MENU

7 de janeiro de 2016 - 14:42IMSA, Mundial de Endurance

Ferrari com novidades no WEC e IWSC

sam-bird-daytona

Campeão mundial de pilotos na LMP2 em 2015, Sam Bird defenderá a Ferrari e a AF Corse no WEC, na classe LMGTE-PRO

RIO DE JANEIRO - Mudanças radicais no lineup de pilotos oficiais da Ferrari para o Mundial de Endurance (WEC) e IMSA Weather Tech SportsCar Championship (IWSC). Hoje, o construtor italiano confirmou quem serão os pilotos que defenderão Maranello em caráter oficial na próxima temporada de Endurance.

Com a saída de Pierre Kaffer, contratado pela Audi, foi recrutado o britânico Sam Bird, campeão mundial de pilotos da LMP2 no ano passado, junto a Roman Rusinov e Julien Canal – e que não é propriamente um desconhecido das hostes italianas. O “Passarinho” vai disputar o WEC pela AF Corse, compondo dupla na Ferrari F488 GTB #71 com Davide Rigon.

A novidade é que Toni Vilander, parceiro de Gianmaria Bruni, vai para o IWSC compor a dupla da #62 da Risi Competizione com Giancarlo Fisichella, no que imediatamente indica a promoção de James Calado ao #51 do WEC ao lado de Bruni.

O finlandês e Fisico devem disputar as 24h de Le Mans pela AF Corse, já que a Risi não tem previsão alguma de disputar a prova de Sarthe na classe LMGTE-PRO. A estreia de Vilander pela equipe de Giuseppe Risi deve acontecer já nas 24h de Daytona em janeiro – o que explica a passagem de James Calado ao #72 da SMP Racing, no qual o nórdico estava inscrito. Um terceiro piloto deve ser anunciado para a clássica prova da Flórida, em breve.

4 comentários

  1. Pedro HD disse:

    Eita… Sam Bird. Esse ano vou acompanhar mais a classe GT

  2. Gabriel Medina, O outro disse:

    Deve ser uma imensa broxada para um piloto sair da P2 para a Gt2.

    • Rodrigo Mattar disse:

      Não sei. Ruim é não chamar a atenção de fábrica nenhuma. O Sam Bird pelo menos isso conseguiu.

      • Gabriel Medina, O outro disse:

        Eu sei, alias, tenho certeza. Não me referi a carreira, salário e tudo mais que vem no pacote, se o foco for esse, claro que é vantajoso para um piloto deixar uma equipe pequena e instável na P2 e migrar para um de fábrica no Gt2.

        Agora, convenhamos, quando o assunto é pista, pilotagem e desempenho, não tem nem o que discutir, qualquer piloto do mundo quer comandar o carro mais rápido o possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>