MENU

21 de julho de 2019 - 13:19European Le Mans Series

Com sobras, G-Drive Racing fatura outra no ELMS

MOTORSPORT : EUROPEAN LE MANS SERIES - ROUND 3 - 4 HOURS OF BARCELONA (ESP) 07/19-20/2019

Tanto fez se foi na luz do sol ou na dos faróis: a G-Drive Racing dominou e venceu com sobras as 4h de Barcelona, terceira etapa do European Le Mans Series, disputada neste sábado

RIO DE JANEIRO – Com muito mais facilidade do que se pensava ou imaginava, a G-Drive Racing voltou a ganhar uma corrida do European Le Mans Series na temporada 2019. Desta vez com Jean-Éric Vergne, de volta após o bicampeonato da ABB FIA Fórmula E, a equipe russa que conta ainda com Roman Rusinov e Job Van Uitert foi simplesmente dominante nas 4h de Barcelona, disputadas neste sábado com final à noite na Catalunha.

Num sábado de muito calor na Espanha, 41 carros deram a largada às 17h30 locais e o pole position Paul Lafargue, no carro da IDEC Sport, perdeu logo a dianteira para o carro #37 da suíça Cool Racing, tripulado no primeiro stint por Antonin Borga. Mas um período prematuro de FCY ocasionado por uma saída de pista do canadense John Farano, companheiro de equipe de Bruno Senna, praticamente decidiu a corrida.

No primeiro pit stop, a G-Drive resolveu não trocar de piloto e fazer um duplo stint com os pneus Dunlop, apesar do tempo quente. A Cool Racing optou por trocar de piloto, mandando Alexandre Coigny substituir Antonin Borga. Enquanto Rusinov controlava a liderança e a performance dos pneus, o Aurus 01 começou a abrir vantagem e já na metade da disputa a diferença era de meio minuto sobre a Duqueine Engineering.

Daí foi fácil para Job Van Uitert e depois Jean-Éric Vergne controlarem a vantagem e partirem para a vitória, com uma volta inteira sobre Tristan Gommendy/Alexandre Cougnaud/Jonathan Hirschi, mesmo com a necessidade de um splash & go a poucos minutos do final.

A trinca da Cool Racing ainda formada por Nico Lapierre nas 4h de Barcelona completou o pódio da LMP2, seguidos pela Duqueine Engineering e pela IDEC Sport.

Foi um massacre dos protótipos construídos pela Oreca, que fizeram as seis primeiras posições da corrida, sobre os Ligier e o solitário Dallara da Carlin. A equipe inglesa completou na nona posição, atrás dos dois bólidos da United Autosport, que sobreviveram a problemas iniciais e chegaram em sétimo e oitavo, numa corrida decepcionante para a organização de Zak Brown e Richard Dean.

Por conta do incidente com John Farano, a RLR MSport/Tower Events perdeu várias voltas e isso prejudicou muito o trabalho de Bruno Senna e Arjun Maini. Ainda assim, o brasileiro e o indiano foram profissionais e levaram o carro #43 ao 13º lugar geral.

5d338b751bcf5

Pódio da classe LMP3, com vitória de Nigel Moore e Martin Hippe (ao centro, de macacão verde claro) e a trinca da United Autosports no pódio, com a participação do brasileiro Thomas Erdos

Na LMP3, a Inter Europol Competition levou a melhor após o domínio inicial da Eurointernational, que ficaria fora da prova após 2h20min de disputa. Foi uma compensação para o time polonês após os problemas do #34 da LMP2 e do outro LMP3 guiado por Paul Scheuschner/Sam Dejonghe: a dupla Martin Hippe/Nigel Moore fez uma corrida sólida e terminou em 16º geral, quase 12 segundos à frente da Ultimate, que fez um grande trabalho para ir ao pódio com a trinca François Hériau/Jean-Baptiste Lahaye/Matthieu Lahaye.

Igualmente espetacular foi o pódio da United Autosports, que caiu para último no início e recuperou para ser terceira colocada com o brasileiro Thomas Erdos dividindo a pilotagem com Wayne Boyd e Garret Grist. Foi o segundo resultado consecutivo do trio entre os três primeiros, que os levou ao 4º lugar do campeonato, com 38 pontos. Hippe e Moore lideram, com 58 e três pódios nas três corridas já disputadas no campeonato.

A Luzich Racing venceu a segunda em três etapas com Ale Pier Guidi/Nicklas Nielsen/Fabien Lavergne liderando a “quadra” de Ferrari 488 GTE na divisão dos Grã-Turismo. Os pilotos do carro #51 completaram a disputa com mais de 41 segundos para Jeffrey Segal/Wei Lu/Matteo Cressoni. A Spirit of Race fechou o pódio e as meninas da Kessel Racing ficaram em quarto.

Apesar de uma saída de pista que quase pôs tudo a perder, a Project 1 ficou mesmo com o quinto posto e como a melhor equipe Porsche na disputa. O segundo carro da Kessel Racing, que chegou a liderar a disputa na primeira fase tendo a bordo o italiano Sergio Pianezzola, fez a melhor volta da disputa na categoria – mas perdeu cinco voltas e acabou apenas em oitavo (e último) na divisão.

A quarta etapa do ELMS será em Silverstone, em evento casado com a abertura da temporada 2019/20 do Mundial de Endurance, no dia 31 de agosto – um sábado.

Compartilhar

3 comentários

  1. Ivair disse:

    Como eu gosto deste campeonato. Quase sempre boas disputas e com carros e pilotos de qualidade. Chassis desenvolvidos por técnicos e engenharia de qualidade (ORECA/Ligier/Dallara) e com motores ótimos (Gibson/Nissan). Baita campeonato

  2. Augusto Neto disse:

    O problema é que as equipes estão migrando aos poucos para o Chassis Oreca, se não derem uma chance (FIA) para os Dallara e Ligier, o WEC e Elms correm o risco de virarem competição monomarca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *