MENU

12 de maio de 2015 - 15:58Fórmula 1, Memorabilia, Vídeos

Vídeos históricos – “Hoje não! Hoje não! Hoje sim… hoje sim?” (2002)

RIO DE JANEIRO - E hoje, 12 de maio, ‘aniversaria’ um dos momentos mais polêmicos da história do automobilismo – se não for o mais polêmico de todos – que rendeu uma sacada genial do narrador Cleber Machado, revelando todo o estupor diante do que se viu no então circuito A1 Ring, na Áustria.

Há 13 anos, assistimos a um dos maiores absurdos perpetrados por uma equipe: a ordem de inversão de posições entre Rubens Barrichello e Michael Schumacher, numa corrida que o brasileiro liderou em praticamente toda sua totalidade e acabou obrigado – sabe-se lá com que palavras ou ordens – via rádio a tirar o pé e entregar a primeira posição ao alemão.

A forma como aquilo tudo aconteceu ainda incomoda. Incomoda lembrar que o GP da Áustria era o sexto de uma temporada que Schumacher dominaria com o pé nas costas, levando o título com uma antecedência de seis corridas no GP da França, em julho. Totalmente desnecessário.

Barrichello também deve ter os seus motivos para não revelar, até hoje, o que de fato aconteceu naquela conversa de rádio naquela corrida. Diz ele que um dia contará a verdade. Só espero que ele não falte com esse compromisso. Acho – vejam bem, acho – que faltou peitar a equipe para impedir passar por tamanho constrangimento. Não foi o primeiro e não seria o único.

Detalhe cruel: era dia das mães na oportunidade. A D. Idely não merecia ver aquilo tudo.

Reveja o vídeo, a chegada e a narração mais do que brilhante do Cleber na transmissão da Globo.

14 comentários

  1. Laercio disse:

    Faltou peito ao Rubinho, que a partir desse dia ficou conhecido como Rubinho pé de chinelo… ele e o Massa se tornaram capacho da Ferrari. Peitava e deixava que o mundo os julgasse, com certeza iriam encontrar quem os defendesse. Porém decidiram entrar para o livro da história como meros capachos em troca de um emprego. Vejam se Hamilton obedeceria tal ordem? Duvido.

    • Rodrigo Mattar disse:

      Garanto que o Piquet e o Senna não obedeceriam.

      • luigi disse:

        Eu acho que a coisa foi ruim também para o Schumacher,pois foi uma vitória inglória que manchou profundamente seu histórico de vitórias ,deveriam ter falado para ele que chutar cachorro morto é muito feio ,e que aquela vitóriazinha do seu segundo piloto era mais circunstancial que uma possível vitória do Madureira sobre o Bayern no futebol .
        E tem uma coisa que já disse a um bom tempo , “Chefe de equipe alguma , dispensa piloto GANHADOR constante ” ou que se mostre mais veloz que o seu companheiro em testes privados -onde normalmente se usam o mesmo carro (quando se treinava muito,principalmente em Fiorano ) .
        Más uma das coisa que alem da falta de “Machesa” mais me irritou em declarações vinculadas por seus apadrinhadores da R G T (Sempre enganando você !) é que não sabia frear com o pé esquerdo . COOOOMOOOO ?????????????????? ,um piloto que com cinco anos ou menos já andava de Kart ,não sabia frear com o pé esquerdo ???????????? Era a desculpa mais estupida e esfarrapada que só colaria para os seus bons e dedicados e pouco conhecedores PACHECOSTORCEDORES ,e mesmo assim aquele senhor que não tem parte com a verdade sempre insistiu em veicular durante os GPs que narrava e tentava encobrir o imenso glúteo mole de seu apadrinhado.

      • rodrigo luiz martins disse:

        xará, se não me engano rubinho já deu pra trás na questão de contar os rádios e toda a situação do ponto de vista dele, se não me engano em uma entrevista recente. O motivo ? Ele alegou que se um dos filhos dele quiserem ser pilotos e eventualmente chegarem a F-1, a publicação do livro contendo essa marmelada da Áustria não atrapalhe as chances dos filhos deles guiarem na Ferrari.

      • Paulo Pinto disse:

        Como fã de Schummy, venho (pela enésima vez) comunicar que a vitória na Áustria foi devolvida ao Rubinho em Indianápolis, no mesmo ano.
        Schumacher reconheceu com este ato, que ele errou ao aceitar a vitória que não lhe pertencia.

        Força, Herr Hepta!

  2. Fernando Lima disse:

    Nesta temporada, e na de 2004, se não me engano, o Rubinho por algumas vezes se mostrava mais rápido que Shumascher, sobretudo nas classificações. Então, obedecer talvez tenha sido o maior erro. Para citar o exemplo do Piquet, sempre “insubordinado”, foi tricampeão mundiais travando travando batalhas com seus companheiros de equipe. Sobretudo Mansell em 87. Dai o piloto tem de ver o que compensa mais: Ganhar milhões como capacho ou ter coragem de cruzar a linha, ser campeão, ganhar os mesmos milhões e ter a auto-estima elevada ao extremo como campeão da categoria máxima…é isso que Rubinho não tem hoje.

  3. paulo vitor disse:

    A unica coisa q nao se deve ter é pena do Rubens, pq se pensarmos bem, todos se perguntam, “porque ele não peitaou a equipe?”, aí vem a resposta, pq ele perderia seu lugar na ferrari, ai vc me diz, a mas nao tem importancia, ele arrumaria outro carro, certo, tbm acho, mas oq pesa é o montante (R$)…e ai meu amigo, o cara troca sua honra como piloto pelo famoso “montante, salário gordo, chamem como quiser, o fato é q nunca mais teve a minha torcida e meu respeito como piloto, passou a ser apenas um trabalhador q lutou muito pra chegar ali e estava com todo direito se preocupando com seu pé de meia, nada mais doque isso !!!!

  4. Barrabas disse:

    O problema é que a Ferrari, Barrichello e Schumacher se sujeitaram ao ridiculo por falta de comunicação. Se tivessem feito um briefing, pelo menos armassem uma falsa disputa para entregar a posição não teriam passado por tamanha vergonha. Ah sim, e não estou defendendo ninguém. Todos os envolvidos tem mais é que se ferrar por terem feito tamanho papelão.

  5. Herik disse:

    Todos estavam errados, inclusive o Barrichello por mais uma vez assumir o papel de eterna vítima, o tal “o brasileirinho contra o resto”.

  6. Costumava gravar corridas em VHS. Como o tempo passa, viu…

  7. Gustavo disse:

    Schumacher foi campeão, Rubens ganhou seu dinheiro e a vida continuou…

    A F-1, em minha opinião, já havia perdido a graça há mais tempo. As autoridades do esporte a motor deveriam ter tido a sabedoria, ainda no final dos anos 1980, de impor limites na introdução de eletrônica, materiais compostos e aerodinâmica nos carros. E melhor nem mencionar quando um esporte é elevado à condição de negócio, com grandes fabricantes envolvidos.

    Daí que encontro muito mais graça hoje em coisas como o Endurance Brasil.

    • Gustavo disse:

      Uma volta com Sébastien Loeb no Nürburgring Nordschleife – começando no circuito GP, passando pelo “inferno verde” e completando o traçado no circuito GP.

      https://www.youtube.com/watch?v=nGFdZM2vGNs

      Vídeo promocional para a prova do WTCC que acontece agora em 15 e 16 de maio, publicado há apenas dois dias pela turma da Citroën Racing.

      De tirar o fôlego.

      • Rodrigo Mattar disse:

        Vídeo no tópico errado. Sua intenção pode até ser boa, mas aqui é pra se falar de GP da Áustria de 2002.

  8. Tiago disse:

    Rodrigo, o rubinho não quis ceder até a última curva. Acredito que a ameaça deve ter sido muito forte. Devem der ameaçado acabar com a carreira dele no mínimo.
    Não gosto da ferrari por isto e pelo fato da ordem de equipe contra o massa em favor do alonso.
    Se eu tivesse muito dinheiro, o último carro que eu compraria seria uma ferrari, pois ela manchou o esporte em várias oportunidades. Para mim é inaceitável o que fizeram com o rubinho, cara batalhador e errante com todos nós, ainda que o shumi estivesse brigando pelo título. Toda manipulação de resultado para mim é triste.
    O rubinho tem seu valor. Nunca será uma lenda, mas é um ser humano como todos nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>