MENU

5 de maio de 2015 - 14:53Fórmula 1

Os maiores ‘braços-duro’ da Fórmula 1, pelos leitores

RIO DE JANEIRO – Os leitores do blog atenderam à minha convocação e despejaram seus votos, observações e críticas a uma saraivada de pilotos que foram indicados para concorrer ao posto de maior braço-duro da Fórmula 1. Foram elencados mais de 140 nomes. E deu a lógica: quando se trata de ruindade, ninguém esquece de Yuji Ide, eleito pelos leitores o pior piloto da história da categoria máxima.

Em virtude de um empate na 7ª e 10ª posições, o blog apresenta os onze mais votados com um pequeno retrospecto de suas passagens na F1. Os demais não foram esquecidos: terão seu total de votos apresentado logo depois.

Vamos à lista final:

1º lugar, com 63 votos
YUJI IDE (Japão)
Passagem pela Fórmula 1: 2006 (Super Aguri)
GPs disputados: 4
Melhor resultado: 13º lugar, no GP da Austrália de 2006

Yuji-Ide

O mais votado não poderia ser outro: Yuji Ide é considerado, disparadamente, o pior piloto que a era moderna da Fórmula 1 teve a oportunidade de acompanhar. Tinha 30 anos quando estreou na categoria, levado por Aguri Suzuki. E suas participações foram desastrosas. Lento e trapalhão, Ide só terminou a corrida de estreia num distante 13º lugar, três voltas atrás do vencedor Fernando Alonso. Incapaz de andar no ritmo do companheiro de equipe Takuma Sato, o japonês protagonizou diversas rodadas e se envolveu num acidente em San Marino, provocando a capotagem de Christijan Albers, da Midland. Foi a gota d’água. Numa atitude inédita, a FIA cassou a superlicença do piloto e Ide voltou a competir no Japão, onde permanece até hoje em atividade, ainda que esporádica.

2º lugar, com 50 votos
ALEX YOONG (Malásia)
Passagem pela Fórmula 1: 2001/2002 (European Minardi)
GPs disputados: 14
Melhor resultado: 7º lugar, no GP da Austrália de 2002

AlexYoong_0028

Alex Yoong também foi muito lembrado pelos leitores e ficou em 2º lugar na votação. O piloto malaio participou de 14 corridas entre as temporadas 2001 e 2002, sempre se classificando no grid em último ou penúltimo – isso quando não ficava de fora, o que aconteceu em quatro oportunidades. Foi 7º colocado no GP da Austrália de 2002, é verdade – só que a três voltas de Michael Schumacher – e só oito pilotos terminaram. Nunca fez nada que justificasse sua passagem na categoria. Sua saída em 2003 não deixou saudade em ninguém.

3º lugar, com 39 votos
TAKI INOUE (Japão)
Passagem pela Fórmula 1: 1994/1995 (Simtek e Footwork-Arrows)
GPs disputados: 18
Melhor resultado: 8º lugar, no GP da Itália de 1995

taak

Taki Inoue compõe o pódio dos maiores braços-duro da Fórmula 1 e fez por onde merecer o galardão. Nunca será esquecido pelo que (não) fez na categoria, como bater na reta dos boxes em Suzuka na corrida de estreia, pela Simtek, em 1994 e pelas trapalhadas a bordo do Footwork-Arrows de 1995, como bater no Safety Car em Mônaco e destruir o carro, além de ser atropelado por um carro de serviço após um princípio de incêndio no GP da Hungria, em Hungaroring. Embora tenha sido 8º colocado no GP da Itália, sempre foi batido em qualificações por seus companheiros de equipe, Gianni Morbidelli e Max Papis, quando disputou sua única temporada completa na categoria. Hoje, aos 51 anos, dedica-se a dar pitacos pelo twitter, ousando criticar os pilotos da atualidade.

4º lugar, com 32 votos
GASTÓN MAZZACANE (Argentina)
Passagem pela Fórmula 1: 2000/2001 (Minardi e Prost)
GPs disputados: 21
Melhor resultado: 8º lugar, no GP da Europa de 2000

mazzac

Após três orientais, eis o primeiro sul-americano da lista: Gastón Mazzacane é um dos muitos casos de piloto sem talento e com muito dinheiro a comprar um lugar na Fórmula 1. Tirou Max Wilson da Minardi em 2000, ano em que conseguiu o melhor resultado da carreira – a 8ª posição no GP da Europa. Depois, ainda disputaria quatro corridas pela Prost, da qual rapidamente foi defenestrado por outro piloto. De um total de 21 GPs que participou, em mais da metade – precisamente 11 vezes – largou da última posição e 16 da última fila. Uma campanha sem nenhuma atenuante.

5º lugar, com 29 votos
LUCA BADOER (Itália)
Passagem pela Fórmula 1: 1993, 1995/1996, 1999 e 2009 (Scuderia Italia, Minardi, Forti Corse e Ferrari)
GPs disputados: 51
Melhor resultado: 7º lugar, no GP de San Marino de 1993

bado_ferr_vale_2009-1

“Luca, how bad you are?” Foi assim que o italiano deixou a Fórmula 1, pela porta dos fundos, a mesma pela qual entrou no já distante ano de 1993, quando vinha de um título na Fórmula 3000. O franzino Badoer jamais decolou na categoria, tendo servido a uma série de equipes pequenas (só na Minardi, correu duas vezes) até, incrivelmente, ganhar um emprego de piloto de testes da Ferrari, onde ficou anos. Sem Felipe Massa, foi a Badoer que Maranello recorreu, mas o piloto conseguiu a façanha de largar em último nas duas vezes que competiu em 2009, abrindo margem a todo tipo de piadas. É o piloto com o maior número de corridas disputadas (51) sem ter pontuado. Tudo bem que a cena do GP da Europa de 1999, quando caiu em prantos ao desistir na 4ª colocação com a Minardi é de cortar o coração, mas os parcos resultados e o desempenho risível pela Ferrari justificam sua presença nesta eleição.

6º lugar, com 23 votos
JEAN-DENIS DÉLETRAZ (Suíça)
Passagem pela Fórmula 1: 1994/1995 (Larrousse e Pacific)
GPs disputados: 3
Melhor resultado: 15º lugar no GP da Europa de 1995

FIA GT Championship, Total 24 Stunden von Spa

Este piloto nascido em Genebra, na Suíça, também fez por onde estar na lista dos piores da história da Fórmula 1, de acordo com os leitores. Com generoso aporte financeiro, fez sua primeira aparição na categoria no GP da Austrália de 1994 pela moribunda Larrousse e depois apareceu no ano seguinte para contribuir com uns caraminguás para os combalidos cofres da Pacific e também para o folclore da categoria. No GP de Portugal, primeiro a bordo da equipe, ficou a 12″232 da pole position e seu tempo em corrida foi 11″225 pior que a volta mais rápida registrada por David Coulthard na ocasião. Já na sétima volta daquela disputa, era retardatário, abandonando pouco tempo depois. Espantoso foi que o piloto terminou em 15º no GP da Europa, mesmo que sete voltas atrasado. Mas seu desempenho pífio no GP de Portugal fora suficiente para mostrar que ele, definitivamente, não era do ramo.

7º lugar, com 20 votos
GIOVANNA AMATI (Itália)
Passagem pela Fórmula 1: 1992 (Brabham)
GPs disputados: nenhum

giovanna-amatijpg

Sem nenhum machismo embutido neste comentário, as mulheres leitoras e fãs de automobilismo que me perdoem, mas Giovanna Amati é fraca o bastante para ter ganho 20 votos e entrar no rol dos piores que a Fórmula 1 já viu. Sua contratação pela Brabham, equipe então distante das glórias passadas dos tempos de Jack Brabham, Niki Lauda e Nelson Piquet, foi uma jogada de marketing para angariar patrocinadores e tentar manter a equipe viva na categoria. Porque por desempenho, as performances da italiana foram medíocres. Ela conseguiu ficar em último lugar em todos os treinos que disputou, normalmente de três a quatro segundos mais lenta que os pilotos à sua frente. Além do que, sem condições de estar ali, queria andar mais do que o carro permitia, proporcionando um festival de rodadas. Acabou dispensada após o GP do Brasil, dando lugar a Damon Hill, filho do bicampeão Graham.

7º lugar, com 20 votos
RICARDO ROSSET (Brasil)
Passagem pela Fórmula 1: 1996/1998 (Footwork-Arrows, Lola MasterCard e Tyrrell)
GPs disputados: 26
Melhor resultado: 8º lugar no GP da Austrália de 1996 e no GP do Canadá de 1998

ricardo-rosset-1415244285299_956x500

Engana-se quem pensou que não teríamos um piloto brasileiro indicado pelos leitores a ponto de figurar entre os dez mais votados. Pois Ricardo Rosset acaba fazendo parte da lista, embora muitos achem que ele não merece estar aqui. Só que os torcedores não perdoaram e lembraram de sua passagem apagada pelas equipes Footwork-Arrows e Tyrrell, sem contar o fiasco da experiência na Lola MasterCard. Na tradicional equipe britânica, então em processo de venda para a British American Racing, seu nome não era dos mais populares e a preferência da Reynard pelo brasileiro fez o próprio Ken Tyrrell desistir de permanecer à frente da escuderia. Como efeito da pressão impingida sobre ele, Rosset passou por momentos constrangedores, como o de encavalar seu carro nos guard-rails dos Esses da Piscina em Mônaco, além de inúmeras desclassificações por deficiência técnica e acidentes. O clima na equipe não era dos melhores: ninguém escondia a preferência por Tora Takagi e Ricardo era detestado a ponto de um dos mecânicos afixar um adesivo num quadro de avisos do Paddock com a inversão de letras, transformando Rosset em “Tosser”. Procurem o Google para saber do que se trata…

9º lugar, com 19 votos
ESTEBAN TUERO (Argentina)
Passagem pela Fórmula 1: 1998 (Minardi)
GPs disputados: 16
Melhor resultado: 8º lugar no GP de San Marino de 1998

1270897-1098-atm14

A presença de mais um argentino aqui na lista indica que os brasileiros acham que todos os hermanos que vieram depois de Carlos Reutemann na Fórmula 1 não são do ramo. Esteban Tuero talvez tenha entrado cedo demais na categoria, jogado prematuramente às feras. Ele tinha menos de 20 anos quando estreou no GP da Austrália com a Minardi, terminou apenas quatro corridas e em nove delas largou na última fila. Sem nenhum ponto marcado e um 8º lugar no GP de San Marino como melhor resultado, Tuero logo desistiu da carreira internacional.

10º lugar, com 17 votos
GREGOR FOITEK (Suíça)
Passagem pela Fórmula 1: 1989/1990 (Eurobrun, Rial, Brabham e Onyx-Monteverdi)
GPs disputados: 7
Melhor resultado: 7º lugar no GP de Mônaco de 1990

gregorfoitek1

Gregor Foitek chegou à categoria máxima com fama de desastrado plantada na Fórmula 3000 e cultivada pelo período que esteve na Fórmula 1, por quatro equipes diferentes, incluindo uma tentativa de salvação da Onyx – e de sua própria carreira – pelas mãos do próprio pai, um endinheirado suíço. Conhecido pelo jocoso apelido de “Afoitek”, Gregor destruiu vários carros e viu sua curta carreira na categoria ir por água abaixo com o fim da Onyx, já em situação crítica, no meio do campeonato de 1990. Como desgraça pouca é bobagem, na única e real oportunidade que teve de marcar um pontinho e entrar para os compêndios da categoria, acabou sendo atirado num guard-rail das ruas de Mônaco pelo francês Eric Bernard. Nunca uma manobra destas foi tão comemorada pelos que detestavam Foitek…

10º lugar, com 17 votos
PAUL BELMONDO (França)
Passagem pela Fórmula 1: 1992 e 1994 (March e Pacific)
GPs disputados: 7
Melhor resultado: 9º lugar no GP da Hungria de 1992

82a7c525-050d-423e-8197-810cabcf7836_16x9_600x338

Paul Belmondo é mais lembrado por ser filho do ator francês Jean-Paul Belmondo do que por seu talento – que é nenhum. Esteve na Fórmula 1 por duas temporadas e só colecionou fracassos. Seu currículo aponta um total de 21 desclassificações, catorze delas só em 1994, quando estava na fraquíssima Pacific e só largou nos trágicos GPs de San Marino e Mônaco porque o grid tinha menos que os 26 pilotos regulamentares na época. Pela March, dois anos antes, fez cinco corridas e seu melhor resultado foi um 9º lugar no GP da Hungria.

Os demais pilotos votados:

12º lugar, com 16 votos
Perry McCarthy (Grã-Bretanha) e Sakon Yamamoto (Japão)

14º lugar, com 13 votos
Claudio Langes (Itália), Giovanni Lavaggi (Itália) e Michael Andretti (EUA)

17º lugar, com 12 votos
Al Pease (Canadá) e Dave Walker (Austrália)

19º lugar, com 11 votos
Narain Kartikheyan (Índia) e Ukyo Katayama (Japão)

21º lugar, com 10 votos
Tora Takagi (Japão)

22º lugar, com 9 votos
Eliseo Salazar (Chile), Karun Chandhok (Índia) e Ricardo Zunino (Argentina)

25º lugar, com 8 votos
Julian Bailey (Grã-Bretanha), Norberto Fontana (Argentina), Paolo Barilla (Itália), Pascal Fabre (França) e Philippe Adams (Bélgica)

30º lugar, com 7 votos
Emilio De Villota (Espanha), Mimmo Schiattarella (Itália), Patrick Friesacher (Áustria), Pedro Matos Chaves (Portugal), Scott Speed (EUA) e Zsolt Baumgartner (Hungria)

37º lugar, com 6 votos
Johnny Dumfries (Grã-Bretanha), Kazuki Nakajima (Japão), Pedro Paulo Diniz (Brasil), Pierre-Henri Raphanel (França) e Wolker Weidler (Alemanha)

42º lugar, com 5 votos
Christijan Albers (Holanda), David Brabham (Austrália), François Hesnault (França), Hector Rebaque (México) e Jos Verstappen (Holanda)

47º lugar, com 4 votos
Chanoch Nissany (Israel), Giedo Van der Garde (Holanda), Huub Rothengatter (Holanda), Jean-Louis Schlesser (França), Jean-Marc Gounon (França), Nicolas Kiesa (Dinamarca), Rikki Von Opel (Liechtenstein), Satoru Nakajima (Japão), Shinji Nakano (Japão) e Vincenzo Sospiri (Itália)

57º lugar, com 3 votos
Andrea Montermini (Itália), Anthony Davidson (Grã-Bretanha), Eric Van de Poele (Bélgica), Hideki Noda (Japão), Jan Magnussen (Dinamarca), Luciano Burti (Brasil), Luis Perez-Sala (Espanha), Marco Apicella (Itália), Michael Bartels (Alemanha), Olivier Grouillard (França) e Pier Carlo Ghinzani (Itália)

68º lugar, com 2 votos
Adrián Campos (Espanha), Allen Berg (Canadá), Bruno Senna (Brasil), Chico Serra (Brasil), Enrico Bertaggia (Itália), Fabrizio Barbazza (Itália), Fulvio Ballabio (Itália), Gianmaria Bruni (Itália), Gianni Morbidelli (Itália), Giorgio Pantano (Itália), Harald Ertl (Áustria), Jan Lammers (Holanda), JJ Lehto (Finlândia), Joachim Winkelhock (Alemanha), Max Chilton (Grã-Bretanha), Max Papis (Itália), Otto Stuppacher (Áustria), Raul Boesel (Brasil), Renzo Zorzi (Itália), Robert Doornbos (Holanda), Tarso Marques (Brasil), Toshio Suzuki (Japão), Vittorio Brambilla (Itália) e Vitaly Petrov (Rússia)

92º lugar, com 1 voto
Adrian Sutil (Alemanha), Alberto Colombo (Itália), Alex Caffi (Itália), Alex Soler-Roig (Espanha), Andrea Chiesa (Suíça), Andrea De Cesaris (Itália), Antonio Pizzonia (Brasil), Bernie Ecclestone (Grã-Bretanha), Bertrand Gachot (Luxemburgo), Bob Evans (Grã-Bretanha), Carlo Franchi “Gimax” (Itália), Charles Pic (França), Christian Danner (Alemanha), Divina Galica (Grã-Bretanha), Emilio Zapico (Espanha), Enrique Bernoldi (Brasil), Estebán Gutiérrez (México), Franco Forini (Itália), François Migault (França), Gabriele Tarquini (Itália), Gary Brabham (Austrália), George Eaton (Canadá), Gianfranco Brancatelli (Itália), Giorgio Francia (Itália), Giorgio Mondini (Itália), Guy Edwards (Grã-Bretanha), Jean-Christophe Boullion (França), Jean Max (França), Jerome d’Ambrosio (Bélgica), Jo Vonlanthen (Suíça), Johnny Cecotto (Venezuela), Jonathan Palmer (Grã-Bretanha), Jorge de Bagration (Espanha), Kevin Cogan (EUA), Lamberto Leoni (Itália), Lella Lombardi (Itália), Loris Kessel (Suíça), Manfred Winkelhock (Alemanha), Marc Gené (Espanha), Mauro Baldi (Itália), Mike Beuttler (Grã-Bretanha), Mikko Kozarowitzky (Finlândia), Nelsinho Piquet (Brasil), Olivier Beretta (Mônaco), Oscar Larrauri (Argentina), Philippe Alliot (França), Pier Luigi Martini (Itália), Ricardo Londoño Bridge (Colômbia), Slim Borgudd (Suécia), Timo Glock (Alemanha), Tony Trimmer (Grã-Bretanha), Willy Kauhsen (Alemanha) e Yannick Dalmas (França)

Compartilhar

17 comentários

  1. Luciano Barcelos disse:

    Puxa vida! Não é o pessoal lembrou do Jean Denis “Ladetraz”?

  2. Alex disse:

    Uma certa injustiça…tem muitos aí que só andaram nas famosas “cadeiras elétricas”. Além de tudo esqueceram do lendário Satoru Nakajima que mereceria estar entre os 10 .

  3. Antonius disse:

    OH NÂO!…..De Cesaris, S. Nakajima, Pier Luigi Martini, Alliot…..
    Putz! Sobrou até pro ………..Jonathan Palmer (troféu Jim Clark de 87, é isso?), …………..

    ……….lá se vai minha adolescência indo pro ralo…)

    (Desculpa Rodrigo,…bateu desespero,….tive até pôster da Tyrrel do Palmer).

  4. Vinicius disse:

    Rodrigo,uma correção:

    Massacrante disputou apenas as quatro primeiras corridas de 2001(Austrália,Malásia,Brasil e San Marino).

    A partir da quinta etapa na Espanha ele foi trocado pro Luciano Burti na Prost.

  5. fleetmaster disse:

    Fazer uma votação com os melhores é fácil.
    Essa dos piores, além de ser um grande exercicio de memória, foi muito divertido ler e lembrar de cada um deles. Alguns eu acho que não mereciam, mas outros, om certeza merecem estar na lista.

  6. Pdr Rms disse:

    Otima iniciativa. Confesso que fiquei adiando meu voto pq eram tantas opções que tinha medo de deixar alguem de fora dos meus 10. Entre os 10 primeiros só discordo do Badoer, apesar do desempenho vexatório pela Ferrari em 2009 (e havia alguns atenuantes), ainda acho que alguns que ficaram fora do Top 10 bem piores que ele.

    Agora bem que você podia fazer uma eleição dos carros mais bonitos de todos os tempos.

  7. Alan disse:

    Grande Rodrigo!
    O convite foi ótimo e divertido lembrar de algumas figuras da F-1. O teu texto, como sempre, muito gostoso de ler, parece um ótimo “bate-papo” entre amigos. Deixo uma provocação: com o atual sistema de pontuação 8 pilotos do top-11 dos braços-duros teriam alguns pontos em seus históricos. Obrigado pelo post! ABRAÇO!

  8. Eduardo disse:

    Caramba, dos dez mais votados, acho que eu votei em 5. Bela eleição

  9. Gustavo Oliveira disse:

    Yuji Ide é tipo um Michael Schumacher ao contrário. Só achei sacanagem terem votado em alguns notórios excelentes pilotos, como David Brabham e Anthony Davidson, que é apenas o atual campeão mundial de Endurance.

  10. Hilton disse:

    Esqueceram o Ricardo Diniz?

  11. Thiago macedo disse:

    Na minha visão, Esteban Gutierrez poderia estar tranquilamente entre os 20. Na epoca, foi apelidado de gutierros pelo pessoal kkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *