MENU

15 de janeiro de 2019 - 15:54Rali Dakar

Dakar 2019: sonho de Brabec vai para o espaço; Walkner vence e Price é o novo líder

TobyPrice-Dakar

Mesmo machucado, Toby Price é o novo líder geral do Rali Dakar nas Motos, em dia de quebra de Ricky Brabec; Matthias Walkner venceu a 8ª etapa – a Super Ica (Foto: Reprodução Twitter/Grande Prêmio)

RIO DE JANEIRO – A “Super Ica”, oitava e antepenúltima etapa do Rali Dakar 2019 disputada hoje entre San Juan de Marcona e Pisco fez uma vítima e tanto na reta final da competição. Logo no início do trecho cronometrado de 360 km – de um total de 575 km no dia – a Honda do piloto estadunidense Ricky Brabec teve seu motor estourado. Líder geral, ele era a grande esperança da marca japonesa em vencer a competição nas Motos – o que não acontece desde 1989, há exatos 30 anos, quando Gilles Lalay (1962-1992) ganhou a prova então disputada na África com um modelo NRX800V.

A maldição da marca na história recente da prova se mantém e a KTM continua no páreo para alcançar sua 18ª vitória consecutiva – nona dentro do novo regulamento de motocicletas 450cc quatro tempos. O construtor austríaco alcançou enfim o topo da classificação geral com um dos mais improváveis dentre seus pilotos. Machucado no punho direito, Toby Price tem feito um esforço hercúleo para se manter na competição. “Ele é um animal!”, elogiou o Team Manager da marca no Rali Dakar, o antigo piloto espanhol Jordi Viladoms.

Na etapa de hoje, os 10 mais rápidos da véspera largaram primeiro com diferença de praticamente uma hora em relação ao resto dos inscritos que estavam aptos a largar para a oitava etapa – o que se constituiu numa grande expectativa para ver quem venceria. O chileno Pablo Quintanilla viu nessa especial uma chance e de fato lutou para colocar sua Husqvarna de volta ao jogo, com a quebra de Brabec. Quase venceu a etapa: perdeu por apenas 45 segundos para Matthias Walkner, vencedor do dia com o tempo de 3h55min25seg.

O novo líder geral perdeu por 1min13seg para o colega de KTM e, com Quintanilla 28 segundos mais rápido que ele na etapa, a diferença na geral cai para 1min03seg. A competição segue totalmente em aberto, já que os cinco primeiros estão separados por menos de 10 minutos – desse contingente fazem parte o exército KTM e as esperanças de quebra de escrita, o sul-americano Quintanilla e o francês Adrien Van Beveren, da Yamaha.

Este último perdeu imenso tempo ao longo do dia. Não fez uma boa etapa e acabou em sexto, perdendo 11min48seg em relação a Walkner, que subiu para terceiro na geral, ultrapassando Sam Sunderland. Outros três sul-americanos terminaram hoje no top 10: os irmãos Luciano (KTM) e Kevin (Honda) Benavides e o chileno Nacho Cornejo Florimo.

A classificação geral também se modifica não somente pelo abandono de Brabec: o eslovaco Stefan Svitko, vice-campeão em 2016, sofreu um forte tombo com sua KTM. Ele foi evacuado num dos helicópteros da organização para a capital Lima, com suspeita de traumatismo craniano.

Etapa #8 – San Juan de Marcona-Pisco
Ligação: 215 km
Trecho cronometrado: 360 km
Total: 575 km

Resultado – motos:

1. #1 Matthias Walkner (KTM) – 3h55min25seg
2. #6 Pablo Quintanilla (Husqvarna) – a 45seg
3. #3 Toby Price (KTM) – a 1min13seg
4. #14 Sam Sunderland (KTM) – a 6min21seg
5. #29 Andrew Short (Husqvarna) – a 9min51seg
6. #4 Adrien Van Beveren (Yamaha) – a 11min48seg
7. #77 Luciano Benavides (KTM) – a 12min51seg
8. #10 Nacho Cornejo Florimo (Honda) – a 13min48seg
9. #47 Kevin Benavides (Honda) – a 15min07seg
10. #18 Xavier De Soultrait (Yamaha) – a 18min11seg

Classificação geral extra-oficial:

1. Toby Price – 28h53min08seg (+1min33seg de penalização)
2. Pablo Quintanilla – a 1min03seg
3. Matthias Walkner – a 6min35seg (+3min de penalização)
4. Sam Sunderland – a 6min38seg (+2min de penalização)
5. Adrien Van Beveren – a 9min54seg
6. Kevin Benavides – a 21min41seg
7. Andrew Short – a 39min17seg
8. Xavier De Soultrait – a 46min17seg (+1min de penalização)
9. Luciano Benavides – a 1h04min24seg
10. Nacho Cornejo Florimo – a 1h05min44seg (+15min de penalização)

2 comentários

  1. Danilo disse:

    O legal é que se der Quintanilla, de Husqvarna, é quase uma vitória da KTM, já que a marca sueca é hoje subsidiária da austríaca…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *