MENU

21 de agosto de 2016 - 11:09Rali

WRC: Ogier volta ao topo do pódio

9567_ogier-corner-germany-2016_777_896x504

RIO DE JANEIRO – Custou, mas saiu: Sébastien Ogier e seu navegador Julien Ingrassia não ganhavam nenhuma prova do Campeonato Mundial de Rali (WRC) desde a 2ª etapa na Suécia. O francês vinha de performances apenas razoáveis nas últimas etapas e sequer marcou pontos na Finlândia, o que deu uma animada nas perspectivas do campeonato.

Pura ilusão.

Não bastasse a anulação do Rali da China, o que tirou dos adversários mais uma chance de aproximação, Ogier não brincou no ponto na terra da Volkswagen. O francês esteve sempre no pelotão da frente e aproveitou o primeiro momento de descuido do companheiro de equipe Andreas Mikkelsen para sapecar uma liderança provisória que se consolidou após a etapa de Panzerplatte, a mais longa do evento. Daí até o fim, o atual tricampeão do WRC se manteve firme em primeiro até o fim.

Mikkelsen ainda perdeu terreno suficiente para terminar em 4º lugar, o que lhe custará caro: o norueguês ainda foi superado por Dani Sordo e Thierry Neuville, que tiveram sólida performance com o Hyundai i20, no evento que marcou inclusive a primeira vitória do construtor sul-coreano em seu regresso ao campeonato, há dois anos. O espanhol não pôde correr na Finlândia, mas mostrou ótima forma e chegou ao melhor resultado do ano. Neuville fez o melhor tempo do Power Stage, a última especial. E com os pontos extras, empatou com Hayden Paddon no 3º lugar da classificação do campeonato.

Por falar em Paddon, o neozelandês jamais pôde seguir o ritmo dos ponteiros e chegou em 5º – aliás, nem ele e nem Mads Ostberg, com o único Ford Fiesta a terminar no top 10 geral. Ott Tanak atrasou-se e terminou em 23º lugar geral. Eric Camilli foi apenas o 50º, duas posições abaixo de Jari-Matti Latvala, que pelo menos salvou dois pontinhos extras na última especial – insuficientes para o nórdico se manter entre os três melhores na tabela do Mundial.

O grande susto do Rali da Alemanha ficou por conta do enorme acidente de Stéphane Lefevbre e seu navegador Garbin Moreau na SS10, justamente em Panzerplatte. Os franceses, competindo com uma inscrição particular de um Citröen DS3 WRC, bateram com violência de tal forma que o motor foi arrancado do monobloco. Levados a um hospital, os dois foram diagnosticados com fraturas: Lefevbre machucou a pélvis e teve uma pequena lesão pulmonar por conta do impacto. Moreau sofreu os maiores impactos – teve a clavícula deslocada, uma vértebra quebrada, além de fraturas na mão e pé esquerdos e na tíbia direita. A especial acabou neutralizada a partir do 8º colocado na geral.

Com os problemas da turma de cima, a moçada do WRC2 fez a festa nas demais colocações acima do 6º posto. Esapekka Lappi levou mais uma vitória na categoria, num festival dos Skoda Fabia R5 na linha de frente. Pontus Tidemand e Jan Kopecky voltaram a marcar pontos no campeonato e Armin Kremer tornou-se o único piloto da casa a concluir o evento entre os 10 primeiros.

O Rali da Alemanha foi o último de Jost Capito no comando da equipe Volkswagen. Já contratado pela McLaren, o dirigente cumpre sua missão e a partir do GP da Bélgica, o alemão será visto nas pistas de Fórmula 1. Ogier, inclusive, fez questão de dedicar a importante vitória na casa da montadora a Capito. “Tinha dito que faria isso. Missão cumprida. Essa vitória é para ele.”

O resultado final do Rali da Alemanha:

1. Ogier-Ingrassia (VW Polo Wrc) 3.00’26”7
2. Sordo-Marti (Hyundai i20 Wrc) + 20”3
3. Neuville-Gilsoul (Hyundai i20 Wrc) + 20”4
4. Mikkelsen-Jaeger (VW Polo Wrc) + 27”2
5. Paddon-Kennard (Hyundai i20 Wrc) + 3’34”8
6. Ostberg-Floene (Ford Fiesta RS Wrc) + 4’31”2
7. Lappi-Ferm (Skoda Fabia R5) + 8’36”8
8. Tidemand-Andersson (Skoda Fabia R5) + 8’52”5
9. Kopecky-Dresler (Skoda Fabia R5) + 9’44”2
10. Kremer-Winklhofer (Skoda Fabia R5) + 10’10”6

Classificação do campeonato após a 9ª etapa:

1. Sébastien Ogier – 169 pontos
2. Andreas Mikkelsen – 110
3. Hayden Paddon e Thierry Neuville – 94
5. Jari-Matti Latvala – 89
6. Dani Sordo – 86
7. Mads Ostberg – 78
8. Ott Tanak – 52
9. Kris Meeke – 51
10. Craig Breen – 25
11. Eric Camilli – 23
12. Henning Solberg – 14
13. Stéphane Lefevbre, Martin Prokop e Esapekka Lappi – 12
16. Teemu Sunninen – 8
17. Marcos Ligato, Elfyn Evans e Pontus Tidemand – 6
20. Lorenzo Bertelli e Kevin Abbring – 4
22. Jan Kopecky – 3
23. Armin Kremer e Nicolás Fuchs – 2
25. Valeriy Gorban – 1

Compartilhar

2 comentários

  1. Wellington disse:

    Boa noite Rodrigo,

    Acabei de ver os Highlights da prova, foi emocionante mesmo! principalmente no fim com a disputa entre 3 pilotos pelo pódio! Voltei a acompanhar o WRC este ano após a Hyundai mostrar-se competitiva este ano… estava muito chato com a WV ganhando tudo….

    Agora, o que foi aquele acidente do Lefevbre!? pelo que entendi a Citroen não foi oficialmente para o rally e ele foi por conta com um DS3 privado? Será que queria mostrar serviço para competir com o Craig Breen pela vaga de titular no ano que vem? Ainda bem que saiu vivo… caramba aquelas pedras rasgaram o carro como se fosse papel!

    E por falar nelas… vc saberia me dizer o nome delas? fiquei curioso para descobrir mais sobre o local e sobre elas… mas meu inglês não é bom o suficiente para entender de ouvido quando o narrador pronunciou!?

    abraço!
    E que esses quase 2 meses sem o WRC passem logo!

    • Robertom disse:

      O “Panzerplatz”, Lugar dos Blindados (ou Tanques), é um campo de provas para Tanques e outros veículos militares que existe há mais de 80 anos e é utilizado como um dos principais trechos do Rally da Alemanha.
      Aquelas “pedronas ” são colocadas para conter os Blindados que eventualmente percam a direção ou saiam da pista e realmente são um perigo para um carro do WRC…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *