MENU

3 de março de 2015 - 16:29Fórmula 1

Mistério…

20152221242124__MG_4166 copia_II

RIO DE JANEIRO - A notícia da ausência de Fernando Alonso na abertura do Mundial de Fórmula 1 no GP da Austrália, daqui a menos de duas semanas, não pegou ninguém de surpresa. O que me incomodou – e a muita gente, com certeza – é o mistério que cercava tudo o que aconteceu ao piloto da McLaren na primeira bateria de testes realizada em Barcelona e as histórias que vêm à tona justamente após a confirmação de que o asturiano só vai reestrear na equipe de Ron Dennis em Sepang, na Malásia. Na abertura do campeonato, estará o dinamarquês Kevin Magnussen, que era o piloto titular ano passado.

Pergunto: pra que acobertar os fatos?

A FIA, tão preocupada com cores de capacete, não abre uma sindicância para apurar as causas da saída de pista do espanhol por quais motivos? Por que Dennis não contou a verdade quando convocou uma entrevista coletiva recentemente?

A ausência de fatos e informações concretas nos últimos dias deu lugar a uma série de ilações e muita gente tomou a palavra e se considerou no direito de falar o que quisesse. O ex-piloto René Arnoux “desconfia” que Alonso passou mal e teve um problema físico. Mas o próprio Fernando teria revelado a uma rede italiana de televisão que levou um choque nas costas. Outro ex-piloto da F1, o italiano Fabrizio Barbazza, em 27 de fevereiro último, deu sua versão sobre a história – antes da confissão de Alonso à Sky.

“Alonso levou um choque de 600W, com consequências graves. Ele teve problemas de visão e obstrução temporária de veias no cérebro”, revelou.

Ou seja, a história da “rajada de vento” foi um paliativo bem besta – no qual, aliás, eu nunca acreditei – para acobertar uma história bem mais séria, que poderia ter inclusive dado um fim à carreira de Fernando Alonso.

“Concussão”… sei, McLaren, sei… conta outra!

Tem boi nessa linha. E que boi!

14 comentários

  1. André Fonseca disse:

    Então as coisas para a Mclaren Honda estão mais complicadas do que todos já esperavam, pq o carro estava com a luz indicativa liberando o “manuseio” do carro, o que com o piloto dentro do cockpit deveria ser obrigatório…

    Se nem uma luz os caras conseguem colocar para funcionar direito, imagina um carro competitivo!!!

    HE HE

  2. Pdr Rms disse:

    Depois de o termo ser tao aplicado a outros carros ao longo da história da categoria, acho que pela primeira vez a expressão “Cadeira Elétrica” poderá ser aplicada a um carro de F1 no seu sentido literal.

  3. Arthur Luz disse:

    É por mais essa que eu acompanho F1 apenas pelo vício do que um dia foi essa categoria.

  4. Hugo Borges disse:

    Não gosto do Alonso como pessoa (na F1) mas ele não merece tal fim. Espero que melhore. O descaso da FIA com a integridade dos pilotos é visível.

  5. Alvaro Ferreira disse:

    Provavelmente nunca vamos saber. Mas além da possibilidade do choque, acho que não dá para descartar a hipótese do Alonso ter passado mal pela ingestão de algum “aditivo” extra. Lembro que o espanhol é adepto do ciclismo para preparação física, esporte onde casos de doping são mais do que comuns. E mesmo no automobilismo tem vários casos registrados, o mais recente do Franck Montagny. Mais Tarso Marques, Marcos Gomes, Tomas Enge, etc….

  6. Marcelo Saldanha da Silva disse:

    Eu ia comentar que a outrora McLaren , atualmente McLata, virou literalmente uma cadeira elétrica no seu sentido literal, mas o PDR RMS o já fez isso em seu comentário.

  7. luigi disse:

    Eu tenho a opinião (que pode estar errada) de que Alonso levou uma descarga capacitiva (Igual a arma de choque) mas de um valor muito,muito , muito alto pois para “varar o DIELÉTRICO do macacão mais a roupa ante chama que(não sei se ainda é) de Nomex, ,mais luvas e sapatilhas só sendo algo de alguns milhares de Volts e se a corrente foi relativamente alta, ai ele pode ter tido algumas consequências físicas e neurológicas,principalmente se a entrada da corrente foi próximo a coluna cervical aos pulmões e coração. Se entrou pela mão e saiu pelas costas ou vice versa ,pode perguntar a qualquer neurologista a gravidade do quadro,que poderia ter levado a óbito,más como ele é jovem e tem condicionamento de atleta possivelmente as consequências sejam menos graves que a uma pessoa comum .
    Como é um fato muito grave,a verdade nunca virá a tona para os não diretamente envolvidos,mas que muita gente sabe a verdade ,isto sabe. Mas também são mestres em encobrir falhas e problemas dos associados(FOM) e isto os brasileiros deviam saber desde 94,pois nunca vieram a tona o verdadeiro motivo do acidente em uma curva que era veloz mas não era tão problemática, salvo algum defeito mecânico grave (tipo; quebra de suspensão ,barra de direção ou de apoios aerodinâmicos)e vimos que muito se falou mas nada se esclareceu. E assim será o “Caso Alonso e a ridícula rajada de vento “

  8. Robertom disse:

    Encobrem os fatos, mentem descaradamente.
    Consideram todos nós totalmente otários…
    A F1 está uma merda…

  9. Marcos José disse:

    Isto significa uma coisa : a Honda está perdidinha com a sua unidade de potência, não sabem mais o que fazer para resolver estes problemas. A Honda vai passar vergonha neste ano! Se a Manor aparecer na Austrália e correr periga andar na frente da McLaren (mesmo a Manor com motor de 2014!!) e imaginem o estrago que isto faria na imagem da Honda logo no seu retorno!!

  10. Racing Fan disse:

    Um choque de 600 volts, certo?

  11. Fernando Kesnault disse:

    f-1 continua a mesma tola de sempre…por isso nao tem mais tantos fãs como antes….pensa que o povo é tolo assim como os governos em todos os países…

  12. Marchi disse:

    Duvido que um impacto normal naquela velocidade traria tantos problemas.
    Agora Alonso deve estar lingando para Raikkonen perguntando os macetes de como sobreviver a nova era “McLata”. Não me lembro de ninguém que tenha sofrido mais com a falta de confiabilidade dos carros da equipe do que o finlandês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>