Guia WEC 2017 – equipes LMGTE-PRO

G

RIO DE JANEIRO – Nesta sexta-feira, começa para valer a temporada 2017 do FIA World Endurance Championship, o Mundial de Endurance, com a disputa das 6h de Silverstone. Enquanto isso, o blog vem trazendo para vocês leitores os artistas do espetáculo e chegou a vez das feras da LMGTE-PRO.

Aqui, o bicho pega. São quatro equipes oficiais de fábrica que disputam a temporada – e no ano que vem serão cinco, com a vinda da BMW, aumentando o equilíbrio e a competitividade. Também os construtores se mexeram em busca de novas soluções: a Porsche traz a nova versão do seu imortal 911 GTE com motor central-traseiro, mas sem perder o estilo já conhecido desde os anos 1960 no design do carro. Os alemães não querem ficar para trás no confronto diante de Ford e Ferrari, que seguem apostando em seus projetos com motor turbo.

E nem para a Aston Martin: o construtor britânico, mesmo com um Vantage GTE adaptado às novas regras técnicas, fez um belo campeonato ano passado e levou o título com Nicki Thiim/Marco Sørensen entre os pilotos. A Ferrari levantou a taça entre os construtores e quer repetir o feito no 70º aniversário da marca italiana.

O torcedor brasileiro tem motivos para prestar atenção nesta disputa, pelo menos até as 24h de Le Mans. É que nas três primeiras etapas, Pipo Derani defenderá a Ford Chip Ganassi Racing e Daniel Serra é o mais novo contratado da Aston Martin Racing. São dois nomes talentosos e de imenso potencial para fazer uma carreira brilhante no Endurance.

Começamos o guia com a equipe que representa o Cavallino Rampante no WEC: a AF Corse.

AF CORSE
Team Principal: Amato Ferrari
Carro: Ferrari 488 GTE
Motor: Ferrari F154CB 3,9 litros V8 Turbo
Potência: cerca de 485 HP
Câmbio: Hewland 6 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Michelin
Peso mínimo: 1245 kg

fia-wec-2017-monza-finish-order-18
Sem Gianmaria Bruni pela primeira vez nos últimos cinco anos, a AF Corse aposta em Ale Pier Guidi. E as Ferrari 488 GTE vêm com um vermelho mais escuro para 2017

A mais tradicional representante da Ferrari nas competições internacionais de Grã-Turismo volta a figurar como protagonista em mais uma temporada do WEC na classe LMGTE-PRO. Uma das novidades mais interessantes para 2017 está no visual dos bólidos, que adotam um tom mais escuro de vermelho, em alusão ao aniversário da marca. Na pista, a AF Corse também tem uma mudança importante: o italiano Gianmaria Bruni assinou com a Porsche e deixou o time após cinco temporadas. Com isso, Alessandro Pier Guidi foi promovido a piloto oficial e será o novo companheiro de James Calado no carro #51 – que terá Lucas Di Grassi nas 24h de Le Mans. O segundo carro permanece com os mesmos pilotos – Sam Bird e Davide Rigon. No Prólogo realizado em Monza há alguns dias, ficaram com o 5º e 6º tempos na divisão.

FORD CHIP GANASSI RACING UK
Team Principal: George Howard-Chappell
Carro: Ford GT EcoBoost
Motor: Ford EcoBoost 3,5 litros V6 Turbo
Potência: cerca de 485 HP
Câmbio: Ricardo 6 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Michelin
Peso mínimo: 1245 kg

fia-wec-2017-monza-finish-order-17
A Ford tem a missão de vencer de novo não só em Le Mans como em mais corridas para levar o título de construtores diante de rivais muito fortes

Campeã das 24h de Le Mans ano passado, a Ford fez um belo papel em sua temporada de estreia no WEC. Ganharam três corridas no total de nove etapas disputadas e seus pilotos subiram seis vezes ao pódio – o que não é nada mal. Mas no campeonato de construtores, a Ford ficou devendo em relação a Ferrari e Aston Martin – e agora a turma de Chip Ganassi que está baseada na Inglaterra não quer fazer feio diante da concorrência. Com um carro já bem mais desenvolvido, a tendência é que a Ford continue na linha de frente do campeonato. No Prólogo, os dois carros ficaram com o terceiro e quarto lugares. A novidade em relação a 2017 é que a equipe terá três pilotos nas três primeiras etapas e o brasileiro Pipo Derani, de 24 anos, é o novo recruta. Pipo andou muito bem na LMP2 nos dois últimos campeonatos defendendo as equipes G-Drive Racing e Tequila Patrón ESM e se considera pronto para encarar mais esse novo desafio na carreira.

PORSCHE GT TEAM
Team Principal: Olaf Manthey
Carro: Porsche 911 GTE
Motor: Porsche M79/80 4 litros Flat 6
Potência: 480 HP
Câmbio: Porsche 6 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Michelin
Peso mínimo: 1245 kg

fia-wec-2017-monza-finish-order-14
A Porsche volta… e volta incomodando as rivais da classe LMGTE-PRO: o “novo” 911 GTE já se mostrou competitivo

Passou-se mais de um ano inteiro de trabalho e desenvolvimento intensos com muitos testes até chegar ao que foi considerado o ideal. E, enfim, a Porsche está de volta com um time 100% oficial de fábrica após ser representada pela Dempsey Racing-Proton no último ano – o que não foi tão positivo para o construtor de Weissach, que figurou na lanterninha entre as marcas ano passado. Ao longo e depois dos testes, os engenheiros chegaram à conclusão de que, apesar da adoção do motor central-traseiro, montado para atender a uma melhor distribuição de massas e abaixar o centro de gravidade do carro, a melhor saída era manter o confiável propulsor de configuração Flat de 6 cilindros e quatro litros. O carro nasceu bem: já mostrou competitividade no IMSA Weather Tech SportsCar Championship e no Prólogo do WEC foi o mais rápido. Os pilotos titulares na volta da marca são Richard Lietz/Fred Makowiecki no carro #91 e Kévin Estre/Michael Christensen no #92.

ASTON MARTIN RACING
Team Principal: Paul Howarth
Carro: Aston Martin Vantage V8 GTE
Motor: Aston Martin 4,5 litros V8
Potência: 485 HP
Câmbio: X-Trac 6 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Dunlop
Peso mínimo: 1245 kg

fia-wec-2017-monza-finish-order-28
Este será o carro de Daniel Serra nas três primeiras etapas do WEC

Única equipe da LMGTE-PRO a usar os pneus da Dunlop, a Aston Martin Racing surpreendeu ano passado com sólidas performances que ofertaram aos pilotos Marco Sørensen e Nicki Thiim o título mundial do WEC entre os pilotos. Mesmo com um carro adaptado, os britânicos foram competitivos o bastante para inclusive anunciar a permanência na competição por mais alguns anos – e espera-se que em 2018 eles venham com um modelo inteiramente novo. Na abertura do campeonato, novidades – a começar por Daniel Serra participando das três primeiras corridas: o brasileiro de 33 anos foi o responsável pelos testes de desenvolvimento para a Dunlop e, diante de um trabalho tão elogiado, acabou contratado para uma sequência de corridas importantes que incluem as 24h de Le Mans. Ele estará no carro #97 junto ao experiente Darren Turner (outro que pode atingir a marca histórica de 50 corridas no WEC) e Jonathan Adam. Thiim e Sørensen seguem a bordo no “Dane Train”, tendo a companhia do neozelandês Richie Stanaway. No Prólogo, os dois Aston acabaram com as últimas posições em Monza – o que não quer dizer muito para o decorrer deste campeonato, onde muita coisa pode mudar e acontecer.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

13 Comentários

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames