Tänak vence Rali do Chile; Neuville sofre acidente espetacular

T
16166_Podium-Chile-2019_001_896x504
Sob os aplausos de Sébastien Ogier (esquerda) e Sébastien Loeb (mais abaixo à direita), Martin Jarvejoja e Ott Tänak se relançam na briga pelo título do WRC com a vitória no Chile

RIO DE JANEIRO – A estreia do Rali do Chile no WRC trouxe um desfecho inesperado: Ott Tänak (Toyota) foi o grande vencedor do evento inaugural, válido pela 6ª etapa do Campeonato Mundial de Rali, que teve no sábado um grande acidente com o então líder do campeonato, Thierry Neuville, da Hyundai.

O belga e seu navegador Nicolas Gilsoul perderam o controle do Hyundai i20 Coupe na SS8 (Maria de las Cruces 1) num trecho de alta velocidade, batendo num barranco e perdendo o controle, com diversas capotagens em sequência, numa imagem pavorosa.

Felizmente, a gaiola de segurança minimizou o tremendo impacto. Neuville e seu copiloto saíram direto dali do local do acidente para um hospital em Concepción para exames – que, felizmente, não detectaram nada de mais grave, apesar da dimensão do acidente.

Com Neuville fora de contenção, Tänak e seu navegador Martin Jarvejoja mantiveram a liderança já conquistada desde o fim do primeiro dia de provas especiais com sólida margem para o hexacampeão Sébastien Ogier e seu parceiro de Citroën Julien Ingrassia. Tänak ainda foi o mais rápido do Power Stage na segunda passagem por Bio Bio, onde o rival acabou tendo problemas com um extintor de incêndio que disparou sem aviso prévio, e fechou o evento com 23 segundos de vantagem para o francês.

Ogier sai da passagem do WRC pela América do Sul de volta ao comando do campeonato, agora com 122 pontos. Porém, Tänak volta ao páreo, pois a pontuação máxima deu ao estoniano a possibilidade de saltar para 112 e ocupar a vice-liderança da classificação, dois pontos à frente do sortudo Neuville.

Sébastien Loeb foi em parte ajudado pelo acidente de Thierry Neuville, mas isso não lhe tira os méritos de ter alcançado seu melhor resultado neste campeonato. O “Pelé” do WRC venceu várias especiais ao longo da competição e conseguiu um excelente pódio – a apenas 7″1 de Ogier. Os pontos conquistados ajudaram a manter a Hyundai como líder do Mundial de Construtores, com 29 de vantagem para a Toyota.

Os pilotos da M-Sport Ford se saíram bem: Elfyn Evans/Scott Martin ficaram com a quarta colocação, logo à frente de Teemu Suninen/Marko Salminen, que ganharam um chassi novo para o Rali do Chile. Com certeza, foram menos discretos que Esapekka Lappi e Andreas Mikkelsen, que não foram definitivamente bem na segunda prova do WRC em território sul-americano neste ano e bem melhores que Kris Meeke (penalizado em 1min por decisão dos comissários, baixando assim para décimo na classificação do evento) e Jari-Matti Latvala.

O malogro dos experientes pilotos da Toyota proporcionou a Kalle Rovanperä marcar pontos no top 10 com o 8º posto geral – que lhe deu ainda a vitória na classe WRC2 Pro, seguido por Mads Østberg em seu Citroën. Gus Greensmith completou o pódio da divisão, para seguir líder da tabela, com 73 pontos somados.

No WRC2, Takamoto Katsuta e o navegador Daniel Barritt completaram em 14º geral e venceram na categoria. Benito Guerra Jr./Jaime Zapata Ortega completaram com o segundo posto e permanecem líderes do campeonato, com 61 pontos. Paulo Nobre/Gabriel Morales ficaram com a sétima posição na divisão e o 21º posto geral. Com 21 pontos somados, “Palmeirinha” é o décimo na classificação do Mundial.

Resultado final do Rali do Chile:

1 – Tänak-Jarveoja (Toyota Yaris Wrc) – 3.15’53”8
2 – Ogier-Ingrassia (Citroen C3 Wrc) – 23”1
3 – Loeb-Elena (Hyundai i20 Wrc) – 30”2
4 – Evans-Scott (Ford Fiesta Wrc) – 1’36”7
5 – Suninen-Salminen (Ford Fiesta Wrc) – 3’15”6
6 – Lappi-Ferm (Citroen C3 Wrc) – 3’45”4
7 – Mikkelsen-Jaeger (Hyundai i20 Wrc) – 4’39”0
8 – Rovanperä-Halttunen (Skoda Fabia R5) – 8’04”2
9 – Østberg-Eriksen (Citroen C3 R5) – 8’30”0
10 – Meeke-Marshall (Toyota Yaris Wrc) – 8’33”4

Classificação do campeonato após seis etapas:

1. Sébastien Ogier – 122 pontos
2. Ott Tänak – 112
3. Thierry Neuville – 110
4. Kris Meeke – 56
5. Elfyn Evans – 55
6. Sébastien Loeb – 39
7. Andreas Mikkelsen – 36
8. Esapekka Lappi – 34
9. Jari-Matti Latvala – 32
10. Teemu Suninen – 30
11. Dani Sordo – 26
12. Benito Guerra – 8
13. Gus Greensmith e Marco Bulacia Wilkinson – 6
15. Kalle Rovanperä, Pontus Tidemand, Yoann Bonato e Mads Østberg – 4
19. Ole Christian Veiby e Stéphane Sarrazin – 2
21. Pedro Heller, Adrien Fournaux, Janne Tuohino e Ricardo Triviño – 1

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames