Corvette C8.R: a nova estrela do Endurance

C

screen_shot_2019-07-22_at_10.28.39

RIO DE JANEIRO – No próximo outono, será revelado o novo carro do Endurance mundial, com estreia prevista para o início de 2020. Baseado no modelo que substitui o C7.R lançado em 2014, o Chevrolet Corvette C8.R vem aí com nova proposta: pela primeira vez, um modelo do construtor estadunidense virá com o propulsor montado em posição central-traseira, conceito semelhante ao apresentado pelas adversárias Ford (que sai das pistas no fim deste ano com o fim do time oficial de fábrica nos EUA), Ferrari e Porsche.

A versão de rua do Stingray, recém-lançada, virá com um propulsor V8 de 6,2 litros com aspiração normal. A dúvida persiste sobre o conceito do C8.R de competição: será que a Corvette Racing mantém a mecânica com bloco reduzido a 5,5 litros V8 aspirado ou rende-se a uma unidade compacta com turbocompressor? – há quem diga que seria um V6. Os detalhes têm sido mantidos em segredo, mesmo com os vídeos do carro em franco desenvolvimento. O experiente britânico Oliver Gavin tem feito os testes e está colaborando no setup do carro novo.

Certo é que a expectativa é enorme sobre esse novo modelo de competição, cuja primeira corrida deve ser as 24h de Daytona, na abertura do IMSA Weathertech SportsCar Championship.

O novo C8.R também se credencia a ser um dos participantes do Mundial de Endurance (FIA WEC), talvez na temporada 2020/21. No campeonato que se inicia em setembro, com as 4h de Silverstone, é difícil – diria até impossível.

Mas enquanto sonhar não custa nada e não paga imposto, ficamos aqui conjecturando se o carro terá o mesmo pedigree dos seus antecessores. Tomara que tenha.

Sobre o Autor

Rodrigo Mattar

9 Comentários

  • Se a Corvette Racing tem qualquer noção eles manterão o V8 aspirado. Se cabe um V8 small block MAIS mala na traseira do Corvette C8 colocar um v6t no C8.R seria uma tremenda burrice.

    • Concordo plenamente! V6 seria uma heresia sem tamanho!
      Trovão é trovão. Sem o ronco do V8 a mística do Corvette perde muito.
      Seria muita alteração junta, vai desagradar muita gente. Já chega as 488 assobiando que nem gato rouco.
      A Porsche conseguiu manter o aspirado de alto giro, mesmo central.
      Ficamos na torcida…

  • Irão por o que for mais condizente com o regulamento, e há sim uma grande chance da marca aderir ao downsizing. O C7R padecia perante aos turbos e nem mesmo com o balanço de performance vinha ajudando o bólido a se manter no pelotão.

    • Tem assistido as 24 horas de Le Mans? Os Vette’s não fizeram frente aos Ford GT, Ferrari 488 e aos Porsches.
      Já sobre a adoção de lastro, vai entender oq se passa na cabeça desses engenheiros da A.C.O.

  • Em alguns videos (vazados) que assisti no Youtube do C8-R em testes camuflados, o ronco do motor não tem cara nenhuma de V6 Turbo. A menos que eles tenham conseguido alguma maneira de manter o “trovão” mesmo com o eminente abafo do turbocompressor. A menos também que eles estejam testando hipóteses pra ver o desempenho do bólido.

Por Rodrigo Mattar

Reclames

Perfil

Rodrigo Mattar, carioca de 49 anos. Apaixonado por automobilismo desde os nove, é jornalista especializado em esportes a motor desde 1998. Estagiou no Jornal do Brasil e numa assessoria de comunicação antes de ingressar na Rede Globo. Em 2003, foi para o SporTV, onde foi editor dos hoje extintos programas Grid Motor e Linha de Chegada. No mesmo ano, iniciou sua trajetória como comentarista, estreando numa transmissão de uma corrida de Stock Car, realizada no saudoso Autódromo de Jacarepaguá. Há sete anos, está no Fox Sports, atuando como editor responsável do programa Fox Nitro e comentarista de diversas categorias, entre as quais Rali Dakar, Nascar, MXGP, WTCC, WRC, FIA WEC, IMSA, Fórmula E, WTCR e Superbike Series Brasil. Conduz o blog A Mil Por Hora, agora no GRANDE PRÊMIO, desde 2008.

Arquivos

Categorias

Nuvem de Tags

Twitter

Reclames

Facebook

Mais reclames