MENU

5 de fevereiro de 2016 - 12:25Mundial de Endurance

Com novas equipes, WEC tem 32 carros na lista de 2016

dl-wec-2015-spa-pq-37

Nove LMP1, dez LMP2, sete LMGTE-PRO e seis LMGTE-AM: este é o plantel do FIA WEC para a temporada 2016

RIO DE JANEIRO – O FIA WEC também já conhece sua lista de inscritos full season para a temporada 2016. Com a saída de algumas escuderias e a mudança de outras para certames diferentes – e mesmo para categorias diferentes – o CEO do campeonato, Gérard Neveu, confirmou um total de 32 carros que deverão disputar o campeonato deste ano em sua totalidade, incluindo aí as 24h de Le Mans, da qual falaremos daqui a pouco.

Para nenhuma surpresa, a LMP1 começa o ano com os mesmos nove carros que finalizaram o ano passado. Com a debandada da Nissan, a classe principal verá novamente o confronto entre as alemãs Audi e Porsche, atual campeã mundial, contra a japonesa Toyota, única que aposta num projeto 100% novo para o campeonato deste ano. O protótipo TS050 Hybrid será apresentado em março, por ocasião do Prólogo em Paul Ricard.

Os independentes Rebellion Racing e ByKolles têm como novidade a troca do pneu Michelin pelo Dunlop, incentivando assim a luta da borracha na categoria. Embora saibamos, logicamente, do abismo tecnológico entre os times de fábrica e os privados, a batalha pelos compostos de pneus será deveras interessante. Aqui, a ByKolles não foi suficientemente persuadida a inscrever um segundo carro, o que traria mais interesse à disputa paralela entre ambas as equipes.

O Brasil terá novamente um piloto na divisão principal: Lucas Di Grassi, que participou esta semana do Paddock GP, programa do Grande Prêmio, foi confirmado como um dos integrantes do carro #8 do Audi Sport Team Joest.

Na LMP2, que contará com uma dezena de carros inscritos, novidades: a SMP Racing se junta à categoria com seu protótipo BR01 Nissan, talvez preparando o salto para 2017, quando poderá se inscrever na LMP1 como o novo time independente do WEC. Os russos terão a estreia de Vitaly Petrov, que esteve na Fórmula 1. Outra novidade é a formação da RGR Sport by Morand, que você já viu aqui no blog, para alavancar a promoção das 6h do México e que terá o brasileiro Bruno Senna a bordo, como concorrente do compatriota Pipo Derani, que defenderá a Tequila Patrón ESM com um Ligier JS P2 Nissan – como se desconfiava.

As grandes surpresas foram a inscrição da DC Racing de David Cheng em associação com a Signatech-Alpine, que rebatizará seu Oreca 05 Coupé como Alpine A460B Nissan, além da aparição da Manor Endurance – um time que de comum à escuderia de F1 tem apenas o nome. Essa Manor é dirigida por John Booth e terá um Oreca 05 Nissan no grid. O tailandês Tor Graves, que tinha anunciado sua retirada das pistas, foi convencido a voltar.

De resto, a G-Drive Racing está garantida (associada ao Team Jota Sport) e o plantel se completa com a Strakka Racing, que desistiu mesmo do Dome S103 e continua com o protótipo Gibson 015S, que é Spyder.

A classe LMGTE-PRO tem sete carros – nenhuma surpresa nisto, pois fora anunciado que a Aston Martin diminuiria seu plantel para 2016 e a equipe de Olaf Manthey cairia fora. Mas há novidades aqui: a mais aguardada, sem nenhuma dúvida, é a estreia da Ford Performance associada à Chip Ganassi Racing, com dois dos novos Ford GT que já fizeram sua estreia (problemática, aliás) nas 24h de Daytona. Serão quatro marcas em confronto direto, uma vez que a Ferrari será representada com a nova F488 GTE, como sempre pela AF Corse. Além da Aston Martin com seus dois Vantage V8 GTE equipados com pneus Dunlop (a novidade do ano) e a Porsche com um 991 RSR alinhado pela Dempsey Racing-Proton com suporte oficial.

Fernando Rees não foi confirmado – ainda – a bordo de um dos carros da Aston Martin Racing, mas no próximo dia 14 de fevereiro, o piloto brasileiro deve ser anunciado a bordo do #97 para a temporada 2016. Assim, o WEC teria pelo menos quatro brasileiros garantidos e um piloto nascido nos EUA com sangue tupiniquim – Gustavo Menezes, confirmado na Signatech-Alpine, é filho de um brasileiro radicado há anos na Califórnia.

Na LMGTE-AM, a lamentar a ausência da SMP Racing, que foi campeã de 2015 na categoria. Em contrapartida, a KCMG migra da LMP2 para esta divisão em parceria com a Proton Competition, alinhando um Porsche. Outro 991 RSR faz sua estreia, alinhado pela Gulf Racing UK. E a Larbre Competition, novamente com os planos gorados de passar à classe principal com um carro atualizado, seguirá na LMGTE-AM – com novos pilotos e dinheiro vindo do Japão.

A lista oficial de inscritos do WEC 2016 está aqui abaixo.

CadSr9OW8AAayA9

Compartilhar

3 comentários

  1. Fernando Lima disse:

    Apesar de parecer diminuído nas divisões LMGTE, considero ainda sim um bom grid full session, principalmente pelos novos carros. No caso do Ford GT acho que os problemas aparentes de freios e cambio apareceram “em tempo” para corrigir e não fazer feio nas 24h de Le Mans, o que realmente seria catastrófico para o discípulo do mito GT40.

  2. Jarno Saratt disse:

    Se não fosse pelas desistências da Nissan e da equipe Team Manthey, e também das equipes ByKolles e Larbre Competition alinharem um segundo carro, teríamos 38 carros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *