WRC: sete décimos decidem e Neuville vence o Rali da Argentina

W
11238_neuville-argentina-2017_666_592x333
Thierry Neuville estava um minuto atrás no primeiro dia de Rali da Argentina. Mas problemas com Elfyn Evans e uma reação espetacular do belga proporcionaram ao piloto da Hyundai a segunda vitória dele nesta temporada

RIO DE JANEIRO – O que você faz em sete décimos de segundo? Bem… no automobilismo, um esporte de precisão, corridas se decidem por milésimos, centésimos e décimos também. E foi por essa ínfima margem, para os padrões do Mundial de Rali (WRC), que o belga Thierry Neuville se tornou o primeiro piloto a vencer duas vezes na temporada da categoria, após uma sequência de quatro marcas e nomes diferentes no topo do pódio.

Por muito pouco, esse número não aumentou para cinco: o galês Elfyn Evans e seu navegador Daniel Barritt tiveram a vitória nas mãos desde sexta-feira. No primeiro dia de provas, simplesmente arrasaram. Enquanto os pneus Dmack permitiram e os adversários já ficavam pelo caminho em meio a um sem-fim de problemas, a dupla ficou à vontade nas estradas da região de Córdoba. Eles venceram praticamente todos os estágios, abrindo 55 segundos de vantagem para o 2º colocado, que era então o norueguês Mads Østberg. Thierry Neuville estava em terceiro, um minuto atrás.

O jogo começou a virar neste sábado: o belga da Hyundai pôs as manguinhas de fora vencendo dois estágios à tarde e Evans faturou apenas um, a SS10. Para piorar, o piloto do Ford #3 perderia quase 12 segundos por conta de um furo de pneu durante a SS12. E olha que Neuville teve a sua dose de sorte no evento – a transmissão do seu i20 quebrou, felizmente antes da chegada ao Parque de Serviço em Villa Carlos Paz, possibilitando o reparo e que o belga pudesse tomar parte da segunda volta do dia.

O furo num dos seus pneus Dmack não seria o único problema para Evans enquanto ainda era o líder na classificação geral: ao bater numa pedra, arrancou o parachoque de seu carro. Isso não foi nada, comparado ao capote cinematográfico do também britãnico Kris Meeke, que destruiu por completo o Citroën C3 WRC e ao acidente que tirou Mads Østberg e Ola Fløene da disputa pelo pódio.

Com a diferença baixando para onze segundos e meio, temeu-se o pior para Evans e Barritt neste domingo. E o pior aconteceu: na SS16 (El Condor-Copina), Ott Tanak foi o mais rápido e Neuville, ao ficar com o segundo melhor tempo, descontou um segundo e dois décimos do galês, terceiro na especial cronometrada.

O drama se seguiu na especial seguinte, Mina Clavero-Giulio Cesare: Neuville deu tudo de si em seu Hyundai e foi o mais rápido. Evans, com o difusor de seu Ford Fiesta danificado, pouco pôde fazer. Viu sua vantagem baixar de forma dramática para apenas seis décimos.

E no Power Stage, Neuville e seu copiloto Nicolas Gilsoul conseguiram o que precisavam: foram os mais rápidos e botaram enorme pressão em Elfyn Evans para que o galês tentasse superar a marca dos belgas. E o piloto da Ford fracassou. Foi superado por 1″3 e perdeu o Rali da Argentina por ínfimos 0″7!

Ott Tanak/Martin Jarvejoja foram consistentes durante todo o Rali da Argentina e conquistaram um excelente 3º lugar na geral e no Power Stage. Sébastien Ogier – que jamais venceu em terras sul-americanas – terá que esperar até o próximo ano para conseguir algo melhor que o 4º lugar, resultado que ainda o deixa na liderança do Mundial, com 18 pontos de vantagem para Jari-Matti Latvala, que esteve discreto o tempo inteiro na Argentina e terminou em quinto.

Vencedor no ano passado, Hayden Paddon sobreviveu a uma série de problemas e a duas penalizações por atraso de saída do Parque de Serviço para terminar na 6ª posição, seguido por Juho Hänninen no segundo Toyota Yaris e por Dani Sordo, outro que teve várias dificuldades neste Rali. Mads Østberg ainda salvaria a 9ª posição e Pontus Tidemand, com o melhor entre os carros do WRC2, fechou o top 10.

A próxima etapa é o Rali de Portugal, entre os dias 19 e 21 de maio. Será a etapa com o maior número de carros inscritos dentro da chamada “Prioridade 1” do WRC – 17 inscrições estão confirmadas, com a estreia de Esapekka Lappi na turma de cima e a Citroën alinhando um quarto C3 WRC para o xeque Khalid Al Qassimi, além da volta de Stéphane Lefévbre após ficar fora na etapa deste fim de semana.

Resultado final do Rali da Argentina:

1 – Neuville-Gilsoul (Hyundai i20 WRC ’17) – 3.38’10”6
2 – Evans-Barritt (Ford Fiesta WRC ’17) + 0″7
3 – Tanak-Jarveoja (Ford Fiesta WRC ’17) + 29″9
4 – Ogier-Ingrassia (Ford Fiesta WRC ’17) + 1’24″7
5 – Latvala-Anttila (Toyota Yaris WRC ’17) + 1’48″1
6 – Paddon-Kennard (Hyundai i20 WRC ’17) + 7’42″7
7 – Hanninen-Lindstrom (Toyota Yaris WRC ’17) + 11’16″9
8 – Sordo-Marti (Hyundai i20 WRC ’17) + 14’44″1
9 – Østberg-Fløene (Ford Fiesta WRC ’17) + 15’11″3
10 – Tidemand-Andersson (Skoda Fabia R5) + 17’32″1

Classificação após a 5ª etapa:

1. Sébastien Ogier – 102 pontos
2. Jari-Matti Latvala – 86
3. Thierry Neuville – 84
4. Ott Tanak – 66
5. Dani Sordo – 51
6. Elfyn Evans – 42
7. Craig Breen e Hayden Paddon – 33
9. Kris Meeke – 27
10. Juho Hänninen – 15
11. Andreas Mikkelsen – 12
13. Stéphane Lefévbre – 10
14. Teemu Sunninen – 5
15. Jan Kopecky e Pontus Tidemand – 4
17. Stéphane Sarrazin e Mads Østberg – 2
19. Bryan Bouffier e Yohan Rossel – 1

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

3 Comentários

  • Pelo visto,parece que o Ogier não vai dominar como no ano passado.E eu queria perguntar qual a velocidade máxima que esses carros do WRC chegam em um estágio de asfalto?E também se o Fox Sports transmitirá as 6 horas de Spa-Francorchamps do Wec semana que vem ?

  • Ainda que esta matéria tenha sido publicada no dia 30 de abril, deixei para publicar este comentário depois de assistir a alguns dos resumos dos programas de TV sobre esse tradicional Rally da Argentina, que já se tornou um clássico do calendário do WRC. Assim, ainda que tenha sentido a falta do Felipe Motta e que me falte ver a cobertura do terceiro dia, mais uma vez venho cumprimentar o Rodrigo Mattar pelos comentários, sempre muito procedentes e também bastante esclarecedores para o público.

    Aproveito então para sugerir que, ainda este mês, publique algo aqui no Blog sobre o Rally Internacional de Erechim (mais ou menos nos moldes da matéria sobre a prova gaúcha de endurance, publicada mais acima), válido como segunda etapa do Campeonato Sul Americano de Rally e que este ano completa 20 anos, sendo considerado ano após ano pela própria CODASUR como a mais bem organizada etapa do certame.

    Como é pouco conhecido fora da região sul do Brasil, vale acrescentar ainda que é também o rally que leva o maior público entre todos os países-sede do referido campeonato, com cerca de 100 mil espectadores a cada edição. Um público equivalente ao de muitas etapas do ERC (Campeonato Europeu de Rally), perdendo somente para a etapa do Mundial WRC Argentina.

    Para que tenham uma idéia, deixo abaixo dois bons vídeos sobre a edição de 2016, sendo um nacional e um estrangeiro:

    https://www.youtube.com/watch?v=0k9ZTOCIar4
    https://www.youtube.com/watch?v=LImNWg_1mjw

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames