Guia WEC 2017 – equipes LMP1

G

RIO DE JANEIRO – A apresentação das equipes inscritas no FIA World Endurance Championship termina com a classe principal, a divisão LMP1 dos protótipos de fábrica e semi-oficiais, que sofreu um golpe muito duro para a temporada 2017. Inclusive, confesso que é muito estranho fazer a apresentação dos times e não ter nada a escrever sobre a Audi, exceto que a turma de Ingolstadt bateu em retirada das competições de Endurance. Só lamento…

Enquanto uns vão, outros ficam. Pena que a LMP1, com os que ficaram, está com cara de fim de festa. São apenas Porsche, Toyota e ByKolles (que nem fará cosquinha) no campeonato deste ano e o ACO trabalha para termos pelo menos mais duas equipes em 2018.

A Ginetta avança em seus planos de construção de um carro para atender a clientes particulares e até já divulgou os custos: US$ 2,3 milhões, algo em torno de R$ 7,2 milhões, para a compra de chassis e leasing dos motores Mecachrome 3,4 litros V6 Turbo.

Considerando os valores estratosféricos de uma temporada de Fórmula 1, são valores até bastante interessantes.

Já o projeto da SMP Racing com a Dallara anda a passos de cágado e pouco se sabe da associação após o aperto de mãos entre russos e italianos.

Apesar disso, a expectativa é de uma dura disputa entre japoneses e alemães pelo título. Tanto Porsche quanto Toyota têm novidades dentro da pista e os japoneses estão com o foco na inédita vitória nas 24h de Le Mans, que deixaram escapar na última volta ano passado. A turma de Weissach quer o tri de construtores e manter o número #1 em seus bólidos para o próximo campeonato.

Começamos a apresentação dos times com a Porsche, é claro.

PORSCHE LMP TEAM
Team Principal: Andreas Seidl
Carro: Porsche 919 Hybrid
Motor: Porsche 2 litros V4 Turbo
ERS: ERS-K + ERS-H (8 MJ)
Potência: + 900 HP
Transmissão: Porsche 7 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Michelin
Peso mínimo: 875 kg

fia-wec-2017-monza-finish-order-04
A Porsche luta pela hegemonia na LMP1 no WEC e nas 24h de Le Mans

Construtora do protótipo LMP1 mais complexo da história do WEC, com dois sistemas híbridos, um movido pelo turbo e outro com baterias ion-lítio, a Porsche vem para a temporada 2017 para tentar um inédito tricampeonato entre os construtores, o que é um feito histórico para um carro cujo desenvolvimento começou há quatro anos e vem sendo aperfeiçoado ano após ano. Estruturalmente, o 919 Hybrid é praticamente o mesmo da últma temporada, com avanços no uso de materiais novos e pesquisas de aerodinâmica. Vários testes de resistência foram efetuados em diferentes pistas (Paul Ricard, Monza e Motorland Aragón, por exemplo) para ratificar a qualidade do equipamento.

Na pista, novidades: Andre Lotterer foi o único sobrevivente do time Audi a se garantir na LMP1 em 2017 e terá a responsabilidade de dividir o carro #1 com o recém-chegado Nick Tandy e com o suíço Neel Jani – que após o fim da temporada passada, sobreviveu após o afastamento de Romain Dumas e Marc Lieb do programa. No carro #2, o neozelandês Earl Bamber entra como substituto do aposentado Mark Webber, agora um embaixador da marca. Timo Bernhard e Brendon Hartley seguem a bordo. No Prólogo em Monza, os carros germânicos ficaram em terceiro e quarto.

TOYOTA GAZOO RACING
Team Principal: Toshio Sato
Carro: Toyota TS050 Hybrid
Motor: Toyota 2,4 litros V6 Turbo
ERS: ERS-K (8 MJ)
Potência: + 1000 HP
Transmissão: Toyota 7 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Michelin
Peso mínimo: 875 kg

fia-wec-2017-monza-finish-order-02
Obcecada, a Toyota quer a vitória nas 24h de Le Mans. A qualquer preço…

Mordida pela perda cruel da vitória nas 24h de Le Mans, a Toyota não mediu esforços para bater a Porsche, que será a única rival dos japoneses neste campeonato. O Toyota TS050 Hybrid lançado no ano passado sofreu várias modificações, principalmente de aerodinâmica, passando por testes de durabilidade e eficiência com o objetivo de preparar a equipe para o desafio de ganhar em Sarthe com um terceiro carro extra, inscrito também para as 6h de Spa-Francorchamps. Aliás, quase que Lucas Di Grassi andou nesse Toyota – só que a Audi não autorizou.

Em contrapartida, o argentino José María “Pechito” López, tricampeão mundial do WTCC, faz uma estreia retumbante pela equipe neste fim de semana. O piloto de 33 anos será o substituto de Stéphane Sarrazin junto a Kamui Kobayashi e Mike Conway no carro #7. Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima seguem juntos para o campeonato no outro carro full season. No Prólogo, a Toyota fez os dois melhores tempos e Nico Lapierre, além de Yuji Kunimoto, confirmado para Spa e Sarthe, participaram dos treinos. O francês foi o piloto mais rápido na pista de Monza.

BYKOLLES RACING
Team Principal: Boris Bermes
Carro: ENSO CLM P1/01
Motor: Nismo VRX30A 3 litros V6 Turbo
Potência: 700 HP
Transmissão: Ricardo 7 marchas, com acionamento sequencial paddleshift
Pneus: Michelin
Peso mínimo: 850 kg

bykolles kubica
No Prólogo, a ByKolles esteve mais nos boxes do que propriamente dentro da pista

A ByKolles Racing teria como grande atração nesta temporada a presença do polonês Robert Kubica. Teria: poucos dias antes dos primeiros treinos oficiais em Silverstone, o piloto decidiu pôr fim ao compromisso, frustrando os seus fãs e os que ainda acreditavam em vê-lo numa categoria de nível mundial. Muita gente acha que Kubica desistiu por não ver potencial num carro que, até hoje, jamais se mostrou competitivo.

Embora a equipe tenha se esforçado trazendo o motor Nissan VRX30A que seria usado no malfadado GT-R LM Nismo que disputou as 24h de Le Mans em 2015, no Prólogo o carro teve vários problemas – principalmente de falta de peças de reposição. Tanto que foram completadas apenas meia dúzia de voltas só para constar. O britânico Oliver Webb, único remanescente da campanha do ano passado, terá novos colegas de equipe, anunciados ontem: o austríaco Dominik “Dodo” Kraihamer, que ficou a pé com as mudanças radicais na Rebellion Racing, apesar de uma ótima campanha ano passado e o também britânico James Rossiter.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

2 Comentários

  • Belissimas materias do WEC e ELMS como sempre.

    Dentro do Jornalismo Brasileiro voltado pro automobilismo você é de longe o profissional mais competende que temos, falando praticamente de todas as categorias com conhecimento de causa. Infelizmente 90% dos jornalistas acham que existe só a f1 e fora isso dá até pena quando tentam falar de outra categoria, como a materia de um jornalista experiente sobre o Wec no globo hj, coitado um fora atras do outro, acho q nunca viu uma corrida.

    Enfim sou leitor assiduo e participativo do blog e de todos os trabalhos seus e queria dizer parabens pela dedicação que voce trata o automobilismo e os fãs de verdade.

    • Fernando, eu vi a matéria. Acho até que a intenção é boa, mas desde o título ela já continha um erro grave. O André Negrão só corre em Spa. E como se omite a presença do Nelsinho Piquet e do Daniel Serra, se todo o mundo sabe que os dois vão correr no WEC? – o Daniel pelo menos até Le Mans. É inacreditável. Mas não surpreende. Infelizmente.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames