Tänak conquista Rali de Portugal e volta à briga pelo título do WRC

T
201962165813
Festa: Ott Tänak e Martin Jarvejoja se abraçam para comemorar a vitória no Rali de Portugal, que deixa a dupla estoniana mais próxima da liderança do campeonato do WRC

RIO DE JANEIRO – A luta pelo título do Mundial de Rali está mais acirrada do que nunca. Três pilotos estão separados por apenas dez pontos, quando chegamos ao término da primeira metade da competição. O Rali de Portugal, disputado neste fim de semana, pôs fogo no parquinho e deixou mais um nome forte nessa disputa.

O estoniano Ott Tänak tornou-se o primeiro a vencer três etapas na temporada e o segundo a ganhar dois eventos consecutivos, depois que Thierry Neuville triunfou no Tour de Corse e também na Argentina. Após o difícil Rali do Chile, o piloto da Toyota foi às terras portuguesas para chegar ao seu nono triunfo da carreira no WRC.

No princípio, pareceu que não seria assim: o espanhol Dani Sordo começou dominante e deu a impressão que a Hyundai dominaria o evento. Ficou só na impressão, pois um problema técnico não só atrapalhou Sordo como também tirou Sébastien Loeb de esquadro. O construtor sul-coreano perdera dois de seus pilotos – após três especiais – para brigar pela vitória em Portugal.

Ao fim do primeiro dia, a liderança caía no colo de Tänak, com seus companheiros de Toyota no encalço, fazendo antever que os japoneses comemorariam um histórico 1-2-3. Mas havia, ainda, muita coisa por vir…

Enquanto Tänak seguiu líder geral após sobreviver firme às seis especiais de sábado – as Street Stages em Gaia acabaram canceladas – mudanças aconteciam atrás do estoniano. Jari-Matti Latvala de repente despencou na classificação e ao fim da SS13 aparecia em 11º lugar. Kris Meeke estava em segundo a menos de quatro segundos e meio do companheiro de equipe e até Thierry Neuville, em furiosa recuperação, já estava igualmente em condições de discutir o primeiro lugar com o líder.

Na primeira passagem por Montim, neste domingo, Meeke foi o mais rápido e a diferença entre ele e Tänak caiu para 2″4, com o estoniano dando o troco na SS17 (Fafe 1) para abrir de novo vantagem na classificação. A diferença voltou a subir para em torno de oito segundos após a especial de Luílhas e, na segunda passagem por Montim, Kris perdeu quase 18 segundos, dando assim a chance do 2ª posto para Thierry Neuville.

O Power Stage foi dramático para o britânico da Toyota, uma vez que o domingo foi disputado nas últimas cinco especiais sem direito à assistência remota. Com a perda de uma roda, Meeke teve que desistir, abrindo caminho para Sébastien Ogier conquistar um 3º lugar improvável – afora os importantes cinco pontos do Power Stage, pelo melhor tempo no SS20 (Fafe 2).

Com tantos problemas e desistências, os Ford da M-Sport ficaram na quarta e quinta posições ao fim do Rali de Portugal, com Teemu Suninen alcançando seu melhor resultado no campeonato, à frente do galês Elfyn Evans.

A sexta posição foi do vencedor entre os carros do WRC2, o finlandês Kalle Rovanperä, com um Skoda, chegando à frente de um inconformado Jari-Matti Latvala – que ainda subiria mais duas posições na classificação.

Mais outros pilotos do WRC2 fecharam no top 10 final, com o tcheco Jan Kopecky em oitavo, o francês Pierre-Louis Loubet em nono e o sueco Emil Bergkvist alcançando seu primeiro ponto no Mundial de Pilotos.

A classificação do campeonato aponta agora uma diferença de dois pontos apenas entre Ogier e Tänak (viram como os pontos do Power Stage foram importantes?), com Neuville em terceiro a 10 pontos do líder do campeonato.

Veremos se no Rali da Sardenha haverá alguma alteração nos rumos da classificação.

Resultado final do Rali de Portugal:

1. Tänak-Jarvejoja (Toyota Yaris WRC) – 3.20’22″8
2. Neuville-Gilsoul (Hyundai i20 Coupe WRC) – a 15″9
3. Ogier-Ingrassia (Citroën C3 WRC) – a 57″1
4. Suninen-Salminen (Ford Fiesta RS WRC) – a 2’41″5
5. Evans-Martin (Ford Fiesta RS WRC) – a 7’08″3
6. Rovanperä-Halttunen (Skoda Fabia R5 EVO WRC2) – a 10’34″2
7. Latvala-Anttila (Toyota Yaris WRC) – a 11’28″2
8. Kopecky-Dresler (Skoda Fabia R5 EVO WRC2) – a 11’41″9
9. Loubet-Landais (Skoda Fabia R5 WRC2) – a 12’46″3
10. Bergkvist-Barth (Ford Fiesta R5 WRC2) – a 14’28″4

Classificação do campeonato após a 7ª etapa:

1. Sébastien Ogier – 142 pontos
2. Ott Tänak – 140
3. Thierry Neuville – 132
4. Elfyn Evans – 65
5. Kris Meeke – 56
6. Teemu Suninen – 44
7. Sébastien Loeb – 39
8. Jari-Matti Latvala – 38
9. Andreas Mikkelsen – 36
10. Esapekka Lappi – 34
11. Dani Sordo – 26
12. Kalle Rovanperä – 12
13. Benito Guerra – 8
14. Gus Greensmith e Marco Bulacia Wilkinson – 6
16. Pontus Tidemand, Yoann Bonato, Mads Østberg e Jan Kopecky – 4
20. Ole Christian Veiby, Stéphane Sarrazin e Pierre-Louis Loubet – 2
23. Adrien Fourmaux, Janne Tuohino, Ricardo Triviño, Pedro Heller e Emil Bergkvist – 1

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

Adicione um Comentário

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames