavelmente danificada.

O Rato não foi o único dos líderes do campeonato a se dar mal: logo após a largada, Niki Lauda se acidentou com sua Ferrari, destruindo o carro nas telas de proteção. Quem ficou muito feliz com tudo isso foi Clay Regazzoni, que disparou na dianteira, seguido por Scheckter, Carlos Reutemann, Jochen Mass (em excelente largada, vindo de décimo), Ronnie Peterson e Patrick Depailler.

PETERSON LOTUS 76 NURBURGRING 74

Com um “mix” de Lotus 76/72E, Ronnie Peterson deu show no Ring; foi o melhor piloto do GP da Alemanha de 1974

Correndo a bordo de um tremendo “Frankenstein”, pois Colin Chapman reconstruíra seu carro acidentado tendo como base o cockpit da Lotus 76 com a dianteira da Lotus 72E, Peterson teve uma de suas melhores atuações no ano. O “Sueco Voador” acabou por roubar o quarto posto de Mass e logo depois, Ickx, que se livrara de Depailler após um acidente do francês, fez o mesmo. Mas Ronnie rodou na sequência da manobra e baixou para sétimo.

Formula One World Championship

Em sua segunda corrida com o BT44, Moco chegou em 12º lugar

Naquela altura, José Carlos Pace tivera problemas com um furo de pneu em sua Brabham, que o fez despencar de 13º para vigésimo. Na metade da corrida, com os abandonos, Moco já estava em décimo-sétimo. Depois, ele conseguiria superar alguns adversários para terminar a prova num frustrante 12º lugar.

Jochen Mass, em ótima prova, mantinha as esperanças de conquistar pelo menos um pontinho e acabar com o jejum do Team Surtees, que não marcava nada desde o GP do Brasil com Pace. Mas o motor do carro estourou quando o alemão vinha em quinto. Foi a gota d’água para o piloto, que também pediu o boné e saiu da equipe de “Big John”.

Mike-Hailwood-incidente-nurburgring-1973

Este acidente acabou com a carreira de Mike “The Bike” Hailwood na Fórmula 1

Na 13ª passagem, Mike “The Bike” Hailwood, que herdara a posição de Mass, perdeu o controle de sua McLaren e destruiu a M23 #33 num guard-rail. O piloto foi diagnosticado com várias fraturas nas pernas e teve que abreviar sua participação na temporada da Fórmula 1. Acabou hospitalizado nas proximidades de Adenau, no mesmo quarto em que já estava Howden Ganley.

alemanha748

De ponta a ponta, Rega venceu e se tornou o novo líder do campeonato

Regazzoni dominou sem ser incomodado as 14 voltas do GP da Alemanha e venceu com 50 segundos para Jody Scheckter, que por três décimos quebrou o recorde da pista, pertencente a José Carlos Pace. Não obstante, o piloto da Ferrari assumiu a liderança do campeonato com 44 pontos e o sul-africano chegou ao segundo posto na classificação, com 41. Um prejuízo tremendo para Lauda e Emerson…

1974_german_grand_prix_podium_by_f1_history-d5fcgwy

Tudo azul: Scheckter, Rega e Reutemann no pódio do GP da Alemanha; o suíço, troféu na mão e coroa de louros no pescoço, sorri com seu basto e característico bigode

Carlos Reutemann voltou ao pódio desde a vitória alcançada em Kyalami, com a terceira posição. Peterson, em feroz recuperação, roubou o quarto posto de Jacky Ickx na última volta. E Tom Pryce, em sua quarta aparição na F1, marcou seu primeiro ponto pela Shadow.

Próxima parada: Áustria.

O resultado final:

1º Clay Regazzoni (Ferrari), 14 voltas em 1h41min35seg, média de 188,824 km/h
2º Jody Scheckter (Tyrrell), a 50seg7
3º Carlos Reutemann (Brabham), a 1min23seg3
4º Ronnie Peterson (Lotus), a 1min24seg2
5º Jacky Ickx (Lotus), a 1min25seg
6º Tom Pryce (Shadow), a 2min18seg1
7º Hans-Joachim Stuck (March), a 2min58seg7
8º Jean-Pierre Jarier (Shadow), a 3min25seg9
9º Graham Hill (Embassy-Lola), a 3min26seg4
10º Henri Pescarolo (BRM), a 4min17seg7
11º Derek Bell (Surtees), a 5min17seg7
12º José Carlos Pace (Brabham), a 6min26seg3
13º Vittorio Brambilla (March), a 8min43seg1
14º Ian Ashley (Token), a uma volta

Não completaram:

15º Mike Hailwood (McLaren), 12 voltas (acidente)
16º James Hunt (Hesketh), 10 voltas (câmbio)
17º Jochen Mass (Surtees), 10 voltas (motor)
18º Patrick Depailler (Tyrrell), 5 voltas (acidente)
19º Arturo Merzario (Iso-Marlboro), 5 voltas (acelerador)
20º Jean-Pierre Beltoise (BRM), 4 voltas (sistema de combustível)
21º Vern Schuppan (Ensign), 4 voltas (câmbio)
22º Emerson Fittipaldi (McLaren), 2 voltas (suspensão)
23º Jacques Laffite (Iso-Marlboro), 2 voltas (suspensão)
24º John Watson (Brabham), 1 volta (acidente)
25º Niki Lauda (Ferrari), não completou a primeira volta (acidente)

Desclassificado:

Denny Hulme (McLaren), por troca de carro

Volta mais rápida: Jody Scheckter, na 11ª – 7’11″1, média de 190,689 km/h

Compartilhar

5 comentários

  1. Juan Castro disse:

    Caaaaaara, maluco, essa foto da Lotus no Karousel é linda demais!!! Tem em alta resolução?

  2. Juan Castro disse:

    Ah, e a propósito, você quer dizer DIANTEIRA de 72E, né não?

  3. Luis Michielin disse:

    Esse Australiano, Larry Perkins, foi um dos grandes pilotos e donos de quipe da V8 Supercars. Teve equipe até 2008, a perkins engineering, quando vendeu seus equipamentos pros irmãos Kelly para formarem a kelly racing, que hoje corre com os Nissans Altima. Seu Filho, Jack Perkins corre na atual formação da V8, num Ford Falcon com a preparação da FPR. Sei também que foi um grande piloto de monopostos, mas não sei o suficiente pra dizer…espero ter contribuido…

    Excelente texto, como sempre, Rodrigo;
    Estamos na contagem final para o campeonato de 74;
    Grande Abraço!

  4. Pedro Migão disse:

    3 décimos de segundo de diferença em uma pista de 22 quilômetros. Impressionante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *