MENU

31 de março de 2019 - 11:31Endurance Brasil

AJR #88 vence na abertura do Endurance Brasil em Curitiba

2019331945883_EnduranceBrasil2BrunoTerena_II

Apenas 0″379 separaram o protótipo AJR #88 vencedor das 4h de Curitiba da Mercedes-AMG GT3 que chegou em segundo lugar (Foto: Bruno Terena)

RIO DE JANEIRO (De volta à terrinha!) - Os leitores do blog que me desculpem, mas na correria de acabar uma corrida às 18h e embarcar de volta no ônibus que me traria ao Rio às 21h de sábado, ficou impossível escrever o texto do blog. Gravamos primeiro pro Fox NItro e depois, no ônibus mesmo, com o laptop no colo, saiu o texto que o Grande Prêmio já publicou.

Quem assistiu à primeira etapa do Endurance Brasil ontem não se arrependeu: as 4h de Curitiba foram espetaculares, pelo colorido do grid de 33 carros, pelo sol de sábado em Pinhais, na região metropolitana da capital paranaense e, principalmente pelas disputas no correr da prova e pelo final sensacional. Cento e cinquenta e três voltas completadas e somente 0″379 separaram o carro vencedor do segundo colocado.

Ganhou o protótipo AJR #88 da equipe de Juliano Moro, guiado por Carlos Kray, Vicente Orige e Tarso Marques, que após algum tempo afastado das pistas, retornou em grande estilo. “A barba branca já denuncia a ausência”, brincou o piloto que defendeu a Minardi na Fórmula 1 em três oportunidades. “Melhor pular essa parte de quanto tempo fiquei fora”, comentou Tarso, visivelmente contente por vencer logo de cara.

2019331945867_EnduranceBrasilBrunoTerena_II

Tarso Marques, Vicente Orige e Carlos Kray posam no pódio com os troféus da vitória: a corrida marcou o retorno do antigo piloto da Minardi na Fórmula 1 ao automobilismo (Foto: Bruno Terena)

Mas quase que a trinca, que pegou a ponta faltando pouco mais de 15 minutos para o final das quatro horas, não chega no topo do pódio. Nos últimos metros, a Mercedes-AMG de Xandy e Xandinho Negrão aproximou-se perigosamente e pressionou em busca do triunfo. Mas se não deu pra ganhar na geral, venceram na subcategoria GT3.

“Começar vencendo é sempre muito bom. Meu pai fez uma excelente largada e ganhou várias posições, no meu primeiro stint tivemos um furo no pneu traseiro esquerdo e paramos novamente, mas por ser uma corrida longa fomos buscar a diferença entre os líderes. Chegamos muito perto da vitória na geral também, o protótipo #88 que é da categoria mais rápida, vinha economizando combustível, então conseguimos chegar nele e por poucos metros não cruzamos a linha de chegada com mais essa vitória. Estamos felizes com o resultado, a categoria vem crescendo, trazendo mais carros para a disputa e se mantendo muito competitiva”, explicou Xandinho Negrão.

Furos de pneu foram um problema de muitos competidores, afora as entradas do Safety Car pelos mais variados motivos e circunstâncias, de rodadas e batidas, a falhas técnicas. E o protótipo de David Muffato/Pedro Queirolo, que assumiu a dianteira após uma largada espetacular do campeão da Stock Car em 2003, passou pelos mais diferentes percalços, começando por um incêndio no treino de aquecimento e justamente por um furo de pneu, que os atrasou. A dupla terminou em 3º lugar, à frente do Porsche de Ricardo Maurício/Marcel Visconde.

Os pilotos da Stuttgart Motorsport também lideraram a disputa ocasionalmente, mas a regra que impôe turnos de 60 minutos aos pilotos em provas de 4h de duração fez com que Marcel tivesse que entrar nos boxes após a terceira e última janela obrigatória de paradas. Como efeito, voltaram à pista em quinto e ainda ganharam uma posição quando o AJR #65 pole position de Nílson e Beto Ribeiro – que saiu da disputa como o mais rápido – teve que fazer um splash & go nos instantes finais.

E a disputa poderia ter tido muito mais protagonistas: a Ferrari 488 GT3 da Via Itália Racing se envolveu num enrosco ainda no primeiro stint com a Mercedes-AMG GT3 de Guilherme Figueroa/Júlio Campos e as duas duplas tiveram problemas. O carro italiano perdeu oito voltas. A dupla do modelo alemão não voltou mais à disputa em virtude de um furo no radiador. Júlio, que correria no quintal de casa, já que é de Curitiba, nem sentou no carro…

Também o novo protótipo britânico Ginetta G57 andou bem e chegou a ocupar o 2º posto, antes de um contato com outro adversário, que resultou numa falha na suspensão traseira esquerda. A equipe Ebrahim Motors, que dá suporte ao Team Ginetta Brasil, devolveu o carro à pista e a trinca formada por Fábio, Wagner Ebrahim e Pedrinho Aguiar fechou a disputa em oitavo, nove voltas atrasado.

Acabou que entre os quatro novos modelos que estrearam em Curitiba, um dos únicos que não enfrentou problemas foi o Mercedes-AMG GT4 de Alexandre Auler/Leandro Romera. Com Sérgio Jimenez na chefia do time, conseguiram um excelente sétimo lugar na geral e a vitória na categoria. O Ginetta G55 GT4 de Ésio Vichiese/Renan Guerra/Kreis Júnior alcançou o top 10 – mesmo envolvido numa rodada na curva Parabólica com outros dois adversários.

Nas demais classes, os irmãos Gustavo e Rafael Simon deram show na P3 e triunfaram a bordo do protótipo MRX de motor Volkswagen 2,1 litros (oito válvulas, aliás, numa classe que permite carros com mecânica 16V). A equipe Motorcar ganhou também na P4 com o estreante Ricardo Haag e Mário Marcondes realizando um belo trabalho na pista de Curitiba.

A GT3 Light teve vitória do Aston Martin de Sérgio e Guilherme Ribas e na GT4 Light, o Mercedes CLA 45 AMG de Arthur Caleffi/Ian Ely prevaleceu sobre seus adversários. A única categoria que não teve pódio – já que ninguém viu a quadriculada – foi a P2. Havia três protótipos inscritos e todos tiveram problemas. Do total de 33 inscritos, 21 terminaram.

A próxima etapa da temporada será as 4h de Goiânia, no dia 25 de maio – na primeira visita do Império Endurance Brasil ao Centro-Oeste do país.

O top 10 das 4h de Curitiba:

1º #88 Vicente Orige/Carlos Kray/Tarso Marques
Protótipo AJR Chevrolet – categoria P1
153 voltas em 4h00min16s168

2º #9 Xandinho Negrão/Xandy Negrão
Mercedes-AMG GT3 – categoria GT3
a 0s379

3º #113 Pedro Queirolo/David Muffato
Protótipo AJR Chevrolet – categoria P1
a 27s491

4º #55 Marcel Visconde/Ricardo Maurício
Porsche 911 GT3-R – categoria GT3
a 58s378

5º #65 Nílson Ribeiro/Beto Ribeiro
Protótipo AJR Chevrolet – categoria P1
a 3 voltas

6º #19 Daniel Serra/Chico Longo
Ferrari 488 GT3 – categoria GT3
a 7 voltas

7º #3 Alexandre Auler/Leandro Romera
Mercedes-AMG GT4 – categoria GT4
a 8 voltas

8º #20 Wagner Ebrahim/Fábio Ebrahim/Pedro Aguiar
Ginetta G57 Chevrolet – categoria P1
a 9 voltas

9º #63 Guilherme Ribas/Sérgio Ribas
Aston Martin V12 Vantage GT3 – categoria GT3 Light
a 10 voltas

10º #16 Kreis Jr./Renan Guerra/Ésio Vichiese
Ginetta G55 GT4 – categoria GT4
a 11 voltas

1 comentário

  1. Gustavo disse:

    Não poderia ter havido corrida melhor para a etapa de abertura da Endurance Brasil.
    Ao que tudo indica, 2019 pode ser o ano que consagrará a maturidade da categoria.
    Que venha Goiânia !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>