MENU

17 de janeiro de 2019 - 17:16Rali Dakar

Dakar 2019: KTM leva 18º título seguido nas Motos e Price, o bicampeonato

20191141249165_AP-1Y4H93M751W11_hires_jpeg_24bit_rgb_II

Mesmo com dores terríveis no punho direito, Toby Price triunfou pela segunda vez no Rali Dakar e a KTM vence pela 18ª vez consecutiva na história, ampliando seu recorde (Foto: Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool/Reprodução Grande Prêmio)

RIO DE JANEIRO – A história de sucessos continua: mesmo sem ter a melhor motocicleta deste Rali Dakar, e nem todos os seus pilotos no seu melhor em termos de condição física, a KTM amplia sua marca histórica de triunfos sobre duas rodas no maior evento off-road do mundo.

A marca austríaca alcança, para desespero das concorrentes, sua 18ª conquista. E uma da mais improváveis, porque outros favoritos quebraram e um terceiro, o chileno Pablo Quintanilla, foi nocauteado por uma lesão num tornozelo, justamente quando mais precisava ter força física para lutar por uma conquista inédita – seria não só a quebra de um tabu como de mais outra, já que ele lutava para alcançar o primeiro triunfo de um piloto sul-americano na categoria.

Mas como o Dakar é imprevisível e tem seus caprichos, o título bateu à porta de um piloto que veio lutando os últimos 10 dias com dores lancinantes em seu punho direito. O australiano Toby Price, de 31 anos, quebrou a banca e chegou ao segundo troféu de campeão do Rali. Ele, que já fora o primeiro não-latino a levar um título, também é o primeiro a ganhar duas edições do Dakar desde o longo período de domínio de Marc Coma e Cyril Despres.

“A alegria desse título é muito maior do que a dor que sinto”, afirmou Price após a confirmação do título e da vitória na 10ª e última etapa, com o tempo de 1h14min01seg, dois minutos e pouco melhor que o chileno Nacho Cornejo Florimo.

A KTM acabou premiada com o pódio inteiro ao fim da disputa, já que o austríaco Matthias Walkner herdou o vice com a contusão de Price e também Sam Sunderland ficou com a terceira posição – isso porque o ASO lhe retirou a punição de uma hora que lhe fora imposta por conta de um problema no Iritrack na largada da oitava e antepenúltima etapa. Não fosse por isso e o britânico campeão em 2017 teria sido o 8º colocado geral.

Por conta dos problemas físicos, Quintanilla terminou a derradeira prova cronometrada com 112 km de percurso a 19min44seg do vencedor Price, com o 22º tempo. Isto foi o suficiente para lhe custar o pódio.

O top 10 final ainda reservou boas surpresas como o 5º posto de Andrew Short e a presença de outros três sul-americanos, além de Quintanilla: Cornejo Florimo fechou em sétimo como o melhor piloto Honda; Luciano Benavides foi oitavo com sua KTM e o boliviano Walter Nosiglia Jager completou como o melhor piloto não-oficial de fábrica.

Destaque-se também a ótima participação de Ross Branch, o melhor novato da competição em duas rodas: o piloto de Botswana fechou a disputa na 13ª colocação geral – um total de 22 novatos conseguiu chegar ao final.

Na categoria Original by Motul, o pomposo nome da Malle-Moto, categoria sem assistência técnica remota a não ser do próprio concorrente, o holandês Edwin Straver foi o melhor com a trigésima posição. Chegaram ao final quinze concorrentes, incluindo a russa Anastasiya Nifontova, oitava colocada na classe e 62ª na geral e primeira mulher na história a completar a competição sem ter apoio externo.

Entre as mulheres, Laia Sanz conseguiu a décima-primeira posição e foi disparada a melhor representante feminina (de novo). A holandesa Mirjam Pol e a tcheca Gabriela Novotna também finalizaram a dura disputa. Na chegada, estavam no total 75 entre 137 pilotos na partida no último dia 7 em Lima.

Etapa #10 – Pisco-Lima
Ligação: 247 km
Trecho cronometrado: 112 km
Total: 359 km

Resultado – Motos:

1. #3 Toby Price (KTM) – 1h14min01seg
2. #10 Nacho Cornejo Florimo (Honda) – a 2min21seg
3. #1 Matthias Walkner (KTM) – a 2min38seg
4. #14 Sam Sunderland (KTM) – a 3min19seg
5. #77 Luciano Benavides (KTM) – a 3min20seg
6. #47 Kevin Benavides (Honda) – a 3min59seg
7. #29 Andrew Short (Husqvarna) – a 4min09seg
8. #18 Xavier De Soultrait (Yamaha) – a 6min16seg
9. #28 Daniel Nosiglia Jager (Honda) – a 10min02seg
10. #110 Sebastian Bühler (KTM) – a 10mn41seg

Classificação final extra-oficial:

1. Toby Price – 33h57min16seg (+1min33seg de penalização)
2. Matthias Walkner – a 9min13seg (+3min de penalização)
3. Sam Sunderland – a 13min34seg (+2min de penalização)
4. Pablo Quintanilla – a 20min46seg
5. Andrew Short – a 44min10seg
6. Xavier De Soultrait – a 54min00seg
7. Nacho Cornejo Florimo – a 1h08min16seg (+15min de penalização)
8. Luciano Benavides – a 1h09min10seg
9. Oriol Mena – a 2h08min41seg
10. Daniel Nosiglia Jager – a 2h31min53seg (+2min de penalização)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *