MENU

20 de fevereiro de 2017 - 15:56Fórmula 1

Muito prazer, eu sou o Sauber C36

201722063237_SauberC36_II

Lembra até a Ligier JS43 de 1996, mas é o novo Sauber C36 com este visual que remete à comemoração do 25º campeonato da equipe suíça na Fórmula 1 (Foto: Sauber/Reprodução Grande Prêmio)

RIO DE JANEIRO – Para comemorar seu Jubileu de Prata na Fórmula 1, a Sauber lançou hoje o novo carro que disputará a temporada de 2017.

O novo modelo C36 apresenta uma pintura comemorativa, alusiva aos 25º campeonato da equipe helvética na categoria máxima, com filetes em dourado. Além da ausência de patrocinadores, o bólido que será guiado por Marcus Ericsson e pelo novo recruta Pascal Wehrlein apresenta também soluções agressivas de aerodinâmica e uma barbatana traseira muito mais pronunciada que a do Williams FW40 que já conhecemos de fotografias desde a última quinta-feira.

Além de um novo piloto, a Sauber tem um reforço muito bem-vindo na área de engenharia: o diretor técnico da equipe é Jörg Zander, que desempenhava a mesma função no programa da Audi Sport Team Joest no FIA WEC, o Campeonato Mundial de Endurance. Com toda a expertise que acumulou em projetos com carros que trabalham com bastante pressão aerodinâmica, o desafio de Zander é fazer do Sauber C36 com motor Ferrari – do ano passado, é bom lembrar – um carro bom de curva.

O time quase faliu ano passado, esteve a ponto até de mudar de nome e se chamar Alfa Romeo. Não faltou empenho do presidente da Fiat, Sergio Marchionne, em tornar isso possível. Mas um grupo de investidores salvou a Sauber da bancarrota e os dois pontos conquistados por Felipe Nasr – que acabou apeado da equipe – foram decisivos para que a escuderia respirasse ares um pouco mais saudáveis na pré-temporada de 2017.

Monisha Kaltenborn tem um pouco mais de $$$ para trabalhar, mas é melhor a Sauber começar os trabalhos sem muitas ilusões. Numa Fórmula 1 de 20 carros e dez equipes apenas, a escuderia fundada pelo velho Peter Sauber periga segurar a lanterna durante quase todo o ano.

Ou não, né? Vai saber… De repente, Zander acertou a mão no projeto e o carro nasceu bom. Saberemos mesmo nos testes marcados para a próxima semana e também ao longo do campeonato.

Compartilhar

6 comentários

  1. Rafael Cejulio disse:

    A expectativa é sempre grande antes do início da temporada vendo as fotos ou ouvindo o ronco dos motores, porque até então, todos estão tecnicamente empatados. Depois dos primeiros teste na pista, as coisas voltam ao seu lugar, Mercedes, Ferrari e Red Bull na frente.
    A F1 perdeu a graça e todo seu encanto quando deixou de ser uma disputa de equipes que botavam a mão na graxa para uma briga injusta com grandes fabricantes, assim como estes motores…
    Pensar no orçamento de uma Mercedes contra o da Sauber, correndo numa mesma categoria chega a ser uma piada.

  2. Vinicius disse:

    A Sauber pode até começar bem o ano, mas com um motor do ano passado vai ficar para trás, principalmente quando os outros fornecedores atualizarem seus propulsores… Rodrigo, a Ligier de 96 a que você se refere é a que venceu o GP de Mônaco com Olivier Panis, quando só quatro carros terminaram a prova não?

  3. luigi disse:

    Ferrarista é semelhante a torcedor de futebol fanático , mesmo que seu time esteja numa draga , ele acha que só porque ele torce , os deuses o farão ser campeão , já vimos ao longo do campeonato 2016 que o carro / motor da RedBull eram melhores de curva e reta do que o carro da Rossa di Maranello ,mas mesmo assim o torcedor ,ignorando o fato coloca A rossa na frente do fabricante de energéticos e com toda a equipe técnica desfeita e o novo time constituido só de gente inesperiênte em F 1 , só por um MIRACULO que a rossa não irá andar lá atras junto com a Sauber.
    Pena a Sauber não dispor da mesma grana que a REDBull tem ,pois caso tivesse ,poderia mandar este motor FERRARI anêmico para a ILMOR melhorar ,como ela fez com o também raquítico motor RENAULT,que depois quase chegou a incomodar o Mercedes, já que nem, franceses ou italianos conseguem fazer algo pelo menos próximo dos motores alemães.
    Eu tenho uma desconfiança que Marchionne é mais Alfista que Ferrarista ,diferente do Lucca ,que matou a Alfa no seu departamento de competições e quase acabou com a marca.Mas quem viver verá , Ferraristi ,não desanime , não é a primeira crise da equipe ,o único se não é que já não tem il grande capo magiore ,para apagar a fogueira das vaidades e por ordem na casa.

  4. Finfas disse:

    A real é que a Sauber só teve resultados mais expressivos quando teve o apoio da BMW. Fora isso foi sempre beliscar alguns pontos. Não espero nada surpreendente deles.

  5. Vinicius Vergueiro disse:

    E pelo parco desempenho mostrado nos primeiros testes em Barcelona,Wehrlein deve estar com uma vontade de estrangular Totó Wolff…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *