MENU

16 de março de 2015 - 15:31Equipes Históricas, Fórmula 1

Equipes históricas – Tyrrell, parte XVII

4057 (620×345)

Stefan Johansson fez uma aparição relâmpago pela Tyrrell no GP do Brasil de 1985

RIO DE JANEIRO – Desfeito o mal-entendido decorrente da falcatrua de 1984, quando a FIA eliminou a equipe do Campeonato Mundial de Fórmula 1, a Tyrrell regressou para a temporada seguinte – adivinhem? – ainda usando os motores Ford Cosworth V8. Aí já não era meramente um problema financeiro. Era pura teimosia do velho Ken, mesmo.

Turrão como ele só, o dono da equipe desentendeu-se com Stefan Bellof acerca da renovação do contrato, que acabou suspenso. Sem condições de contar com o alemão no início do campeonato, Ken Tyrrell chamou Stefan Johansson para assumir o carro #4 no GP do Brasil em Jacarepaguá. O sueco estava por aqui, mesmo sem equipe, curtindo um sol para renovar o bronzeado.  A Toleman, pela qual competira nas provas finais do ano anterior, teoricamente seria a melhor opção para o nórdico, mas a equipe estava sem pneus desde o seu velho imbróglio com a Pirelli. A Michelin debandara da categoria e a Goodyear não tinha condições de suprir o time com uma cota de fornecimento.

A bordo dos velhos Tyrrell 012, Martin Brundle e Johansson ficaram a mais de oito segundos do tempo da pole position de Michele Alboreto – e ainda foram melhores que a Osella de Pier Carlo Ghinzani, o Spirit Hart de Mauro Baldi e a estreante Minardi, com Pier Luigi Martini também num carro de motor Cosworth. Devagar e sempre, quase que Johansson chegou nos pontos: foi 7º colocado, com Brundle em oitavo.

Captura-de-Tela-2014-05-03-às-15.25.06

Mesmo com o aerofólio dianteiro quebrado em sua Tyrrell, Bellof regressou com o 6º lugar no GP de Portugal, debaixo de uma chuvarada

O problema entre a equipe e Stefan Bellof foi resolvido e o alemão voltou para o GP de Portugal, duas semanas após o GP do Brasil. Sob um dilúvio, o piloto mostrou a mesma habilidade já exibida em Mônaco e conseguiu um brilhante 6º lugar num carro já ultrapassado. Brundle abandonou na 20ª volta com problemas de câmbio. Em Imola, no GP de San Marino, o único carro turbo que ficou atrás dos dois Tyrrell foi o Spirit Hart de Mauro Baldi. Naquela oportunidade, Brundle chegou em nono – e olha que três pilotos à sua frente ficaram pelo caminho com falta de combustível e Alain Prost foi desclassificado. O motor do carro de Bellof quebrou.

Em Monte-Carlo, o alemão não conseguiu repetir a performance do ano anterior. Com o 22º tempo, batido por Pier Carlo Ghinzani e superado por Teo Fabi, que conduzia o único Toleman no regresso desta equipe, acabou de fora por 0″275. Brundle, que ficara de fora um ano antes, conseguiu a 18ª posição no grid e chegou em décimo, quatro voltas atrasado. Com o adiamento do GP da Bélgica, cuja corrida foi cancelada em razão das péssimas condições do asfalto em Spa-Francorchamps, provocando o remarcamento deste evento para setembro, o GP do Canadá foi o quinto do calendário. Mais uma vez com os carros mais lentos do grid, exceção feita ao Minardi de Martini, Bellof e Brundle se limitaram apenas a levar seus 012 até o final: chegaram em 11º e 12º, respectivamente.

gp_eua_1985_002

Brundle vinha bem em Detroit no GP dos EUA, mas havia um Alliot no meio do caminho…

No circuito urbano de Detroit, a Tyrrell teria uma boa chance de chegar à zona de pontuação mais uma vez. Seria a despedida do motor Ford Cosworth V8 pelo menos no carro de Brundle, pois Ken Tyrrell rendera-se às evidências e a partir do GP da França, em Paul Ricard, sua equipe passaria ao rol de clientes da Renault. O novo carro – o modelo 014, mais uma vez desenhado por Brian Lisles sob a supervisão de Maurice Philippe – estava quase pronto.

bellof1985detroit12

Mesmo sem toda a seção dianteira de sua Tyrrell 012, Stefan Bellof chegou ao fim do GP dos EUA com um brilhante 4º lugar

E a atuação dos dois pilotos da equipe britânica foi bastante positiva no GP dos EUA. Rapidamente, Brundle e Bellof ganharam posições e o britânico vinha em quarto quando se envolveu numa colisão com a RAM Hart de Philippe Alliot, que vinha em último – três voltas atrasado, diga-se. O alemão herdou a posição do companheiro de equipe e mesmo sem a carenagem da seção dianteira de seu 012, fez uma grande corrida e chegou em 4º lugar.

A estreia do novo Tyrrell 014, primeiro carro da equipe com motor turbo, não foi das mais auspiciosas, mas serviu para mostrar que não dava mais para o Cosworth: 21º no grid, Brundle foi quatro segundos mais rápido que Bellof, que largou de último e ainda chegou em 13º lugar, três voltas atrás do vencedor Nelson Piquet. O que tirou Brundle da disputa não foi o motor e sim o câmbio.

img527yy5

Brundle foi o primeiro piloto do Tyrrell Renault Turbo 014

Em Silverstone, palco do GP da Inglaterra, um vexame absoluto do Tyrrell Cosworth: onze segundos pior que a pole position e 7″354 mais lento que a Tyrrell Renault de Brundle, que quase beliscou um pontinho com o 7º posto. Bellof, devagar e sempre, chegou em 11º. Na Alemanha, seria dele a vez de andar no Tyrrell Renault enquanto o segundo chassi não ficasse pronto.

Diante de sua torcida, até que Bellof fez uma boa corrida. Chegou em 8º lugar enquanto Brundle, penúltimo do grid, foi o décimo. Na Áustria, com 27 pilotos e 26 vagas, não houve jeito e o britânico ficou de fora da disputa. Bellof largou em 22º e vinha em sétimo quando um defeito em seu carro o fez desistir na última volta. A Tyrrell enfim conseguiu aprontar o segundo chassi do 014 e os dois pilotos foram “turbinados” pela primeira e única vez no GP da Holanda. Brundle chegou em sétimo na ocasião e o motor deixou Bellof na mão na 39ª volta.

bellof02-03814662_thumb

Assim ficou o Porsche de Stefan Bellof após o acidente fatal nos 1000 km de Spa em 1985. O piloto alemão tinha apenas 27 anos

Foi sua corrida derradeira na Fórmula 1, pois em 1º de setembro, durante a disputa dos 1000 km de Spa-Francorchamps, válidos pelo World Sportscar Championship – do qual era o campeão – o piloto alemão envolveu-se num acidente com Jacky Ickx na subida da curva Eau Rouge. Houve incêndio, mas a violência do impacto foi o que matou Bellof. Ele tinha apenas 27 anos e um futuro promissor pela frente. Diziam até que a Ferrari estava de olho nele, o que nunca foi confirmado.

O fato é que com a perda de um de seus pilotos, Ken Tyrrell pediu para que Martin Brundle não aceitasse – pelo menos até o fim do ano – os convites da TWR para competir, como já fizera em algumas provas, com o novo Jaguar XJR-6, temendo perder seu outro contratado. O receio tinha fundamento: além da morte de Bellof, o WSC também foi marcado pelo acidente fatal de Manfred Winkelhock nos 1000 km de Mosport, no Canadá.

tumblr_nfplnghIEY1s0rjbno1_1280

Oriundo da F3000 e com apenas 22 anos, o novato italiano Ivan Capelli pegou o rabo de foguete que foi estrear pela Tyrrell no GP da Europa, em Brands Hatch. Inclusive com o patrocinador pessoal de Stefan Bellof no aerofólio de seu carro

A Tyrrell optou por não substituir Bellof imediatamente e enviou apenas um único carro para as corridas seguintes na Itália e Bélgica. Em Monza, Brundle foi o 8º colocado e na pista de Spa, debaixo de chuva no início e com a pista secando no final, o britânico chegou em décimo-terceiro. A equipe esperou até o GP da Europa para anunciar o novo piloto para as corridas finais: egresso da Fórmula 3000, o italiano Ivan Capelli, então com 22 anos apenas, foi jogado às feras no circuito de Brands Hatch.

Como era de se esperar, o novato enfrentou muitas dificuldades. Após um sem-número de rodadas em todos os treinos, no afã de buscar o limite do carro, o italiano conseguiu apenas o 24º tempo, oito posições atrás de Martin Brundle. Ele vinha em penúltimo entre 17 pilotos quando bateu e seu carro pegou fogo após o acidente. Já o companheiro de equipe perdeu uma grande chance de somar pontos naquele ano, quando seu carro teve um problema com a tubulação de água e Brundle vinha em sétimo.

A penúltima etapa de um campeonato já decidido em favor de Alain Prost desde a corrida de Brands Hatch seria o GP da África do Sul, em Kyalami. Houve muitas pressões dos órgãos humanitários e governamentais, de diversos países: o regime de apartheid atingia os maiores índices de intolerância e o clima era insuportável. A corrida, que fecharia o campeonato de 1985, foi antecipada para 16 de outubro e duas equipes pelo menos boicotaram o evento: Renault e Ligier.

philippestreiff

Philippe Streiff acertou para guiar na África do Sul e fechou um acordo com Ken Tyrrell válido pelos dois anos seguintes

Esta última contava com Philippe Streiff desde o GP da Itália, quando passou a ocupar o lugar que era de Andrea de Cesaris no carro #25 do time do velho Guy. Mas para a África, o francês se ofereceu para guiar o Tyrrell 014 vago com a morte de Bellof e a ausência de Ivan Capelli, marcado pelas trapalhadas no GP da Europa. O bem-bolado rendeu inclusive um acordo para que o piloto ingressasse na equipe para a temporada seguinte, em 1986.

A Fórmula 1, claro, não se rendeu aos apelos humanitários e correu assim mesmo em Kyalami, com 20 carros na largada. A participação de Streiff acabou em acidente, na 16ª volta. E Brundle chegou em sétimo. Para a última corrida do ano, a estreia do GP da Austrália e do circuito de Adelaide, Philippe regressaria à Ligier e assim a Tyrrell chamou o desastrado Capelli para guiar na etapa final da temporada.

schot7

Surpresa: em seu segundo GP, Capelli chegou em 4º lugar

E não é que o novato teve bom desempenho? Mesmo largando em 22º entre 25 pilotos, o italiano conservou seu carro na pista, fez a décima-segunda volta mais rápida em ritmo de corrida e conseguiu um excelente 4º lugar, igualando o melhor resultado da equipe no ano. Brundle teve uma série de problemas e perdeu 33 voltas em relação ao vencedor Keke Rosberg. O britânico usou a corrida da Austrália como treino e não foi classificado ao fim da disputa.

Assim terminou aquela que, exceção feita a 1984, era a pior temporada da história da Tyrrell. A equipe fechou o Mundial de Construtores em 9º e último lugar entre as que pontuaram, mas num ano até certo ponto digno. Afinal, várias escuderias sequer terminaram com pelo menos um carro entre os seis primeiros – e isto incluiu até a Alfa Romeo.

No próximo post, vamos ver como foi a primeira – e única – temporada completa da equipe na F-1 com motores turbocomprimidos.

Compartilhar

1 comentário

  1. Wallace Michel disse:

    Queria saber a razão da equipe ficar tão desorganizada assim nos anos 1980. Virou uma espécie de Dale Coyne da F1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *